Post is pinned.
Leia antes de postar pela primeira vez
Nesta comunidade só os seus membros podem postar e é obrigatório a postar com o nome específico das plantas e de outros seres, de preferencia com o seu nome científico. Não sendo aceitas generalizações como: "orquídea", "cacto", 'bromélia', etc. As postagens sem o nome específico serão sistematicamente excluídas.
Solicito também não colocar várias espécies em uma mesma postagem, exceto quando pertinente ao texto da postagem, como poe ex.: se for ilustrar plantas da mesma família, do mesmo habitat, da merma época geológica, etc.
Essas medidas visam criar uma comunidade diferenciada em relação ao que comumente encontramos da web, priorizando o conhecimento e a informação, procurando desta forma fazer uma contraparte a essa avalanche de equívocos e de postagens superficiais, estéreis no seu conteúdo, o que é atualmente quase um padrão nas redes sociais, situação esta que em nada contribui para corrigir a extrema alienação e ignorância da nossa sociedade, especialmente quando são temas ligados ao mundo natural.
Grato pela atenção e compreensão.
Commenting is disabled for this post.

Post has attachment
Philodendron joaosilvae, a descrição de uma nova espécie de Filodendro.

Post has shared content
A flor da onagrácea palustre Ludwigia peruviana
Photo

Post has attachment
Galhas das larvas do lepidóptero Palaeomystella oligophaga se desenvolvendo em uma melastomatácea Tibouchina mutabilis.
As galhas são estruturas formadas por tecido vegetal causado por uma impressionante modalidade de parasitismo de um inseto, que ao penetrar no interior do tecido normal de uma planta, consegue induzir os tecidos vegetais em seu entorno se desenvolverem à sua vontade, geralmente formando um invólucro protetor e se alimentando das células vegetais do interior desse invólucro.
Diversos táxons de insetos desenvolveram de forma independente a capacidade de formar galhas, mas as galhas das larvas do Palaeomystella oligophaga são as mais elaboradas que tenho conhecimento.
As galhas deste lepidóptero começam pequenas, como a pequena galha que está no caule da planta na foto acima, são relativamente macias e verdes enquanto a larva esta em desenvolvimento, e acompanham o crescendo da larva. Já quando a larva torna-se uma pupa, a galha para de crescer, torna-se mais dura, e serve de proteção até o fim da metamorfose do inseto, que sairá desse casulo feito de tecido vegetal já na sua forma adulta alada.
Photo

Post has shared content
A asterácea Cyrtocymura scorpioides
Photo

Post has attachment
Una nueva ficha para vuestra colección. Un ejemplar precioso Impatiens sodenii

https://plantukis.blogspot.com/2018/12/impatiens-sodenii.html
Impatiens sodenii
Impatiens sodenii
plantukis.blogspot.com

Post has shared content

Post has attachment
A licopodiácea Pseudolycopodiella carnosa crescendo rente ao solo próximo a um curso d´água no Cerrado, o hábito vegetativo desta incomum pteridófita lembra mais muitas selagineláceas que as licopodiáceas que encontramos no Brasil.
Photo

Post has shared content
A pequena angiosperma carnívora aquática Utricularia gibba iluminado pelo sol em um rio na Mata Atlântica.
Photo

Post has attachment
Uma forma rupícola da bromélia Tillandsia gardneri cresce em um penhasco ao lado de uma teia de aranha no Cerrado Mineiro.
Photo
Wait while more posts are being loaded