Post has attachment
O discurso dos alienados, internacionais-socialistas, nacionais-socialistas, sociais-democratas, trabalhistas, cristãos, muçulmanos, fascistas, comunistas, tem muito do discurso sem pontuação:

"Deixo a minha fortuna para o meu irmão não para o meu sobrinho jamais para o meu advogado nada para os pobres.

Como se vê, ninguém entendeu, porque não há nenhuma pontuação e houve enorme confusão entre os interessados na herança.

O discurso político é produzido da mesma forma, de modo a enganar a todos e impor uma verdade fabricada de modo a parecer real e legítima.

O irmão achou que o certo seria assim:
"Deixo minha fortuna para o meu irmão; não para o meu sobrinho, jamais para o meu advogado, nada para os pobres."
Veio o sobrinho e disse que o certo era:
"Deixo a minha fortuna: para o meu irmão, não; para o meu sobrinho; jamais para o meu advogado, nada para os pobres."
Por sua vez, o advogado sustentou que a redação era:
"Deixo a minha fortuna: para o meu irmão, não; para o meu sobrinho, jamais; para o meu advogado, nada para os pobres."

Finalmente, um defensor dos pobres disse que o certo na realidade era:
"Deixo a minha fortuna: para o meu irmão, não; para o meu sobrinho, jamais; para o meu advogado, nada; para os pobres.""

Eles sempre estarão certos, não importa o que digam ou o que façam.

E sempre haverá um neo-liberal para culpar.

Photo

Post has shared content
FACEBOSTA + WHTASMERDA = G+

Post has attachment

Post has attachment


Espero que possamos contribuir para sua ação política em prol do LIBERALISMO no Brasil.

Participe da fundação de um Partido Liberal Brasiliano - PLB

Um Partido LIBERAL para ser liderança no campo do LIBERALISMO.

Um ponto de encontro para os que, mesmo não sendo LIBERAIS, concordam que um Partido Liberal possa ser o vetor das mudanças que o Brasil precisa.

Participe da conversa em http://subsistencia.org/mailman/admin/plbr_subsistencia.org/.

Participe do debate em Subsistencia.org/debate/.

É a ÚNICA forma de MUDAR: fazendo.

Colabore com sua ideia sobre os temas importantes de uma campanha política:

1 - educação
      como será no paradigma LIBERAL?

2 - defesa nacional

3 - transportes

4 - Direito e Justiça: o judiciário

5 - ELEIÇÕES
   
      Eleição do Chefe de Polícia da Cidade
      Eleição do Juiz da Cidade
      Eleição do Advogado Geral da Cidade
      Eleição dos Conselheiros da Cidade

Porque MUDAR TUDO?

6 - IMPOSTOS

     a - quantos?
     b - quais?
     c - quem paga?
     d - quem pode gastar o dinheiro dos impostos e como?

Se você não disser nada é porque não tem nada a dizer. Nesse caso, escolha o MENOS PIOR e vote nele. Não vai fazer qualquer diferença, de qualquer modo.

Participe. Você não vai GANHAR o brasil correto se não PAGAR POR ELE.

Estamos iniciando a montagem da RadioLiberal.org.
Contamos com a colaboração dos simpatizantes do LIBERALISMO para enviar artigos, notícias e comentários para postagem na página da Rádio.

Se você escreve e publica em blog, convidamos você a fazer contato com RadioLiberal@Subsistencia.org com vistas a participar da programação com postagens ou uma coluna na rede.

Atenciosamente
Marcio@RadioLiberal.org

Estamos em alnbr.WordPress.com para fazer o debate.
Contamos com você e sua colaboração.
Você tem ideias sobre um Programa de Governo Liberal?
Sobre um Programa Partidário? Sobre a Campanha para cargos públicos?
Publique aqui e na Revista da Agência Liberal, em alnbr.WordPress.com/.

Abraços

A falsa oposição não pára de publicar as fotos dos criminosos, fazendo "de conta" que fala contra, mas fixa as imagens associadas com ataques.

Essa atitude vitimiza os criminosos, que passam a serem vistos com olhar complacente por parte do leitor, que tem a imagem associada com o ataque, não com o conteúdo.

Psicologia animal, pavlovliana, adestradora das mentes, que passam a responder MENOS NEGATIVAMENTE às imagens dos criminosos, e MAIS FACILMENTE serão convencidas do contrário das mensagens .....


Mas vamos ver o resultado das urnas.

Lembrem-se de 2006.

Caio, você tem alguma coisa útil para dizer sobre o liberalismo, sobre o que precisamos fazer para construir um Brasil novo sem um partido NOVO ou uma REDE nova e que não seja PROS mesmos ou em PROL dos mesmos?

Não estamos aqui para servir de vitrine para a propaganda e marketing politico dos "partidos" "políticos" que você cita.

Se você não vai colaborar, vai sair.

Bem-vindo(a)s novos membros do grupo.

Esta deve ser a terceira "leva" de inscritos no grupo.

Cancelei as inscrições de todos os anteriores porque não postavam nada.

Convido os amigos a lerem o que já foi publicado e colaborar com os objetivos do grupo.

Abraços aos amigos LIBERAIS.

O “capitalismo” foi inventado por Marx para justificar a existência do comunismo. Era uma “rota de chegada” ao comunismo, com uma aparência de “teoria científica”.
No entanto, não há provas da existência do capitalismo como forma de troca economica, e a base da acumulação do “capital”, a “mais-valia”, é a soma de algo que não existe. Não há uma grandeza física que expresse o “capitalismo” e nem uma unidade de medida para monitorizar seu desempenho, ou seja, não pode ser identificado nem medido.
A relação entre o “capitalismo” - que não existe – e a democracia, que também não existe nos moldes em que foi fundada pelos gregos, só encontra relação quanto à escravidão a que são submetidos os cidadãos “contribuintes”: agora, com impostos, antes, com a própria vida em regime de escravidão.
A democracia tem um vício de origem que lhe compromete se não for praticada sob as formas que compensam o vício.
A democracia é a contagem dos votos entre os “iguais”, e no mundo moderno, nenhum – ou quase nenhum país – tem as condições de igualdade étnica e social que os gregos desfrutavam quando da criação do sistema de sustentação política do sistema econômico baseado no trabalho escravo.
Assim, quando havia uma “votação”, somente os gregos votavam, os iguais. Os escravos não votavam.
Nas “democracias modernas” os desiguais votam contra os iguais, ou melhor, os iguais entre si – porém mais pobres – votam contra os iguais entre si – porém mais ricos. E a “maioria ganha”.
Mas a qualidade do voto não é o homem, já que as condições de igualdade não são as mesmas para os dois grupos. A “maioria” já vota com a derrota da “minoria”.
Assim, os mais pobres, mais ignorantes, mais corruptos, mas criminosos, enfim, a “maioria”, sempre ganhará a “eleição democrática”.
E o sistema eleitoral se transforma em uma negociata de estelionato político, em  que cada grupo – a maioria medíocre – e os políticos - que prometem aos pobres que deixarão de serem pobres – concordam em se ajudar para assumir o poder CONTRA a minoria que sabe mais, tem mais, faz mais, produz mais, etc … mais.
Então, a relação entre o “capitalismo” e a “democracia” é que o capitalismo marxista substitui a massa de mão-de-obra escrava e a democracia é assumida pelos sindicalistas comunistas, que herda o Estado.
Não há dúvida que os países citados como padrão de qualidade de "imposto" provam que o imposto funciona. Mas os países citados como contra-prova não são da mesma natureza étnica, social, intelectual, industrial. Não possuem as mesmas condições de trabalho, não tiveram a mesma história, pois se assim o fosse, seriam ... igualmente .... "livres" com altos impostos.
Certamente que o mercado não vai funcionar nos países-exemplo. Eles não saberiam o que fazer no mercado. Tampouco nos países onde a educação não é suficiente para o povo saber como funciona o sistema financeiro e industrialista.
Mas isto não é argumento, é uma realidade que a história produziu.
No caso de países como o Brasil, com a diversidade étnica e social que tem, nem o mercado completamente livre nem o Estado Impostor vão funcionar.
Mas não há solução em o MERCADO, pois estamos onde estamos porque a solução com o MERCADO não foi adotada.
Ao dizer que é preciso que "o mesmo sistema de impostos, mais além dos gastos que financia, seja justo. Para que as classes médias e populares aceitem um nível de impostos elevado é necessário que os mais favorecidos paguem tanto quanto eles" parte do princípio que o simples fato de haver um imposto haverá "justiça social" ou "justiça fiscal". A questão não a quantidade de impostos que "faria a justiça social ou fiscal", mas a qualidade do gasto, e isto somente pode ser alcançado quando TODOS os envolvidos no gasto - e, portanto, TODOS os envolvidos no pagamento dos impostos - tenham o máximo de liberdade possível para discutir os termos do gasto, pois se vão gastar, o imposto já foi cobrado. Isto significa que a qualidade do imposto também é importante, isto é, a definição do quanto deverá ser cobrado de imposto deverá ser ajustado ao quanto deverá ser gasto.
Isto somente poderá ser alcançado se a definição dos gastos anteceder a definição dos impostos, isto é, o Plano Pluri-anual de um Partido Político que almeje governar deverá ser elaborado, pelo Partido, durante os 3 anos e meio que antecedem a eleição, para ser apresentado à população nos seis meses de campanha que antecedem a eleição.
Então sim, os cidadãos saberão o quanto vão gastar - numa aproximação bastante realista - para cumprir o Plano Pluri-anual que os partidos fazem durante o período de uma legislatura.
Mas, os impostos não poderão ser definidos pelos mesmos políticos que irão gastar o dinheiro dos impostos. Assim, deverá haver leis que impeçam que um político eleito a partir da promessa de um PPA tenha condições de alterar alíquotas, criar novos impostos.
Ou seja, um político nunca será eleito para dispor de um orçamento, mas com o orçamento nas mãos, para pedir o voto ao povo. O político eleito não entra para por as mãos no orçamento, entra com a promessa de gastar apenas o que prometeu na campanha.
A primeira conclusão que se pode tirar da questão do imposto é que só há uma raiz para a corrupção: O IMPOSTO.
Ou seja, os defensores do imposto são corruptos, e querem acesso ao orçamento público para fazer o que quiserem, embora não tenham sido eleitos para escolher o quanto e o no quê gastar o dinheiro do povo.
Outra base da corrupção é assumir que o dinheiro dos impostos é público: NÃO É!
O dinheiro dos impostos É PRIVADO!
Está lá para um determinado fim - o Plano Pluri-anual que os partidos políticos deveriam ter apresentado na campanha - e os eleitos são os que deverão cumprir o mandato de gastar daquela forma.
Todo o dinheiro disponível é PRIVADO, embora seja impresso por órgãos públicos, o que também é perfeitamente dispensável.
Basta ler o Art. 1º da CF88.
Lá, a INICIATIVA PRIVADA É FUNDAMENTO DA REPÚBLICA.
O Banco Central, os ministérios, a justiça, os tribunais, a moeda e o sistema eleitoral NÃO SÃO FUNDAMENTOS DA REPÚBLICA e podem - e devem - ser alvos de mudanças de acordo com a vontade do povo.
Ao formular a questão de como "superar o capitalismo, como organizá-lo de outra maneira em benefício de todos, essa página ainda está por ser escrita. Independentemente dos fracassos passados, é preciso recomeçar novamente" mostra o quanto estas pessoas têm medo de viver em um sistema de meritocracia - não admira a oclocracia que produziram - em que o mercado define os rumos e as decisões consideram os DIREITOS INDIVIDUAIS antes dos DIREITOS HUMANOS, pois sem a vida do INDIVÍDUO não haverá HUMANIDADE.
Como diria o judeu no filme "A Lista de Schindler": quem salva um homem, salva toda a humanidade.
Bem, quem mata, mata na mesma proporção, e a morte é o símbolo das revoluções proletárias, sociais-democratas, socialistas e nacionais-socialistas, e a história está aí fora para provar.
Um macho ficar de quatro para outro não configura direito, apenas uma capacidade de fazer tal coisa. Definir família como uma forma de liberar e legalizar a prática de sexo sem-gênero pode ajudar a destruir os tecidos sociais que construíram a sociedade de bases místicas (religiosas) e institucionalizadas pela evolução das relações inter-pessoais que a história consagrou e que estes grupos consideram "burgueses", mas não põe nada melhor no lugar.
Os libertários que fundaram os EUA não mataram milhões para implantar seu regimezinho particular de exceção, mataram os inimigos da ideia de LIBERDADE.
Os humanos se diferenciam dos outros animais pelo telencéfalo altamente desenvolvido, pelo polegar opositor e por serem livres. Livre é o estado daquele que tem liberdade. Liberdade é uma palavra que o sonho humano alimenta, que não há ninguém que explique e ninguém que não entenda. Disponível em http://www.casacinepoa.com.br/os-filmes/roteiros/ilha-das-flores-texto-original/.
LIBERDADE é o direito do homem ser DEIXADO LIVRE.
Wait while more posts are being loaded