Post has attachment

Post has attachment

Post has attachment

Post has attachment

JÁ ESTA DISPONÍVEL A CARTILHA DO BROBO A LÍNGUA XUKURU DO ORORUBÁ, BAIXE O SEU!!!
https://www.hotmart.com/checkout.html?order=R2656589R

Post has attachment

Post has shared content
Cumprimentos indígenas:
É claro que nossos povos originais se cumprimentavam.
Mas não havia a maneira utilizada pelos “ditos”
civilizados. Porém quando todos os brasileiros (até
os afrodescendentes e portugueses) passaram a falar
tupi, é claro que a língua passou a possuir frases de
saudações. Isso seria um tema interessante para
pesquisas, já o tupí antigo era, menos que uma língua
escrita, um idioma oral. Muita coisa deve ter se
perdido com o tempo. Constitui-se num desafio
resgat-las, mesmo se formos nos basear em ditos
antigos de nossos avós ou nos modernismos do
nheengatu...

Post has attachment
Cumprimentos indígenas:
É claro que nossos povos originais se cumprimentavam.
Mas não havia a maneira utilizada pelos “ditos”
civilizados. Porém quando todos os brasileiros (até
os afrodescendentes e portugueses) passaram a falar
tupi, é claro que a língua passou a possuir frases de
saudações. Isso seria um tema interessante para
pesquisas, já o tupí antigo era, menos que uma língua
escrita, um idioma oral. Muita coisa deve ter se
perdido com o tempo. Constitui-se num desafio
resgat-las, mesmo se formos nos basear em ditos
antigos de nossos avós ou nos modernismos do
nheengatu. Mas do tupi antigo temos algumas frases
interessantes e conhecidas:
Ereîurype? = vieste?; Pa, aîu = sim, vim. (o
cumprimento mais primitivo e mais comum da língua e
ainda usado em nações que falam dialetos tupis).
Xe rorybeté, estou muito feliz;
Toryba suí apopor, dou pulos de alegria;
Xe py’á-pe nde pora, moras no meu coração (sic);
Apixib’etá!, carinhos!;
Eneko’ema, bom dia;
Enekaruka, boa tarde;
Enepituna, boa noite;
http://www.superpostagem.com.br/pub.asp?cp=2044975

Post has attachment
Por que você está na pindaíba? Pode ser porque está desempregado ou porque o salário é baixo. Mas os índios de língua tupi há séculos já podiam ficar na pindaíba, sem esses motivos. É que pindá, em tupi, significa anzol. Iba significa ruim. Então, pindaíba quer dizer “anzol ruim”. E, para os povos que viviam em grande parte da pesca, anzol ruim é o mesmo que não ter o que comer.
Pindaíba é um dos mais de 830 verbetes de Paca, Tatu, Cutia! – Glossário Ilustrado de Tupi (Editora Melhoramentos, 128 págs.), de autoria de Mouzar Benedito, com ilustrações de Ohi. O livro não é um dicionário, pois não tem nem formalidades nem estrutura para isso, mas traz verbetes que contam a origem e o significado de palavras de culturas indígenas incorporadas ao português cotidiano e histórias curiosas relacionadas a elas.
A obra apresenta informação histórica com humor. Por exemplo: jabá. Não o jabá com sentido de propina que alguns artistas pagavam (e ainda pagam) para tocar suas músicas nas rádios (mesmo porque o índio não conhecia esse tipo de jabá). Mas, originalmente, essa palavra não era sinônimo de carne seca. Jabá, em tupi, é “fuga, fugir, fugitivo”. Quando os índios escravizados pelos portugueses fugiam eles precisavam comer mas, como não podiam parar para caçar, levavam carne seca, que passou a ser chamada de jabá.

Post has attachment
Wait while more posts are being loaded