Post has attachment
O Livro dos Espíritos
por ALLAN KARDEC – tradução de José Herculano Pires

X – A Linguagem dos Espíritos e o Poder Diabólico

Entre as objeções, algumas são mais ponderáveis pelo menos na aparência, porque baseiam-se na observação de pessoas sérias.

Uma dessas observações refere-se à linguagem de certos Espíritos, que não parece digna da elevação atribuída aos seres sobrenaturais. Se quisermos reportar-nos ao resumo da doutrina atrás apresentado, veremos que os próprios Espíritos ensinam que não são iguais em conhecimentos nem em qualidades morais, e que não se deve tomar ao pé da letra tudo o que dizem. Cabe às pessoas sensatas separar o bom do mau. Seguramente, os que deduzem desse fato que tratamos com seres malfazejos, cuja única intenção é a de nos mistificarem, não conhecem as comunicações dadas nas reuniões em que se manifestam Espíritos superiores, pois de outra maneira não pensariam assim. E pena que o acaso tenha servido tão mal a essas pessoas, não lhes mostrando senão o lado mau do mundo espírita, pois não queremos supor que uma tendência simpática atraia para elas os maus Espíritos em lugar dos bons, os Espíritos mentirosos ou esses cuja linguagem é de revoltante grosseria. Poderíamos concluir, quando muito, que a solidez dos seus princípios não seja bastante forte para preservá-las do mal, e que, achando um certo prazer em lhe satisfazer a curiosidade, os maus Espíritos, por seu lado, se aproveitam disso para se introduzir entre elas, enquanto os bons se afastam.

Julgar a questão dos Espíritos por esses fatos seria tão pouco lógico como julgar o caráter de um povo pelo que se diz e se faz numa reunião de alguns estabanados ou gente de má fama, a que não comparecem os sábios nem as pessoas sensatas. Os que assim julgam estão na situação de um estrangeiro que, chegando a uma grande capital pelo seu pior arrabalde, julgasse toda a população da cidade pêlos costumes e a linguagem desse bairro mesquinho. No mundo dos Espíritos, há também desníveis sociais; se aquelas pessoas quisessem estudar as relações entre os Espíritos elevados, ficariam convencidas de que a cidade celeste não contém apenas a escória popular. Mas, perguntam elas, os Espíritos elevados chegam até nós? Responderemos: não permaneçais no subúrbio; vede, observai e julgai; os fatos aí estão para todos. A menos que a essas pessoas se apliquem estas palavras de Jesus: “Têm olhos e não vêem; têm ouvidos e não ouvem”.

Uma variante desta opinião consiste em não ver nas comunicações espíritas e em todos os fatos materiais a que elas dão lugar senão a intervenção de um poder diabólico, novo Proteu que revestiria todas as formas para melhor nos iludir. Não a consideramos suscetível de um exame sério e por isso não nos deteremos no caso: ela já está refutada pelo que dissemos atrás. Acrescentaremos apenas que, se fosse assim, teríamos de convir que o diabo é às vezes bem inteligente, bastante criterioso e sobretudo muito moral, ou então que existem bons diabos.

Como acreditar, de fato, que Deus não permita senão ao Espírito do mal manifestar-se para nos perder, sem dar-nos por contrapeso os conselhos dos bons Espíritos? Se ele não o pode, isto é uma impotência; se ele o pode e não faz, isso é incompatível com sua bondade; e uma e outra suposição seriam blasfêmia. Acentuemos que admitir a comunicação dos maus Espíritos é reconhecer o princípio das manifestações. Ora, desde que estas existem, será com a permissão de Deus. Como acreditar, sem cometer impiedade, que ele só permita o mal, com exclusão do bem? Uma doutrina assim é contrária ao bom senso e às mais simples noções da religião.
Photo

Post has attachment
Caridade
Chico Xavier
A caridade é um exercício espiritual. Quem pratica o bem, coloca em movimento as forças da alma.

Coragem e Paciência
Chico Xavier
Em minhas preces de todo dia, sempre peço coragem e paciência. Coragem para continuar superando as dificuldades do caminho naqueles que não me compreendem. E paciência, para não me entregar ao desânimo diante das minhas fraquezas!

Infelicidade
Chico Xavier
Planejar a infelicidade dos outros é causar com as próprias mãos um abismo pra si mesmo.

Não Dizer
Chico Xavier
Eu nem sempre posso falar aquilo que penso, mas o que não posso falar é exatamente aquilo que eu não devo dizer.
Photo

Post has attachment
Apenas Um - Conto

Seus olhos tristonhos focalizaram o asfalto úmido no qual caminhava. Aquelas luzes deveriam significar felicidade, não tristeza. Era Natal. Nascimento. Vida. Amor.
Mas talvez não para ele.
Seus pés estavam molhados, seu corpo sujo e fedendo a óleo. Seu estômago doía, pois há dias não se alimentava. As pessoas se afastavam dele, o humilhavam. Riam de sua tristeza. Nem mesmo o significado daquela noite as fazia perceber que ele necessitava ao menos de uma palavra de carinho.
As casas ricas e enfeitadas o abominavam. Os transeuntes desciam das calçadas para não passarem perto dele. Ele sentia sede e fome. Sentia tristeza e solidão. Desprezo.
Recomeçou a andar sem rumo quando uma voz forte e decidida o chamou.
— Hei amigo, venha , eu também estou abandonado essa noite.
Aqueles olhos tristes criaram luz, um raio de alegria que o fez dar meia volta e aproximar-se do velho mendigo que, como ele, estava imundo e molhado pela garoa fina. As mãos estavam sujas, mas lhe acenavam com alegria. O rosto, marcado pela dureza da vida, mesmo assim um sorriso o acolhia. Ele não pensou duas vezes e correu na direção daquele abraço carinhoso do qual tanto necessitava.
Sentiu-se seguro. Amado, realmente querido. Quando sentaram-se em frente as belas mansões e dividiram um pedaço de pão , sua alegria transformou-se em jubilo. Ele reviu as mesas fartas, as pessoas ricas que não se importavam com sua fome, no entanto aquele mendigo dividia com ele seu único pedaço de pão. Talvez a humanidade ainda não estivesse perdida.
Sua língua comprida lambeu as mão imundas e o rosto abatido daquele velho mendigo que acariciava seus pelos desgrenhados. Ele não era apenas um cão de rua, agora era um amigo e permaneceu ali até o homem adormecer sob a noite chuvosa.
Então, em silêncio, começou a se afastar. Uma luz imensa rodeou-lhe a figura e o que eram patas tornaram-se pés. Os pelos sumiram e um manto alvo cobriu-lhe o corpo, um par de asas romperam-lhe das costas e ele alçou um voo silencioso em direção ao céu.
A chuva cessou e o céu resplandeceu em estrelas enquanto sua voz poderosa clamava.
“Abençoai os homens , Senhor, pois ainda resta-lhes no coração o amor. Eu vim e descobri um que fez valer a pena. Apenas um, como me pedistes . Deixai prosseguir a vida na Terra, por ele eu vos peço. Perdoai a humanidade e não a destruí, pois uma alma nobre ainda sabe o que é Natal”
E o anjo da destruição partiu, deixando que as estrelas iluminassem a Terra e os homens que ainda conseguiam vê-las.



Simone Nardi
Photo

Post has attachment
Morrer para si mesmo

Lembre-se, ao se aproximar dos outros, de ser cuidadoso com seus "egos". Esse é o único meio que possuem para a sobrevivência interior até que eles tenham conquistado uma real e duradoura visão da Consciência_Divina e que percebam que têm dentro de si algo que é transcendente a eles mesmos — uma fonte de força, poder e inspiração.

Você também deve compreender que ao ser individualizado numa forma_corporal e na atividade mental — emocional, está sujeito às leis da existência. Você recebeu a individualidade, a identidade e um potencial infinito para alcançar a Consciência_Crística e há um preço a pagar por isso. Durante, quem sabe, muitas_vidas (até que tenha se educado nesse raro conhecimento_do_"eu"), você experimenta os caprichos e as inúmeras complexidades da vida e das relações. Em muitas vidas passadas você pode ter feito coisas ultrajantes que os demais consideraram o "pecado personificado", mas essas experiências de personalidades magnéticas terão contribuído para trazê-lo até onde hoje você está na percepção espiritual. Assim, você deve ser capaz de aceitar que não há "pecado" contra um "Deus" e que não há "pecado" contra outros. O "ego" pode estar totalmente no controle e fazer coisas reprováveis somente porque a "alma" ainda está adormecida na escravidão da pesada teia de aranha da personalidade magnética.

Onde esse é o caso, não há possibilidade de persuadir a pessoa de que ela causou danos a outros. Não há iluminação_interior proveniente da Luz para mostrar a ela uma maneira melhor de viver. A LUZ está totalmente bloqueada pela consciência magnética do ego. Contudo, a dor que tal pessoa experimentará (uma vez que tudo o que fez aos outros retornará para ela na mesma medida e mais), por fim a fará questionar a existência. E fazer perguntas é o modo pelo qual se recebe as respostas da "VIDA DIVINA".

Comecei esta seção dizendo que as pessoas acreditam que podem ser transformadas pelo "Espírito".

Agora você compreende por que eu disse que "não há nada para ser transformado"? Não há nada "real" ou "eterno" na personalidade. Há uma grande necessidade de abandoná-la para revelar o Divino no interior.

Na Palestina chamei a esse processo de "morrer para si mesmo"[1], o que demonstrou ser uma afirmação atemorizante. Por causa dela, muita gente foi dissuadida de entrar no caminho que leva às dimensões espirituais superiores. E sim, esse último passo no processo de abandonar-se é de fato como uma morte. A pessoa perde uma parte essencial de seu eu humano/terreno enquanto o ultrapassa, mas o alívio e a paz interior, que se experimenta quando finalmente a luta termina, não pode ser descrito. A alegria preenche o coração. Há verdadeira segurança, repouso e tranquilidade no silêncio da mente. Por fim a luta pelo controle pessoal acabou. A pessoa se tornou um "mestre". Depois vem um tempo de descanso espiritual e de recuperação.

Mais tarde isso é seguido pela entrada em uma nova dimensão do "ser".

Nada na cena humana terá "importância" como antes.

As pessoas criticam você? Anteriormente, a personalidade magnética teria feito você sentir raiva por causa de sua insegurança, sua necessidade impulsiva de parecer perfeito diante de todos, com a finalidade de ganhar aprovação. Se eles não o aprovarem, argumentava o ego, como você sobreviverá? Como será sua vida?

Quando a voz do "ego" se cala, não há mais necessidade de procurar segurança, pois você está SEGURO. Você sabe que está sustentado, mantido, alimentado, protegido, curado pela CONSCIÊNCIA da VIDA DIVINA, pouco importando o que os outros possam pensar de você. Sua alegria, prazer, felicidade, realização pessoal e contentamento, estão todos dentro de você. De fato, você não precisa mais de todo o resto. Salvo que você é parte de "todo o resto", e quando a Luz o preenche você tem uma necessidade impulsionadora de transmitir aos outros tudo o que a CONSCIÊNCIA da VIDA DIVINA derrama em você a cada momento do dia, na medida em que permanece em constante contato com essa bela dimensão dentro de você.

Você já não rejeita a personalidade dos outros, todo mundo é aceitável para você, todo mundo tem necessidade de amor e agora você está cheio de amor para doar. Amar_incondicionalmente não é mais uma luta. Ocorre espontaneamente.

Qualquer falha, qualquer erro que tenha cometido em suas atitudes para com os outros como resultado de fragmentos do "ego" que possam restar em você, são revelados. Mas não tenha medo do autoconhecimento — o abrace com amor e gratidão. Você descobrirá que o reconhecimento e aceitação das reações humanas negativas em você mesmo é tão saudável quanto curativo. Aceite alegremente e assuma a responsabilidade por qualquer erro que cometa e então, quando o tiver avaliado de "maneira amorosa", deixe-o ir. Você experimentará paz interior, sabendo que aprendeu outra coisa valiosa que será de grande ajuda quando você voltar a ser desafiado pelas experiências terrenas. Acaba-se o tempo do profundo arrependimento, uma vez que fez seu trabalho de se liberar das respostas magnético - emocionais que trouxeram sofrimento no passado.

Então você entrou no que chamei de o "Reino_dos_Céus" quando estive na Terra. Todas as suas necessidades são satisfeitas e você SABE que qualquer necessidade no futuro também será satisfeita quase espontaneamente. Esse conhecimento o mantém em constante contato com a "VIDA DIVINA" e proporciona um imenso sentido de segurança. Com a paz e a tranquilidade da mente, vem a alegria e a felicidade e um novo sentido de bem-estar juvenil. Os males menores, as doenças crônicas e mesmo as terminais serão removidas e você outra vez entrará em uma nova fase de existência. Cada vez que aprende uma lição, você deixa para trás um pouco da dimensão humana e avança para uma frequência mais elevada de consciência espiritual.

Estou descrevendo as recompensas que o esperam quando você luta e ocupa-se da escravidão magnético-emocional de "atração/ligação — rejeição/repulsão". Isso é o que inicialmente dá a você a individualidade, mas que se torna um grilhão da alma, do qual você deve se libertar a fim de sair da roda[2]. Essa roda é o breve espaço de tempo de sua atual vida humana, continuamente girando, continuamente levando-o para experiências que não o alegram. Quando enfim você for capaz de transcender, em espírito, suas reações magnético-emocionais para a vida, a roda começará a girar mais devagar e então, de repente, achará que está quase parando e começará a experimentar a bela qualidade de vida que descrevi acima. Se eu pudesse removeria essa carga imposta sobre você pela sua condição humana terrena. Conheço seu sofrimento, seus momentos de desespero, sua dor na noite solitária e suas horas de tumulto mental e emocional. Enquanto desço até suas frequências de consciência para transmitir minha mensagem e compreender o que é necessário dizer, eu me torno consciente de sua condição terrena e essas palavras são minha resposta às suas mais urgentes necessidades de alívio e cura.

Não duvide de que essas palavras procedem de mim. Conforte-se com elas e SAIBA que à medida que as estudar elas trarão, com o tempo, uma profunda iluminação da alma que o levará às tão almejadas mudanças em sua vida e em você mesmo.
________________
N.T.: [1] Dying to self.
N.T.: [2] Treadmill: trabalho árduo e monótono, rotina. Antigamente, um moinho acionado por uma roda com degraus onde alguém pisava continuamente para fazê-lo girar.

AS OUTRAS PESSOAS
Diante de qualquer pessoa, seja quem seja, inclina-te à bondade e começa por endereçar-lhe um pensamento de simpatia.



Se renteias com alguém que admiras pelas virtudes que lhe exornam o caráter, pondera os riscos a que essa criatura se vê exposta pela altura a que se guindou e, calculando os sacrifícios que terá ela feito para alcançar as responsabilidades em que se situa, oferece-lhe apoio, para que não se lhe desafinem as cordas da alma.

À frente de outra pessoa que consideres errada, com mais razão orarás por ela, rogando o auxílio da Vida Maior, em seu favor, a fim de que se lhe refaçam as fôrças.

Farás ainda mais.

Meditarás nas muitas vêzes em que essa criatura haverá sofrido o impacto das tentações que lhe assaltaram a estrada e não acharás motivo para estranheza ou condenação se refletires nas lágrimas que terá ela vertido, até que a tortura mental lhe impulsionasse o coração para o colapso das energias morais em que se escorava dificilmente.


Todos somos defrontados no cotidiano por inúmeras pessoas que a vida nos traz à observação.

Recebamo-las tôdas na condição de criaturas irmãs, portadoras de recursos e fraquezas, esperanças e sonhos, tarefas e lutas, problemas e dores semelhantes aos nossos.

*

Consideremos, sobremaneira, que ninguém se aproxima de alguém pedindo reprovação ou azedume.

Todos carecemos de compreensão e bondade.

Quando estamos em paz, o conselho que nos induz ao aperfeiçoamento moral lembra a lâmpada acesa impelindo-nos para a frente.

Entretanto, quando desajustados pelas conseqüências de nossos próprios erros, já carregamos em nós próprios fardos de angústia suficiente para suplício do coração.

Doemos a quantos se abeirem de nós o melhor que pudermos:

o entendimento e a fraternidade, a boa palavra e o serviço nobilitante.
Convençamo-nos todos de que todos os males, os nossos e os dos outros, ficarão um dia para trás, em definitivo. Tôda sombra chega e passa à feição de nuvem perante o sol. Permanecerá no Universo, acima de tudo e para sempre, o Sol da Providência Divina. E na luz da Providência Divina todos os mundos e todos os sêres se encadeiam na corrente do amor eterno, em permanente e vitoriosa sublimação.
Photo

Post has attachment
O Evangelho Segundo o Espiritismo
por ALLAN KARDEC – tradução de José Herculano Pires

O Ponto de Vista

5 – A idéia clara e precisa que se faça da vida futura dá uma fé inabalável no porvir, e essa fé tem conseqüências enormes sobre a moralização dos homens, porque muda completamente o ponto de vista pelo qual eles encaram a vida terrena. Para aquele que se coloca, pelo pensamento, na vida espiritual, que é infinita, a vida corporal não é mais do que rápida passagem, uma breve permanência num país ingrato. As vicissitudes e as tribulações da vida são apenas incidentes que ele enfrenta com paciência, porque sabe que são de curta duração e devem ser seguidos de uma situação mais feliz. A morte nada tem de pavoroso, não é mais a porta do nada, mas a da libertação, que abre para o exilado a morada da felicidade e da paz. Sabendo que se encontra numa condição temporária e não definitiva, ele encara as dificuldades da vida com mais indiferença, do que resulta uma calma de espírito que lhe abranda as amarguras.

Pelas simples dúvida sobre a vida futura, o homem concentra todos os seus pensamentos na vida terrena. Incerto do porvir, dedica-se inteiramente ao presente. Não entrevendo bens mais preciosos que os da Terra, ele se porta como a criança que nada vê além dos seus brinquedos e tudo faz para os obter. A perda do menor dos seus bens causa-lhe pungente mágoa. Um desengano, uma esperança perdida, uma ambição insatisfeita, uma injustiça de que for vítima, o orgulho ou a vaidade ferida, são tantos outros tormentos, que fazem da sua vida uma angústia perpétua, pois que se entrega voluntariamente a uma verdadeira tortura de todos os instantes.

Sob o ponto de vista da vida terrena, em cujo centro se coloca, tudo se agiganta ao seu redor. O mal o atinge, como o bem que toca aos outros, tudo adquire aos seus olhos enorme importância. É como o homem que, dentro de uma cidade, vê tudo grande em seu redor: os cidadãos eminentes como os monumentos; mas que, subindo a uma montanha, tudo lhe parece pequeno.

Assim acontece com aquele que encara a vida terrena do ponto de vista da vida futura: a humanidade, como as estrelas no céu, se perdem na imensidade; ele então se apercebe de que grandes e pequenos se confundem como as formigas num monte de terra; que operários e poderosos são da mesa estatura; e ele lamenta essas criaturas efêmeras, que tanto se esfalfam para conquistar uma posição que os eleva tão pouco e por tão pouco tempo. É assim que importância atribuída aos bens terrenos está sempre na razão inversa da fé que se tem na vida futura.

6 – Se todos pensarem assim, dir-se-á, ninguém mais se ocupando das coisas da Terra, tudo perigará. Mas não, porque o homem procura instintivamente o seu bem estar, e mesmo tendo a certeza de que ficará por pouco tempo em algum lugar, ainda quererá estar o melhor ou o menos mal possível. Não há uma só pessoa que, sentindo um espinho sob a mão, não a retire para não ser picada. Ora, a procura do bem estar força o homem a melhorar todas as coisas, impulsionado como ele é pelo instinto do progresso e da conservação, que decorre das próprias leis da natureza. Ele trabalha, portanto, por necessidade, por gosto e por dever, e com isso cumpre os desígnios da Providência, que o colocou na Terra para esse fim. Só aquele que considera o futuro pode dar ao presente uma importância relativa, consolando-se facilmente de seus revezes, ao pensar no destino que os aguarda.

Deus não condena, portanto, os gozos terrenos, mas o abuso desses gozos, em prejuízo dos interesses da alma. É contra esse abuso que se previnem os que compreendem estas palavras de Jesus: O meu reino não é deste mundo.

Aquele que se identifica com a vida futura é semelhante a um homem rico, que perde uma pequena soma sem se perturbar; e aquele que concentra os seus pensamentos na vida terrestre é como o pobre que ao perder tudo o que possui, cai em desespero.

7 – O Espiritismo dá amplitude ao pensamento e abre-lhe novo horizonte. Em vez dessa visão estreita e mesquinha, que o concentra na vida presente, fazendo do instante que passa sobre a terra o único e frágil esteio do futuro eterno, ele nos mostra que esta vida é um simples elo do conjunto harmonioso e grandioso da obra do Criador, e revela a solidariedade que liga todas as existências de um mesmo ser, todos os seres de um mesmo mundo e os seres de todos o mundos. Oferece, assim, uma base e uma razão de ser à fraternidade universal, enquanto a doutrina da criação da alma, no momento do nascimento de cada corpo, faz que todos os seres sejam estranhos uns aos outros. Essa solidariedade das partes de um mesmo todo explica o que é inexplicável, quando apenas consideramos uma parte. Essa visão de conjuntos, os homens do tempo de Cristo não podiam compreender, e por isso o seu conhecimento foi reservado para mais tarde.
Photo

Post has attachment
Aulas de Compaixão
E o mentor, finalizando a aula valiosa, falou com simplicidade:

– Para auxiliar com segurança nas trilhas humanas, é necessário que a compaixão se nos faça base em qualquer atitude.

Nenhuma exasperação conduz à beneficência.

Qualquer apontamento destrutivo é agente perturbador no campo das boas obras.

Entreguemos-nos à sementeira do amor, sem aguardar qualquer tributo de gratidão.

Os espíritos reencarnados trazem por si pesada carga de tribulações, para que nos seja lícito atormentá-los com admoestações e censuras.

Quase sempre, todos eles sofrem e choram…

Esse apresenta alto nível de vigor, no entanto, carrega as desvantagens da precipitação;

aquele atingiu a segurança econômica, mas transporta enfermidade oculta a frenar-lhe os movimentos;

outro acumulou enorme fortuna, contudo, lastima o desequilíbrio dos descendentes;

outros muitos que ontem se mostravam despreocupados, hoje lamentam a perda de criaturas inesquecíveis;

esse conquistou a fama, entretanto, se vê relegado à solidão;

aquele que obteve influência e poder sobre milhares de pessoas, todavia, precisa apoiar-se em algum coração amigo, a fim de não cair sob o peso das próprias obrigações;

outro é sábio, mas necessita escorar-se em alguém, de modo a não sucumbir ante as exigências da vida comunitária;

e outros muitos se destacam em campeonatos de beleza e inteligência, no entanto, acalentam consigo os impulsos negativos que os aproximam da doença e da morte.

Misericórdia para todos é o que nos pede o Senhor da vida.

O instrutor dera por terminada as elucidações, mas um companheiro abeirou-se dele e perguntou:
– Professor, existirá, porventura, algum processo pelo qual possamos instalar facilmente a compaixão por dentro de nós?

O interpelado sorriu com bondade e rematou:

– Amigo, a compaixão é fruto do discernimento.

Quantos de nós, que nos achamos neste recinto, já atravessamos as estradas humanas, e, por isso, conhecemos quanto custa trabalhar pelo bem nos constrangimentos e dificuldades do plano físico.

Em razão disso, recordemos a lição de Jesus: aquele de nós que houver passado pelo caminho dos homens, com a grandeza dos anjos, atire a primeira pedra.

Autor: Meimei
Psicografia de Chico Xavier. Do livro: Deus Aguarda
Photo

Post has attachment
Photo

Post has attachment
O Evangelho segundo o Espiritismo

Parábola da figueira que secou

Quando saíam de Betânia, ele teve fome; e, vendo ao longe uma figueira, para ela encaminhou-se, a ver se acharia alguma coisa; tendo-se, porém, aproximado, só achou folhas, visto não ser tempo de figos. Então, disse Jesus à figueira: Que ninguém coma de ti fruto algum, o que seus discípulos ouviram. — No dia seguinte, ao passarem pela figueira, viram que secara até à raiz. — Pedro, lembrando-se do que dissera Jesus, disse: Mestre, olha como secou a figueira que tu amaldiçoaste. — Jesus, tomando a palavra, lhes disse: Tende fé em Deus. — Digo-vos, em verdade, que aquele que disser a esta montanha: Tira-te daí e lança-te ao mar, mas sem hesitar no seu coração, crente, ao contrário, firmemente, de que tudo o que houver dito acontecerá, verá que, com efeito, acontece. (S. MARCOS, cap. XI, vv. 12 a 14 e 20 a 23.)
A figueira que secou é o símbolo dos que apenas aparentam propensão para o bem, mas que, em realidade, nada de bom produzem; dos oradores que mais brilho têm do que solidez, cujas palavras trazem superficial verniz, de sorte que agradam aos ouvidos, sem que, entretanto, revelem, quando perscrutadas, algo de substancial para os corações. É de perguntar-se que proveito tiraram delas os que as escutaram.
Simboliza também todos aqueles que, tendo meios de ser úteis, não o são; todas as utopias, todos os sistemas ocos, todas as doutrinas carentes de base sólida. O que as mais das vezes falta é a verdadeira fé, a fé produtiva, a fé que abala as fibras do coração, a fé, numa palavra, que transporta montanhas. São árvores cobertas de folhas porém, baldas de frutos. Por isso é que Jesus as condena à esterilidade, porquanto dia virá em que se acharão secas até à raiz. Quer dizer que todos os sistemas, todas as doutrinas que nenhum bem para a Humanidade houverem produzido, cairão reduzidas a nada; que todos os homens deliberadamente inúteis, por não terem posto em ação os recursos que traziam consigo, serão tratados como a figueira que secou.
Os médiuns são os intérpretes dos Espíritos; suprem, nestes últimos, a falta de órgãos materiais pelos quais transmitam suas instruções. Daí vem o serem dotados de faculdades para esse efeito. Nos tempos atuais, de renovação social, cabe-lhes uma missão especialíssima; são árvores destinadas a fornecer alimento espiritual a seus irmãos; multiplicam-se em número, para que abunde o alimento; há-os por toda a parte, em todos os países em todas as classes da sociedade, entre os ricos e os pobres, entre os grandes e os pequenos, a fim de que em nenhum ponto faltem e a fim de ficar demonstrado aos homens que todos são chamados. Se porém, eles desviam do objetivo providencial a preciosa faculdade que lhes foi concedida, se a empregam em coisas fúteis ou prejudiciais, se a põem a serviço dos interesses mundanos, se em vez de frutos sazonados dão maus frutos se se recusam a utilizá-la em benefício dos outros, se nenhum proveito tiram dela para si mesmos, melhorando-se, são quais a figueira estéril. Deus lhes retirará um dom que se tornou inútil neles: a semente que não sabem fazer que frutifique, e consentirá que se tornem presas dos Espíritos maus.



(Fonte: O Evangelho segundo o Espiritismo, cap. XIX, itens 8 a 10.)
Photo

Post has attachment
Câmara aprova controle de natalidade de cães e gatos por esterilização.

Autor de projeto diz que objetivo é evitar sacrifício de animais saudáveis. Texto já havia sido aprovado pelo Senado e segue para sanção do presidente Michel Temer.

A câmara dos Deputados aprovou nesta terça-feira (7) projeto de lei que cria a política de controle de natalidade de cães e gatos por meio da esterilização, que pode ser cirúrgica ou seguir outro procedimento, desde que seja garantido o bem-estar do animal.

O projeto já havia sido aprovado pelo Senado e agora segue para sanção do presidente Michel Temer.

De autoria do ex-deputado Affonso Camargo (PSDB-PR), o projeto começou a tramitar em 2003. Na justificativa, Camargo disse que a medida tem como objetivo eliminar o extermínio de cães e gatos saudáveis sob a argumentação do controle de natalidade.

“Ao manter o extermínio de cães e gatos saudáveis, o poder público está praticando uma equivocada e ultrapassada política de saúde pública que ainda segue as recomendações do 6º Informe Técnico da Organização Mundial de Saúde, datado de 1973 e em desuso na maior parte do mundo, que consistem na captura e sacrifício de animais errantes como método de controle populacional”, escreveu o deputado.

O que diz o projeto
Pela proposta aprovada pela Câmara, o programa de esterilização de animais será permanente e deverá levar em conta a superpopulação de cães e gatos ou o quadro epidemiológico existente em cada localidade. O atendimento será prioritário para os animais localizados em comunidades de baixa renda.

As unidades de controle de zoonoses que não puderem executar o programa de esterilização poderão atuar em parceria com entidades de proteção aos animais e clínicas veterinárias legalmente estabelecidas.

Os recursos para implementar o programa de natalidade virão da Seguridade Social da União, com contrapartida dos municípios de pelo menos 10% dos custos.
Photo

Post has attachment
🔴 Divaldo Franco DESABAFA SOBRE SUAS DORES E PEDE ORAÇÕES! 2017

https://www.youtube.com/watch?v=Po8BaDm_P9c
Wait while more posts are being loaded