Post has attachment
https://www.youtube.com/watch?v=LHiL27bRGOs

Em abril de 1976, recebi o convite de um colega de escola, Osvaldo Vicino, para ingressar numa banda que ele tencionava formar. Foi o início concreto de minha trajetória na música. Tal banda denominou-se "Boca do Céu". Apesar de formada por músicos iniciantes, e no meu caso, começando da "estaca zero" do aprendizado musical, tal conjunto tinha o nobre propósito de ser autoral, criando seu repertório e lutando para buscar sua inserção no métier da cena Rock de então. Em 12 de junho de 1977, uma filmagem foi feita da banda em ação (uma visão de ensaio, não foi show, oficialmente, embora tocássemos ao vivo, de forma real), no clássico padrão de captura em Super-8, portanto não tem o áudio, mas apenas imagens. A despeito disso e do caráter prosaico das imagens, é uma peça rara a mostrar os componentes com feições adolescentes ainda, portanto, tem valor histórico para todos os envolvidos. Agradeço muito ao baterista Fran Sérpico, que além de ter preservado esse material bruto por tantos anos, digitalizou tal filmagem e providenciou a sua postagem no You Tube, inicialmente, e estendo o agradecimento pela segunda cópia, produzida pela amiga, Jani Santana Morales. Vejam Laert Sarrumor (vocalista), então com menos de vinte anos de idade, quando nem sonhava com o Língua de Trapo na ocasião, mais Osvaldo Vicino (na frente, na maior parte do tempo, interagindo com Laert), que é hoje em dia, guitarrista e baixista, além de ter uma carreira de sucesso como executivo no mundo corporativo. O outro guitarrista é Wilton Rentero, nos dias atuais um professor universitário com vários livros publicados; Fran Sérpico na bateria (hoje um executivo bem sucedido), e ao fundo, eu, Luiz Domingues, usando um baixo "handmade", simulacro de "Hofner", meu primeiro instrumento. Abaixo, a ficha técnica postada no You Tube :

O Boca do Céu foi uma banda de Rock paulistana fundada em abril de 1976, tendo o guitarrista Osvaldo Vicino como seu articulador inicial ao lado do baixista Luiz Domingues e do baterista Fran Sérpico. Após a passagem efêmera de dois vocalistas (Bernardo Lopes de Almeida e Edson Coronato), finalmente o vocalista e tecladista definitivo agregou-se à banda, na pessoa de Laert Julio, futuro Laert Sarrumor, líder do Língua de Trapo. No início de 1977, juntou-se à banda, o guitarrista Wilton Rentero. Essa filmagem é um raro documento das atividades da banda, mostrando uma apresentação improvisada na residência da família Sérpico, no bairro do Campo Belo, zona sul de São Paulo, no dia 12 de junho de 1977. Não tem áudio da banda tocando, mas apenas as imagens.

Boca do Céu
Exibição ao vivo no local de Ensaio
12 de junho de 1977
Captura das imagens em Super-8 : Nelson
Apoio logístico : Elizabeth Vicino Gravalos
Digitalização; edição e postagem inicial no You Tube em dezembro de 2016 : Fran Sérpico
Pós Produção em dezembro de 2016 : Jani Santana Morales

Formação do Boca do Céu em 1977 :
Osvaldo Vicino : Guitarra e Voz
Laert Sarrumor : Voz e Teclados
Fran Sérpico - Bateria
Wilton Rentero : Guitarra
Luiz Domingues : Baixo

Post has attachment
http://musicjobs.tumblr.com/post/136199358811/papo-com-luiz-domingues

É com muita honra e prazer que concedi entrevista ao agitador cultural e músico, Ricardo Di Paula, para o seu veículo, o Blog Music Jobs, mais um espaço sensacional que se abre para falar de música em geral, Rock em específico.

Vamos prestigiar com entusiasmo mais um espaço para falar de artistas que não gozam das benesses do mundo mainstream.

Leia, comente, participe, leia outras entrevistas ali postadas, e recomende aos amigos...

Post has attachment
http://blogdoluizdomingues2.blogspot.com.br/2012/07/autobiografia-na-musica-boca-do-ceu.html

Naquele ano de1977, a vibe sessentista ainda era forte por aqui no Brasil. O Movimento Hippie chegara com atraso e explodira por aqui, bem depois que nos Estados Unidos e Europa.

Nesses termos, sonhando com o Boca do Céu alcançando o mesmo patamar, íamos a todos os shows de Rock pela cidade de São Paulo.

Neste capítulo, uma lembrança de muitas emoções no Teatro da Universidade Católica, o Tuca, com o furacão sonoro dos Novos Baianos no palco..."caia na estrada e perigas ver"...

Boca do Céu , capítulo 11...

Post has attachment
Foto extraída de carteirinha escolar, mostrando-me em 1976, cerca de três meses antes (janeiro) de começarem as atividades do Boca do Céu.
Photo

Post has attachment
http://entrementes.com.br/2015/08/luiz-domingues/

Estou muito honrado por ter sido entrevistado no Site de Cultura, "Entrementes", através da colunista Joana D'arc.

Nesse bate papo agradável, falei sobre minha atuação na música, e como colaborador em revistas e Blogs, com meus textos.

Confira !!

Post has attachment
http://blogdoluizdomingues2.blogspot.com.br/2012/06/autobiografia-na-musica-boca-do-ceu_4078.html

Com a chegada de um novo guitarrista, o som da banda encorpou sobremaneira. Nos sentíamos motivados, e todos se esforçaram para melhorar individualmente com a chegada do Wilton, elevando o nível da banda.

Estávamos confiante para dar os primeiros passos mais importantes, inscrevendo a banda em festivais estudantis.

Minha primeira banda, o Boca do Céu...e este é o capítulo 10 dessa história.

Post has attachment
http://blogdoluizdomingues2.blogspot.com.br/2012/06/autobiografia-na-musica-boca-do-ceu.html

Completamente incautos na nossa ingenuidade juvenil, achamos que Ezequiel Neves havia falado sério a nosso respeito...

Capítulo 9 da história do Boca do Céu, e com uma hilária passagem envolvendo Ezequiel Neves.

Post has attachment
http://blogdoluizdomingues2.blogspot.com.br/2012/05/autobiografia-na-musica-boca-do-ceu_29.html

Inscrevendo a banda para participar de festivais, era o caminho mais plausível que tínhamos para darmos nossos passos iniciais...

Capítulo 8 da história do Boca do Céu, minha primeira banda...

Post has attachment
O choque entre a primeira apresentação amadorística e bastante precária, com a visão dos Deuses do Rock setentista no dia seguinte...

E o porquê da escolha do nome da banda.

Post has attachment
Edson Coronato era meu colega de classe na 7ª série, em 1974. Fã de futebol e Rock, como eu, logo tornou-se amigo. Na nossa escola, era o melhor centroavante e ainda bem, jogava no meu time...

Formava uma dupla infernal com o ponteiro Vlademir (outro bom amigo que tinha e este, desde a infância pois estudamos juntos desde 1968), e com seus gols, ganhamos muitos jogos.

Nosso time se chamava "Universal". Antes que o leitor possa imaginar , não tinha nada a ver com a Igreja Evangélica que apropriou-se dessa expressão como sua marca pessoal, mesmo porque, tal instituição religiosa nem existia nessa época.

O nome do nosso time era pomposo : "Associação Futebolística Universal de São Paulo". A razão prosaica da escolha de tal nome era porque já existiam muitos times com nome de  "Internacional" e "Nacional", mas Universal, não era conhecido e suplantava os dois anteriores numa visão expansionista. Logo surgiria o "Cosmos" de Nova York e acabaria conosco, mas nem sonhávamos com essa humilhação em 1974...

Em termos de Rock, o Edson gostava de muitas bandas. Mas lembro-me que tinha especial aprêço por Deep Purple e Nazareth. Costumava imitar Ian Gillan, David Coverdale e Dan MacCafferty por cima dos discos que ouvíamos juntos, e na companhia de outros rockers da escola, como o Jacques, que aliás era o nosso goleiro e fechava o gol com suas defesas elásticas.

Em 1975, estávamos enlouquecendo com o Rock e exemplares da revista "Rock, a História e a Glória" e também da "POP", corriam de mão em mão, na mesma profusão com que emprestávamos LP's e Fitas K7 de diversas bandas internacionais e nacionais.

Mas houve um fato desagradável na escola, e nessa idade, no meio da
adolescência, fazia muita diferença. Eu repetira a sétima série e meus
amigos seguiram em frente.

Enquanto eu era o repetente da "sétima C", em 1975, eles seguiram em frente e isso não diminuiu a nossa amizade, nos demoveu de nossas atividades Rockers e futebolísticas, mas forçosamente, nossos horários e convivência ficaram mais prejudicados.

Mesmo assim, no segundo semestre de 1975, resolvemos fundar uma banda. Só havia um detalhe absolutamente risível nessa determinação juvenil : Ninguém sabia tocar absolutamente nada !!

Então, "escolhemos" um instrumento cada um e formamos a banda, na quixotesca esperança de que começaríamos a aprender e em poucos meses, estaríamos ensaiando "de verdade".

A formação da banda seria : Vlademir (teclados); Edson (baixo); Jacques (guitarra); Bernardo (vocal) e eu na bateria, pois confesso : sempre quis ser baterista...e o baixo foi um acidente na minha vida.
Photo
Wait while more posts are being loaded