Post is pinned.Post has attachment
BEM-VINDOS!

ALMANAQUE LITERÁRIO Comunidade Google+ está com suas portas abertas recebendo todos os artistas e suas composições...

Nosso espaço aprecia todas as artes, cinema, pintura, música, teatro, dança e principalmente a literatura em prosa e verso...
Venha publicar seu trabalho na comunidade e convide seus amigos para vir também...

Divulgue seu site ou blog apresentando-o para os membros... Escreva sobre seu trabalho, o que publica em seu site ou blog e com certeza atrairá mais seguidores... interessados na sua arte.

Agradecemos a sua companhia lembrando-o de que aqui é uma comunidade e a casa também é sua... Participe!
Photo

Post has attachment
Olá Galera!!!
Vem conferir o ensaio fotográfico que fizemos em comemoração ao 1 ano do blog!! Já adianto que as fotos estão lindas demaaais!!

http://crwd.fr/2mQl8NT

Post has attachment
SÓLO FUE UN LEVE ROCE DE LOS LABIOS… LEER EL POEMA EN:
www.editorialcielogris.blogspot.com
Photo

Post has attachment

Post has attachment

Post has shared content
Vídeo novo no canal passa lá e deixe o like,
compartilhe, se inscreva e ativa o sino pra não
perder as novidades .
https://www.youtube.com/watch?v=51zbK1961Cc

Post has shared content
Vídeo novo no canal passa lá e deixe o like,
compartilhe, se inscreva e ativa o sino pra não
perder as novidades .
https://www.youtube.com/watch?v=6WLTzyQ0im8&feature=youtu.be

Post has attachment
Leia o novo texto com minha participação especial no número 31 da Revista Divulga Escritor . A arte de comunicar e a necessidade de referências .

A arte de comunicar e a necessidade de referências

Comunicar é o que mais se faz hoje em dia. Nunca tantos estiveram tão conectados a outros tantos como atualmente. A facilidade da comunicação hodierna rompeu todas as barreiras geográficas, econômicas, sociais e políticas. Até certo ponto estas frases anteriores podem ser verdadeiras... Mas na realidade a comunicação digital, online, ligada à computação e todas as outras mídias relacionadas não trouxeram para todos o entendimento que poderia ter sido alcançado. Nem a globalização, nem as mudanças no comportamento ou qualquer outra novidade trouxeram este entendimento tão ansiosamente esperado.
Comunicar é o que menos se faz. Ou o que se faz raramente. Porque fazer circular conhecimentos e inovações tem que ser realizado de forma proveitosa. O que não é o caso. O conhecimento e as inovações são divulgadas, mas sem inteligência, sem critério e... sem proveito. A conexão de todos com todos é reduzida a grupelhos de interesses – pessoais e/ou coletivos – que atomizam a atuação ou a compreensão de todos. O resultado é que “a praça” está morrendo, se é que já não morreu. A “praça pública”, o jornal – compartilhado – a revista – digital ou impressa – o rádio, a TV, todos os veículos de comunicação são segmentados em n grupos a escolha do usuário hoje em dia. Se isto é bom por um lado, por outro é desastroso. É raro o conhecimento compartilhado que existia há algum tempo atrás. Fecham-se todos em seus próprios interesses... As barreiras geográficas, econômicas, sociais e políticas nunca se tornaram tão fortes quanto nesses tempos de terrorismo, muros de Donald Trump e violência generalizada. Eu poderia enumerar outros argumentos, mas acredito que não é necessário. O leitor pode entender perfeitamente onde eu quero chegar.
Tudo está perdido? Não, longe disso. Mas é preciso entender que quantidade não é qualidade, que informação não é conhecimento e que as pausas – ou silêncios – fazem parte da comunicação verdadeira. Preencher todos os espaços de informação – o capitalismo é mestre nisso – não é garantia de que esta informação irá ser entendida, compreendida e quem dirá, aceita e/ou utilizada, transformada. Para que se tenha uma reflexão crítica do que se quer comunicar – e que essa reflexão seja recebida, decodificada e modificada de acordo com cada pensamento – faz-se mister que haja uma referência, um ponto de referência cultural, social, econômico e/ou político, cuja consideração não esteja limitada à toda relativização, todo o tempo, como se faz atualmente em todas as esferas. Para mim, essa referência é Deus, a espiritualidade ou o sagrado. Cada um deve encontrar sua própria referência... Afinal, a comunicação se dá por comparação ou contraste. Nesse sentido, saber o seu lugar no universo depende sobretudo de referências.
Portanto, é importante tornar claro que as mídias digitais – e outras novidades tecnológicas – estão aí para nos ajudar e nos tornar mais livres; bem como as mudanças sociais, na maior parte do tempo – ou assim deveria ser – porém não é o que vem acontecendo. Mudar essa sina de subutilização da comunicação é compreender profundamente que nossa humanidade, nosso lado humano deve ser lembrado sempre e que comunicar é uma arte. Que tenhamos a comunicação adequada implementada em nossos veículos midiáticos e outros, com sabedoria e oportuno proveito para todos. Paz e luz.

Mauricio Duarte (Divyam Anuragi)

https://issuu.com/smc5/docs/31_divulga_escritor_revista_liter__/114

Post has shared content
Revista Divulga Escritor, Edição nº 31, da jornalista Shirley Cavalcante...
E a última do ano está demais!!!

Confiram meu texto na página 96 = Quanto Vale um Livro?
https://issuu.com/smc5/docs/31_divulga_escritor_revista_liter__


Photo

Post has attachment
Admirável Mundo Hoje

Depois de anos fora de catálogo no Brasil, obra mais conhecida de Zamiatín – que teria influenciado Huxley, Orwell e Ray Bradbury – ganha não uma, mas duas novas edições.
Por César Alves

Reflexo do espanto e admiração da espécie humana diante da velocidade com que os avanços técnicos se apresentavam desde o advento da Revolução Industrial e seu impacto no modo de vida e comportamento das civilizações ocidentais – somados ao uso da tecnologia bélica e propagandística no contexto político, não só por regimes ditatoriais, mas também com grande desenvoltura por governos democráticos, para o controle de corações e mentes e demarcações de territórios –, as Distopias foram vistas durante muito tempo como gênero característico do século vinte e pareciam ter perdido a força com o suposto fim da Guerra Fria.
Não é de se admirar, no entanto, que, quando termos como pós-verdade, pós-democracia e pós-humanidade, entre outros, passam a pautar o debate político e social no que diz respeito à compreensão dos rumos da sociedade contemporânea, com direito a artigos e discussões que vão além do universo acadêmico, fazendo-se parte do vocabulário cotidiano, a chamada literatura distópica volte a despertar interesse (...)

Segue: http://orebitedoverbo.blogspot.com.br/2017/12/uma-jornada-pelas-distopias-literarias.html
Wait while more posts are being loaded