Post has attachment

Post has attachment

Post has attachment
http://www.autografia.com.br/loja/quando-a-forca-nao-e-o-bastante/detalhes
Descrição do Livro:
Quase todas as pessoas já ouviram a história do personagem Sansão. Uma figura que por ordem de Deus recebeu um poder extraordinário, ousei chamá-lo de “Mito”, visto que nunca houve outro igual. No entanto, nada o impediu da queda, desde sua juventude, um ida marcada pelo instinto. Realizações não pensadas apenas executadas como que a mostragem egocêntrica. Narcísica.
Photo

Post has attachment
http://www.autografia.com.br/loja/a-felicidade-como-estilo-de-vida/detalhes
Descrição do Livro:
Este trata do desejo de cada ser humano, ser feliz. Ele não é um toque de magia, mas é a compreensão de que o ser humano existe para ser feliz apesar das lutas que lhe sobrevém. Esta compreensão nascida do pensamento de Jesus, que convida cada pessoa a um novo projeto de vida. Ele não as convida a um banquete, ele não as convida a ficarem ricas, mas também não as proíbe, no entanto seu convite é para que elas assumam um novo projeto a partir de suas escolhas pessoais. O projeto de Jesus para que se possa ter e desfrutar e ter uma vida feliz vai da capacidade da pessoa tratar o seu passado como passado, se fortalecer no presente para desfrutar de um futuro satisfatório. Este é o pensamento deste livro, este é o seu tempo de embarcar com gosto em uma leitura que irá mudar sua maneira de viver. Caso queira levantar do estado de tristeza e ter a felicidade como um estilo de vida.
Photo

Post has attachment
http://www.autografia.com.br/loja/destruidores-de-gigantes/detalhes
Descrição do Livro:
Destruidores de Gigantes é uma obra atual, relevante e desafiadora, pois o autor faz uma conexão da história passada com os acontecimentos atuais. O autor procura mostrar com clareza, a vida de um dos maiores ícones da história de uma pessoa que nunca aceitou a derrota como troféu.
Photo

Post has attachment

Post has attachment

Quando pessoas são eternas
Estamos tão acostumados com o superficial, básico, fraco com a passagem mais rápida possível. Se existem outras milhares de pessoas no mundo por que se dedicar ao intangível? Ao inviolável amor da vida?
Na verdade o pobre sentimento do "básico" está destruindo a leveza da vida nas pessoas, e ao mesmo tempo criando as cortes das monstruosidades.
Se olho na rua esburacada, onde a violência foi exercida pelo descompromisso do ato "fazer". Ou na esquina da rua luxuosa, onde a mulher passa com seu sapato de um preço estratosférico e na calçada marmorizada, o homem busca uma esperança de ser reconhecido por quem está lá dentro.
É claro que temos nos acostumados tanto com a estupidez, que ela passa a ser um premio, e quem não faz uso dela são chamados de idiotas.
Antes da segunda guerra mundial, a qual dizimou milhões de pessoas, o que podemos dizer em todo o mundo. Uma dizimação em nome da idiotice.
Um casal de jovens como que prevendo a brevidade da vida, depois de namorarem resolveram então se casar. Aron e Ana.
A jovem uma artista na arte de bordar toalhas domésticas, bordou uma toalha para ser usada então no dia do cerimônial. Tudo teria de ser perfeito, pois mesmo na brevidade da existência, pode se aproximar do outro com um ato a ser eternizado.
Ela então bordou nos quatro cantos da toalha as iniciais de seu nome e de seu noivo. A.A Aron e Ana. E no centro da toalha um dizer dela para eternizar seus sentimentos por Aron. - "O amor nos acompanhará por todas as eternidades, pois eu nunca vou deixar de amar você."
Pouco tempo depois do casamento dá-se o inicio a dizimação dos judeus. O medo toma conta de todos, insegurança, terror e brutalidade. A morte estava batendo a porta de todos.
Em uma manhã soldados Alemães entram no lar do casal, que imediatamente são presos, e levados campos de concentração diferentes.
A guerra prosseguia em toda a Europa, e famílias e sonhos sendo divididos. Quando a violência tem progressão sistemática, os indivíduos são tratados com insignificância e desprezo.
De repente no estrondo do acumulo das mortes no Japão, a morte que veio de cima, em forma de fogo devastador. Países se rendem, e armas são depositadas, ou mesmo abandonadas à beira das estradas. Pessoas são dispersas para onde tivesse algum lugar, que desejasse os receberem como uma realidade.
Ana, foi para os Estados Unidos, sozinha mas se misturando em comunidades sociais, do chamado mundo pós guerra. Ali conheceu novas pessoas, e neste ato conheceu o evangelho e a mensagem de Jesus. Você deve amar sobre todas as coisas. Amar acima do racional sem desprezá-lo.
Semelhante, Aron chegou aos Estados Unidos, muitos anos depois. Porém, com a alma amargurada. Um senso de ira extrema que o cegava. O impedia de fazer novas amizades. Suas lembranças eram dos gritos das pessoas morrendo como experimentos de guerra. Sabia que o próximo poderia ser ele.
Certa feita andando sozinho nas ruas de New York, bairro de classe média, distante de onde morava, ali era uma comunidades diversificada. Estava chovendo e ao passar em frente a uma igreja, procurou se livrar da chuva fria que caia em seu corpo com as marcas da guerra.
O pastor da igreja chegou, pois haveria de celebrar um casamento logo depois. Saudou o homem judeu, de cabelos grisalhos, barba cerrada, e casaco preto.
Foi convidado pelo religioso para que esperasse a chuva passar dentro do templo. Por um instante resistiu, mas a conversa agradável o convenceu a entrar.
Assim que adentrou ao templo, observou uma toalha que estava sobre a mesa do altar. Perguntou se poderia se aproximar. É claro que pode disse-lhe o pastor.
Quando tocou na toalha com suas mãos trêmulas, lágrimas desceram em sua face envelhecida, pelo sofrimento, pois era visível de que o homem estava cansado da guerra e da vida. O Pastor se comoveu com o choro e perguntou se havia algo que ele poderia fazer. E o que estava acontecendo.
O judeu Aron, disse-lhe; esta foi a toalha do meu casamento. Foi minha noiva que bordou esses dizeres, e eu só não morri porque eu sempre acreditei nesta frase. Que se ama sempre para poder viverem juntos na eternidade. Mas eu nunca mais a vi. Eu sou Aron e ela, Ana.
O pastor convidou Aron que o acompanhasse. Entraram no carro e viraram duas esquinas e o carro foi estacionado, em frente a uma grande casa.
O pastor logo disse venha, mas fique forte, tal como foi a caminhada do período da guerra. O que vais ver é força e leveza. Realidade e vida.
Assim que adentraram pediu, que o aguardasse em um sala. Foi lhe servido uma xícara e chá. Ali ficou a observar fotografias amareladas sobre a mesa, no meio de livros e mais livros.
De repente o pastor volta e lhe disse - Aron, meu amigo preciso de lhe apresentar uma pessoa. Pode ser? O homem respondeu que sim.
Viu-se entrar uma senhora com longos cabelos grisalhos, mas lindos. O religioso lhe perguntou sabe quem é?
Um silêncio toma conta do local. O casal começa a chorar e de repente, ambos dizem como uma sinfonia preparada por Deus a ser dita entre os mortais. -o amor nos acompanhará por todas as eternidades, pois eu nunca vou deixar de amar você." Enquanto ela suavemente leva seus dedos sobre a face do homem.
Se abraçaram, como que ligando a vida dura, real, a eternidade de quem na leveza da vida vivem de que, amor vai além do que é momentâneo.
Bem a toalha bordada fora comprada pela esposa do pastor em uma feira de usados. Nada deve ser feito para ser jogado fora, pois aquilo que pensamos não ser mais nada, pode ser o tudo que irá nos unir um dia.
Juscelino Garcia Marquez

Fim de semana
Mas que dia foi ontem mesmo?
Talvez terça feira, ou quinta não sei
De fato foi tanto quarta como sexta feira
Não faz diferença qual e a feira
Se bem que ontem não foi terça foi sexta feira
No primeiro dia da semana um sentimento de  disposição
Já no meio, uma certa exaustão e porque não um bocado de solidão
Mas ontem, bem ontem, o corpo cansado, marcado com manhas de idade
Na alma a vida que corre o sentimento da emoção; pois hoje agora só um sentimento perdura
Gratidão.

Escrevo o que está na alma, pode ser o canto que chora, ou o silêncio em forma de grito.
Wait while more posts are being loaded