Post has attachment

Fones de ouvido: volume e tempo de uso são principais perigos
Música no último volume é bom, mas pode causar problemas de audição

Os fones de ouvido são uma ótima alternativa para desligar um pouco do estresse diário. Basta apertar o play e se transportar para um universo onde não existem ruídos de carros, pessoas gritando... Apenas sua música favorita. Entretanto, utilizá-los de forma excessiva pode causar danos à audição.

Estudos indicam que problemas relacionados aos fones de ouvido estão ligados a dois fatores: volume e tempo de exposição. Claro que é impossível deixar de ouvir aquele rock nostálgico no volume máximo. Neste caso, procure dosar a quantidade de minutos (isso praticamente descarta o Yes de sua playlist Hear it Loud).

“Se você coloca o fone e não escuta o que está acontecendo ao redor, é um indicador que você deve baixar o volume. A sugestão é que apenas metade da capacidade sonora do dispositivo seja utilizada, já que a máxima apresenta um nível de pressão muito elevado e pode danificar as estruturas do ouvido”, conta a fonoaudióloga do Grupo Microsom, Maria do Carmo Branco.

Quanto aos tipos de fone, a regra é clara: quanto mais longe do ouvido, menor. Os headsets são maiores e potentes, mas emitem as ondas sonoras mais longe de seus tímpanos. Basta manter o volume controlado.

Como a orelha é um local propício para o desenvolvimento de fungos e outras doenças, os fones de ouvido podem funcionar como propagadores. Por isso, nada de emprestar. “O ideal é higienizá-los com pano umedecido em álcool”, explica a fonoaudióloga.

Se mesmo após todas as precauções você apresentar sintomas como dor de cabeça, dor de ouvido, tontura e zumbido, procure um otorrinolaringologista.
 
Fonte: http://gq.globo.com/Corpo/noticia/2013/08/fones-de-ouvido-volume-e-tempo-de-uso-sao-principais-perigos.html
Photo

Post has attachment
Usuários de aparelhos auditivos estão satisfeitos

Até 84% dos usuários de aparelho auditivo estão satisfeitos com seus aparelhos, conforme uma pesquisa realizada.

Dados de sete países mostam que a porcentagem de pessoas que estão satisfeitas com seus aparelhos auditivos variam de um país para outro.Em seis países europeus a cifra de satisfação varia de 84% na Suissa para 70% na Itália.Em geral, oito de dez usuários estão satisfeitos com seus aparelhos auditivos, entre eles, alguns estão muitos satisfeitos, outros satisfeitos e outros relativamente satisfeitos.

Uma pesquisa semelhante realizada nos Estados Unidos em 2008 (MarkTrak VIII) mostrou que 74% dos usuários de aparelho auditivo estão satisfeitos com seus aparelhos.
Idade e uso de aparelho auditivo

O estudo também mostrou que quanto mais novo for o aparelho auditivo e mais horas de uso forem utilizadas, maior será o grau de satisfação.

A pesquisa foi realizada na Itália, Reino Unido , França, Alemanha, Suissa (Suiça), Noruega e Japão, em 2012.

Os dados foram publicados num artigo sobre EuroTrak e JapanTrak numa pesquisa realizada em 2013, The Hearing Review March 2013.

Fonte: www.thehearingreview.com
Photo

Post has attachment
AUDIÇÃO: cuide deste sentido

A ciência está vencendo a batalha contra a surdez. Mas por que as pessoas, cada vez mais jovens, não param de perder a audição?

De acordo com a Organização Mundial da Saúde 10% da população do globo tem algum grau de deficiência auditiva. Só no Brasil estima-se que existam mais de 15 milhões de pessoas nessa situação a maioria não dá ouvidos às suas dificuldades para captar toda a sonoridade do mundo e ignora que deixou de ouvir bem. Há ainda 350 mil brasileiros com surdez profunda que, sem a ajuda de aparelhos, vivem mergulhados no absoluto silêncio, de acordo com os últimos levantamentos do IBGE segundo os quais, de todas as deficiências que atingem os sentidos, a auditiva é a que mais afeta nossa população.



Em todo o ruidoso planeta, o problema só tende a aumentar, como alerta a organização não governamental Hear the World, com sede em Londres. Nos próximos oito anos o número de indivíduos que não ouvem bem deverá duplicar. A culpa, em parte, é do aumento da expectativa de vida, com uma população mundial cada vez mais idosa. Mas só em parte: em princípio a audição é um sentido sem prazo de validade, que seria capaz de perceber o mais baixo zunido por muitos anos se não a castigássemos com tanto barulho.

E aí vem o outro lado da questão leia-se tocadores de MP3, festas rave, trios elétricos, baladas, a poluição sonora nas cidades, a rotina estrondosa que começa na juventude. Não é de estranhar que a comunidade científica esteja de orelhas em pé, captando qualquer sinal de esperança para resolver as questões auditivas. Para os casos graves a aposta é o desenvolvimento de terapias genéticas capazes de regenerar as responsáveis pela percepção dos sons as células ciliadas. Já se ouvem por aí resultados positivos.

Pesquisadores da Universidade de Michigan, nos Estados Unidos, deram nova vida a essas estruturas em testes com mamíferos, ativando um gene conhecido como Atoh1. É mesmo para a gente gritar comemorando, uma vez que, danificadas, essas células morrem para todo o sempre. “Outra grande esperança é o uso das tão comentadas células-tronco, mas aí mora um desafio, o de criar tecnologia para transformá-las nas tais células ciliadas do corpo humano”, diz o médico Arthur Castilho, presidente da Sociedade Paulista de Otorrinolaringologia.

Em tubos de ensaio, cientistas da Universidade Stanford, também nos Estados Unidos, chegaram à proeza. “Entre cinco e dez anos usaremos essa terapia para resolver de uma vez o problema da surdez”, acredita Stefan Heller, líder do estudo, em entrevista à SAÚDE!. Tomara que estejamos ouvindo a verdade. Com as terapias genéticas e o uso de células-tronco os cientistas sonham alto, já que têm como meta reconstruir áreas danificadas do aparelho auditivo humano.

Mas não se pode considerar menos ambiciosos os planos de outros pesquisadores que pretendem substituir os órgãos deficientes por ouvidos biônicos. “Em alguns casos, com a ajuda de dispositivos minúsculos, recuperamos completamente a audição. Em outros devolvemos boa parte da capacidade auditiva, o que não deixa de aumentar muito a qualidade de vida”, explica o otorrinolaringologista Arnaldo Guilherme, da Universidade Federal de São Paulo.

Tanto os aparelhos para o implante coclear, que procuram substituir as funções da cóclea estrutura que seria o palco principal do show de efeitos sonoros do cotidiano , quanto as próteses auditivas evoluíram. “Esses dispositivos, por exemplo, possuem um microchip que identifica o nível de ruído de um ambiente e seleciona automaticamente as faixas sonoras que precisam, de fato, ser compreendidas pelo usuário, como a da voz dos interlocutores”, descreve o médico Luiz Carlos Alves de Sousa, presidente da Sociedade Brasileira de Otologia.

O irônico é que por trás dos avanços nos aparelhos de surdez está a mesma tecnologia que contribui para o crescimento de casos de perda de audição. Os microchips que proporcionam essa seleção sonora são os mesmos presentes em um potencial inimigo dos ouvidos, o tocador de MP3. Claro, eles são bárbaros para quem aprecia música desde que sejam usados você vai ouvir outra vez a máxima saudável com moderação.

Um estudo conduzido nos Estados Unidos pela Associação Americana para Fala, Linguagem e Audição (ASHA, na sigla em inglês) revela: mais da metade dos estudantes do ensino médio habituados aos fones apresenta algum sintoma de surdez. Nos adultos a taxa de diminuição de audição entre os usuários de MP3 alcança os 35%. “Culpa do alto volume que esses equipamentos portáteis podem alcançar algo em torno dos 120 decibéis, quando a recomendação médica é de que os ruídos não ultrapassem os 85″, aponta a fonoaudióloga Iêda Russo, da Santa Casa de São Paulo.

Para evitar problemas a entidade recomenda a fórmula 60-60, ou seja, os usuários não devem ouvir músicas acima de 60% do volume máximo por mais de 60 minutos. Nossos ouvidos suportam com tranqüilidade sons de até 85 decibéis, acima disso já correm perigo. Se o barulho é súbito e intenso, como o estouro de um rojão por perto, o dano auditivo é imediato. É o chamado trauma sonoro, capaz de romper o tímpano. Quando o rasgo nessa membrana é pequeno o indivíduo pode nem sequer notar, até porque o tecido logo se recupera sozinho.

Agora, se o tímpano vira um farrapo, os médicos precisam realizar uma espécie de plástica que nem sempre funciona 100%. No entanto, talvez bem pior do que o trauma repentino seja a exposição contínua à barulheira. Aí, as células do ouvido se danificam aos poucos, mas inexoravelmente. “Quando nos damos conta estamos ouvindo menos”, lamenta Altair Cadrobbi Pupo, diretora da faculdade de fonoaudiologia da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP).

Quem pretende enfrentar o som nas alturas de uma balada, de um show ou seja lá do que for deve usar IPIs, os populares protetores de ouvido. Eles diminuem a intensidade do barulho e da agressão. Atire a primeira pedra quem nunca terminou uma sonora noitada com um zumbido persistente, sinal inequívoco de que seus ouvidos saíram machucados do programa?


Fonte: http://saude.abril.com.br/edicoes/0282/medicina/conteudo_212732.shtml
Photo
Wait while more posts are being loaded