Post has attachment
Photo

Post has attachment
Photo

Post has attachment
Photo

Post has attachment
DE TODOS OS MUNDOS

De todas as coisas que eu vi...
De todos os mundos que eu conheci...
... o mundo que faz mais sentido
é o mundo que contém:
a tua bagunça, o teu velho,
a tua criança,
o teu guerreiro, o teu mensageiro,
a tua segurança,
como se o menino corresse para te servir.
Para te servir...

O mundo para para contemplar os teus sorrisos...
O mundo para para atender os teus caprichos...
A vida para para te ver passar...
Que mundo? Que vida?
O meu? A minha?

De todas as canções que eu ouvi...
De todas as emoções que eu senti...
... a emoção que faz mais sentido
é a emoção que contém:
o teu signo, o teu símbolo,
a tua marca,
o teu juiz, o teu justiceiro,
o teu atropelo,
como se o menino corresse para te servir...

E, nas armas do guerreiro...
E, nas asas do mensageiro,
viagens, batalhas,
cartadas, traquinagens...
E eu encontro o mundo,
e eu encontro a vida,
sempre ali,
escondidos bem à vista,
como um casal cujo amor é proibido,
esgueirando-se por motéis e cantos escuros...

O Mundo e a Vida,
o Espírito e a Alma...
... como um amor proibido,
refletido nos teus olhos rasos.

Foi quando eu fiz as pazes com o espelho,
com as sombras
que minhas contas temiam perceber...
O Espírito e a Alma,
o Mundo e a Vida...

Eu vi, quando eu me encontrei,
em um casal cujo amor é proibido.
Depois de separados...
... unidos em ti,
refletidos nos teus olhos mareados...

De todos os mundos que eu conheci,
o mundo que faz mais sentido
é o mundo que contém...

"Vida" é como me chamas,
no mundo que te contém...

Deise Zandoná Flores
Alta Sensibilidade - Poemas e Poesias
Alta Sensibilidade - Deise Zandoná Flores
Photo

Post has attachment
Solo eso 😞🙍
Photo

Post has attachment
😊😊😊😍
Photo

Post has attachment
VINHO MÍSTICO

"Os refratários...
Rasga-lhe os pensamentos,
que eu lhes rasgo as entranhas!
Tua poesia entranha em mim,
como um DNA símile
ou um vírus recombinante
que até assusta.
Há um antes e um depois...
Eu sinto uma verdade...
que eu não explico,
apenas corto.
Corto-a e me corto
com tua verdade-poesia-navalha.
É um daqueles automáticos
intuitivos indecifráveis.
Escutas-me, Jim?
Tenho algo a te dizer.
Escutas-me?"

No rio de vinho deixado,
o legado,
eu me banho.
Eu me encontro nas pistas,
nas cifras de tua enigmática voz.
Sou mais velha do que eras,
quando deixaste o cálice de vinho místico,
os fios para quem soubesse tecer
a tua mortalha,
ou cortar, com a tua navalha,
o feitiço do tempo.

Alma antiga,
presa nas dores da juventude,
atingido na pele pela cobiça,
pelos venenos da inveja...
... de acéfalos moralistas anacrônicos,
de olhos turvos para a arte,
de pele atávica-inerte para a sensibilidade.

Ouvidos sem pavilhão acústico...
... para que servem, Dionísio?
O equilíbrio, menino...
... não te esqueças do equilíbrio.

Eu te encontro na ponta de um fio
que eu não sei qual é...
... o fio da intensidade?
... o fio da claridade?
... o fio da sensibilidade?
... o fio da confusão provocada na escuridão alheia?
Qual?

Não encontra o escuro da morte
quem, em corpo, é holofote
e, em alma, é o próprio sol...
... fertilidade.

Encontra-me na ponta do fio,
traz as águas das cachoeiras que te banham...
Precisamos de mergulho para conversar.
Ainda respiras embaixo d'água?
Eu aprendi a respirar...

Não cais no esquecimento,
nas sombras do Esquecimento.
Tua voz ainda ecoa... (ou é minha epifania?)
Tua poesia ainda corta... (ou é minha epifania?)
... com o fio da navalha.

Não é possível dançar
sobre este fio sem sangrar os pés.
O que são gotas de sangue para pessoas como nós?
Correm doces como a poesia...
Doces?

Deise Zandoná Flores
Alta Sensibilidade - Deise Zandoná Flores
Photo

Post has attachment
AD INFINITUM

Se tempo é tudo o que eu tenho, peça outra coisa!
O que as gramas podem fazer além de vicejar?
O que as palavras podem fazer além de versejar?

Versifique as suas emoções que eu tento compreender.
Pare de esperar por minhas resoluções!
Tenho milhões de ideias que posso ceder de bom grado,
sem preço, sem peso ou pagamento.

Eu não conseguiria perseguir todas as pistas...
Eu não conseguiria tecer todos os fios...

Não acho que no final haja algum tesouro,
além do anúncio dos corvos,
mas o passo que damos
podem compor um desenho bonito,
com ou sem significados místicos...

Podemos compor o nosso próprio mito,
em um universal que fale só de nós.
E, ao falar bem e no detalhe,
falará de tudo e de todos além de nós.

Peça outra coisa!
Há coisas que não posso fornecer...

Eu escolho onde derramo gotas do meu sangue.
Eu escolho por onde viver.
Eu escolho por onde subsistir.
Eu escolho ao que ceder.
Eu escolho ao que resistir.

O que as gramas podem fazer além de vicejar?
O que as palavras podem fazer além de versejar?

E o amor é mais visceral que os versos.
E a paixão é o meu modus operandi.
E o percurso é mais crucial que o inferno.
E a linha de chegada já não me importa.

Os meus olhos veem o círculo ao redor do triângulo.
E todo o mundo eu vejo de três em três.
E a cada três eu conto apenas uma vez...

Eles falam do mesmo e único círculo,
onde o início encontra o fim,
onde o não encontra o sim.

Todos os extremos sempre
descambam no único e no mesmo.
Você compreende o que eu digo?
Você lê para além do enredo do mito?
E o que o mito diz?
É só uma cifra!
Sinta a melodia...

Você é músico?
Você é mágico?
Você é místico?
Você é um plágio?

Versifique as suas resoluções!
Não espere por minhas emoções...

Cace-me e me encante!
Cante para me acalmar...
Tenho torrentes que não posso conter,
mas eu sempre posso cansar e ceder...
... desistir de me debater.

Se o retorno é eterno,
em que ponto da melodia ele inicia?
Se o retorno é eterno,
à que nota da sinfonia ele retorna?

Eu vejo o círculo ao redor do triângulo.
Encontre, em um dos três pontos, o ponto zero.
Se é um jogo de soma zero, eu não sei.
Eu cansei de perguntar...

Mas se há um retorno, há um princípio,
sem melodia, sem música ou sinfonia,
sem presente, sem passado ou futuro,
sem início, sem retorno, sem eterno...
... nada.

Eu não tenho objeções ao nada.
Parece-me até um bom amigo...
... leal e companheiro.

E, as minhas palavras...
... o que podem fazer além de versejar?
E, eu...
... o que posso fazer além de criar
melodias feitas de tempo?
O quê?

Deise Zandoná Flores
Alta Sensibilidade - Deise Zandoná Flores
Photo

Post has attachment
😂😂😂
Photo

Post has attachment
Photo
Wait while more posts are being loaded