Profile

Cover photo
Miguel Rocha
Works at CML
Attended Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto
Lives in Lisboa
17,573 views
AboutPostsPhotosVideos+1'sReviews

Stream

Miguel Rocha

Shared publicly  - 
 
Nova moda...
 ·  Translate
Inspirado no livro de António dos Santos Graça, O Poveiro é um projeto de merchandising cultural criado por Brito Pinheiro que pretende imortalizar em canecas, pins ou t-shirts um pouco do simbolismo e identidade que caracterizam a Póvoa de Varzim. Aqui, retrata-se a imagem do pescador poveiro, um homem de uma bravura e coragem singulares que enfrenta o mar, de igual para igual, para poder voltar com alimento para a sua família. Com um design arr...
6
Fred Rocha's profile photoMaria da Conceição Rocha's profile photo
2 comments
 
Biba!
Add a comment...

Miguel Rocha

Shared publicly  - 
 
Para os que ainda gostam de fisica classica.
2
joao rocha's profile photo
 
Galileu, amigo!
Dizem que portas e coelho seguem a mesma lei.
 ·  Translate
Add a comment...

Miguel Rocha

Shared publicly  - 
1
Jorge Pinho's profile photo
 
Para ninjas...
 ·  Translate
Add a comment...

Miguel Rocha

Shared publicly  - 
 
Quarto lugar assegurado...
EA Sports simulated the World Cup using their upcoming 2014 FIFA World Cup Brazil game, and Germany came out on top.
1
Add a comment...

Miguel Rocha

Shared publicly  - 
 
Actualização de aumento de ordenados para deputados é de 5,4%, aprovado por UNANIMIDADE. D.R., 1.ª Série, n.º 226, de 21/11/2013, relativo ao orçamento de 2014, e o D.R., 1.ª Série, n.º 222, de 16/11/2012.
Desde o CDS ao BE, passando por PSD, PS, e PCP, todos estiveram de acordo.

Gostaram????????? Vamos continuar a alimentar esta corja?
Vamos divulgar para não pensarem que nós não sabemos como são hipocritas !
DESPESA DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA
TOTAL DA DESPESA ORÇAMENTAL  (2013)      99.915.723,00
TOTAL DA DESPESA ORÇAMENTAL  (2014)    140.219.365,00
PERCENTAGEM DE AGRAVAMENTO : 40% !!!
 ·  Translate
1
Add a comment...

Miguel Rocha

Shared publicly  - 
 
A ESTRANHA JUSTIÇA INGLESA
Em 2003, o deputado inglês Chris Huhne foi apanhado num radar em alta velocidade.
Na época, a então mulher dele, Vicky Price, assumiu a culpa.
 
O tempo passou e aquele deputado passou a Ministro da Energia, só que o seu casamento acabou.
Vicky Price decide vingar-se e conta a história à imprensa.
Como é na Inglaterra, Chris Huhne, Ministro, demite-se primeiro do ministério e depois do Parlamento.
ACABOU A HISTORIA?
Qual quê! Estamos em Inglaterra...
... E em Inglaterra é crime mentir à Justiça. Assim, essa mesma Justiça funcionou e sentenciou o casal envolvido na fraude do radar em 8 meses de cadeia para cada um e uma multa de 120 mil libras.
Segredo de Justiça? Nem pensar, julgamento aberto ao público e à imprensa.
Quem quis, viu e ouviu.
Segurança nacional? Nem pensar, infrator é infrator.
Privilégio porque é político? Nada!
E o que disse o Primeiro Ministro David Cameron quando soube da condenação do seu ex-ministro?
'É uma conspiração dos media para denegrir a imagem do meu governo?"
ou
"É um atentado contra o meu bom nome e dos meus Ministros"?
Errado. Esqueçam, nada disso!
O que disse o Primeiro Ministro David Cameron, não foi acerca do seu ex-ministro, foi sobre o funcionamento da Justiça.
E o que disse foi: 'É bom que todos saibam que ninguém, por mais alto e poderoso que seja, está fora do braço da Lei.'
Estes ingleses monárquicos são mesmo um bando de atrasados, não são?
 ·  Translate
1
Add a comment...

Miguel Rocha

Shared publicly  - 
 
Inacreditável.
1
Rosa Maria Rocha's profile photoLuísa Rocha's profile photoMarta Lourenço's profile photo
3 comments
 
Bebam agua!
Add a comment...

Miguel Rocha

Shared publicly  - 
 
Para uma pessoa que eu cá sei...
 ·  Translate
1
joao rocha's profile photo
 
quem sabe sabe
 ·  Translate
Add a comment...

Miguel Rocha

Shared publicly  - 
 
Não se riam muito...
 ·  Translate
- O que deveria ter sido uma tarde bem passada transformou-se numa tragédia quando sete idosos morreram durante uma orgia num evento de troca de parceiros,
4
Add a comment...

Miguel Rocha

Shared publicly  - 
 
Vamos IMAGINAR coisas…
Vamos imaginar que o meu avô tinha criado um Banco num País retrógrado, a viver debaixo de um regime ditatorial.
Depois, ocorreu uma revolução.
Foi nomeado um Primeiro-Ministro que, apesar de ser comunista, era filho do dono de uma casa de câmbios. Por esta razão, o dito Primeiro-Ministro demorou muito tempo a decidir a nacionalização da Banca (e, como tal, do Banco do meu avô).

Durante esse período, que mediou entre a revolução e a nacionalização, a minha família, tal como outras semelhantes, conseguiu retirar uma grande fortuna para a América do Sul (e saímos todos livremente do País, apesar do envolvimento direto no regime ditatorial).
Continuemos a IMAGINAR coisas…
Após um período de normal conturbação revolucionária, o País entrou num regime democrático estável. Para acalmar os instintos revolucionários do povo, os políticos, em vez de tentarem explicar a realidade às pessoas, preferiram ser eleitoralistas e “torrar dinheiro”. Assim, endividaram o País até entrar em banca-rota, por duas vezes (na década de 80).
Nessa altura, perante uma enorme dívida pública, os políticos resolveram privatizar uma parte significativa do património que tinha sido nacionalizado. Entre este, estava o Banco do meu avô.
E, continuando a IMAGINAR coisas…
A minha família tinha investido o dinheiro que tinha tirado de Portugal em propriedades na América do Sul. Como não acreditávamos nada em Portugal, nenhum de nós quis vender qualquer das propriedades ou empatar qualquer das poupanças da família. Mas, queríamos recomprar o Banco do meu avô.
Então, viemos a Portugal e prometemos aos políticos que estavam no poder e na oposição, que os iríamos recompensar (dinheiro, ofertas, empregos, etc…) por muitos anos, se eles nos vendessem o Banco do meu avô muito barato. Assim, conseguimos que eles fizessem um preço de (vamos imaginar uma quantia fácil para fazer contas) 100 milhões, para um Banco que valia 150.
Como não queríamos empatar o “nosso” dinheiro, pedimos (vamos imaginar uma quantia) 100 milhões emprestados aos nossos amigos franceses que já tinham ganho muito dinheiro com o meu avô. Com os 100 milhões emprestados comprámos o Banco (o nosso dinheiro, que tínhamos retirado de Portugal, esse ficou sempre guardado).
E assim ficámos donos do Banco do meu avô. Mas tínhamos uma dívida enorme: os tais 100 milhões. Como os franceses sabiam que o Banco valia 150, compraram 25% do Banco por 30 milhões (que valiam 37,5 milhões) e nós ficámos só a dever 70 milhões (100-30=70). Mesmo assim era uma enorme dívida.
Continuemos a IMAGINAR coisas…
Tal como combinado, viemos para Portugal e começámos a cumprir o que tínhamos prometido aos políticos (dinheiro para as campanhas eleitorais, ofertas de vária espécie, convites para todo o tipo de eventos, empregos para os familiares e para os próprios nos momentos em que estavam na oposição, etc…).
Como ainda tínhamos uma grande dívida, resolvemos fazer crescer mais o Banco do meu avô.
Assim, fomos falar com uma nova geração de políticos e prometemos todo o tipo de apoios (dinheiro, ofertas, empregos, etc…) se nos dessem os grandes negócios do Estado.
E eles assim fizeram. E o Banco do meu avô, que tinha sido vendido por 100, quando valia 150, valia agora 200 (por passarem por ele os grandes negócios do Estado).
Mas, mesmo assim, nós ainda devíamos 70 milhões (e tínhamos de pagar, pelo menos uma parte dessa dívida, caso contrário, os franceses ficavam com o Banco do meu avô).
E, continuando a IMAGINAR coisas…
O meu tio, que era presidente do Banco do meu avô, reformou-se. Nessa altura a família estava preparada para nomear um dos meus primos para presidente. Eu queria ser presidente e prometi à família toda um futuro perpétuo de prosperidade se me nomeassem a mim como presidente.
E assim foi. Fui, finalmente, nomeado presidente do Banco do meu avô.
Mas era preciso pagar uma parte da dívida aos franceses. Podíamos vender uma parte do Banco em Bolsa, mas deixávamos de mandar (logo agora que eu era presidente – não podia ser assim).
Então desenhei um plano:
Criei uma empresa, chamada “Grupo do meu avô” (em que a minha família tinha 100% do capital) e passei os nossos 75% do Banco (25% eram dos franceses) para essa nova empresa.
Assim, a família era dona de 100% do “Grupo” que era dono de 75% do Banco.
Falei com os franceses e combinei mudarmos os estatutos do Banco: quem tivesse 25% mandava no Banco (e os franceses não se metiam, a não ser para decidir os dividendos que queriam receber).
Assim, como o Banco agora valia 200, vendemos 50% na Bolsa por 100 (metade dos 200). Com 50 capitalizámos o Banco. Os restantes 50 tirámos para nós (37,5 para a família e 12,5 para os franceses).
Demos também os nossos 37,5 aos franceses e assim ficámos só a dever 32,5 milhões (70-37,5). Ainda era uma grande dívida, mas continuávamos a mandar no Banco do meu avô (apesar da nossa empresa “Grupo do meu avô” só ser dona de 25% – os franceses tinham outros 25% e os restantes 50% estavam dispersos por muitos acionistas).
Ainda tínhamos uma enorme dívida de 32,5 milhões. Mas, a verdade é que continuávamos a mandar no Banco do meu avô e tínhamos transformado uma dívida inicial de 100 em outra de 32,5 (sem termos gasto um tostão da família – o nosso dinheiro continua, ainda hoje, guardado na América do Sul). Convenci-me, nessa altura, que era um génio da finança!
Continuemos a IMAGINAR coisas…
A certa altura, o crédito tornou-se uma coisa muito barata. Eu sabia que tínhamos um limite original de 100 milhões e já só devíamos 32,5 milhões. Assim, a empresa “Grupo do meu avô” voltou a endividar-se: pediu mais 67,5 milhões (voltámos a dever 100 milhões) e desatei a comprar tudo o que fosse possível comprar.
Tornei-me assim, o dono disto tudo (o Banco do meu avô, a Seguradora do meu avô, a Meu avô saúde, a Meu avô hotéis, a Meu avô viagens, a Construtora do meu avô, a Herdade do meu avô onde se brinca aos pobrezinhos, etc…).
Entretanto fui pagando as minhas promessas aos políticos (dinheiro para as campanhas eleitorais, ofertas de vária espécie, convites para todo o tipo de eventos, empregos para os momentos em que estavam na oposição, etc…).
E, continuando a IMAGINAR coisas…
Mas havia agora uma nova geração de políticos. Fui falar com eles e garanti que os apoiaria para o resto da vida (dinheiro, ofertas, empregos, etc…) se eles continuassem a fazer passar os grandes negócios do Estado pelo Banco do meu avô.
Mas, tive azar: houve uma crise financeira internacional.
Deixou de haver crédito. Os juros subiram. Os credores queriam que o Grupo do meu avô pagasse a dívida.
E, além disso tudo, deixou de haver os grandes negócios do Estado.
Mas eu, que me achava um génio da finança e que já estava habituado a ser o dono disto tudo, não queria perder a minha posição de presidente do Banco do meu avô.
Tinha de arranjar uma solução. Fui à procura, e encontrei em África, quem tinha dinheiro sujo e não se importava de investir e deixar-me continuar a mandar e a ser dono disto tudo.
Continuemos a IMAGINAR coisas…
Resolvi então criar uma nova empresa: a “Rio do meu Avô” que passou a ser dona de 100% do capital da “Grupo do meu avô”, que era dona de 25% do “Banco do meu avô”. E eu que era dono disto tudo passei a ser o presidente disto tudo.
Fiz uns estatutos para o “Grupo do meu avô” que diziam que quem tivesse 25% mandava na empresa. Vendi 20% aos Angolanos e 55% na Bolsa. A “Rio do meu avô” ficou assim dona de 25% do “Grupo do meu avô” (mas mandava como se tivesse 100%). A “Grupo do meu avô”, dona de 25% do “Banco do meu avô” (mandava como se tivesse 100%).
Assim, a minha família já só tinha 5% (25% de 25%) do “Banco do meu avô” (mas eu continuava a mandar como se tivéssemos 100%). Já não havia dúvidas: eu era mesmo um génio da finança.
Com os 75 milhões da venda do “Grupo do meu avô” (aos Angolanos e na Bolsa), paguei uma parte da dívida. Mas, na verdade, ainda tínhamos uma dívida de 25 milhões (e continuávamos a não querer mexer no nosso dinheiro – esse continua bem guardado na América do Sul).
E, continuando a IMAGINAR coisas…
Mas as coisas continuaram a correr mal. Se calhar eu não sou assim tão grande génio da finança. Todos os nossos negócios dão prejuízo (até mesmo o Banco do meu avô). Raio de azar. Ainda por cima, a crise não acaba.
Fiz então o meu último golpe de génio. Convenci todos os bons clientes a comprarem ações do Banco do meu avô, para aumentar o capital sem ter de endividar mais a “Rio do meu avô” (e sem ter de tocar no dinheirinho da família, que continua bem guardado na América do Sul).
Mas os franceses queriam o dinheiro deles. Então, como presidente do Banco do meu avô, emprestei dinheiro deste ao Grupo do meu avô e à Rio do meu avô. Assim pagámos aos franceses. Mas ficámos com um problema: o Banco do meu avô está completamente arruinado.
Tinha de arranjar uma solução!
Fui falar com os novos políticos com uma proposta: reformo-me, dou lugares de Administração a uma série de políticos do partido do Governo e eles que resolvam o problema do Banco do meu avô.
Continuemos a IMAGINAR coisas…
Os políticos aceitaram a minha proposta (aceitam sempre que se fala de lugares de Administração).
Finalmente reformei-me. Ainda somos donos de 5% do Banco do meu avô e de uma série de outros negócios (sustentados pelas dívidas ao Banco do meu avô).
Tudo isto sem termos gasto um tostão (o dinheiro da família continua todo guardado na América do Sul).
E, tomei a última medida antes de me reformar: atribuí a mim próprio uma reforma de um milhão de euros por ano (para as despesas correntes).
E, assim, acabou a história IMAGINADA do Banco do meu avô.
************
Se alguém teve a paciência de ler este texto até ao fim, deixo uma pergunta: Se esta história em vez de ser IMAGINADA, fosse verdadeira, que fariam ao neto?
 ·  Translate
3
1
Jorge Pinho's profile photoJoana Rocha's profile photo
 
Brilhante.
Add a comment...

Miguel Rocha

Shared publicly  - 
 
A pedido de várias famílias aqui fica a foto da pastelaria Careca na freguesia de Belém... Grandes croissants e palmiers...
 ·  Translate
6
Maria da Conceição Rocha's profile photoPedro Pinho's profile photo
2 comments
 
A desfolhada.
Add a comment...

Miguel Rocha

Shared publicly  - 
 
Ideias para o governo.
 ·  Translate
1
Add a comment...
People
Work
Occupation
Eng.
Employment
  • CML
    Eng., 1999 - present
  • Montel
    1998 - 1999
Places
Map of the places this user has livedMap of the places this user has livedMap of the places this user has lived
Currently
Lisboa
Previously
Povoa de Varzim
Links
Story
Introduction
We're all one thing, Lieutenant. That's what i've come to realize. Like cells in a body, except we can't see the body. The way fish can't see the ocean. And so we envy each other. Hurt each other. Hate each other. How silly is that? A heart cell hating a lung cell.
Education
  • Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto
    Engenharia Electrotecnica e de Computadores - Ramo de Informatica e Sistemas, 1991 - 1996
  • Escola Secundaria Rocha Peixoto
    Area Cientifica, 1985 - 1991
Basic Information
Gender
Male
Miguel Rocha's +1's are the things they like, agree with, or want to recommend.
Orgia para idosos faz 7 mortos na Bélgica - ZAP
zap.aeiou.pt

- O que deveria ter sido uma tarde bem passada transformou-se numa tragédia quando sete idosos morreram durante uma orgia num evento de troc

TV Online
market.android.com

Free online live TV on your phone and tablet. Watch live TV channels from your country. The application needs fast internet to stream live T

tmn drive
market.android.com

O tmn drive é uma aplicação de navegação que transforma o seu telemóvel num verdadeiro navegador. Com o tmn drive tem acesso a milhares de p

mrQuery - search launcher
market.android.com

Android on Steroids.- Launch apps by typing just 2 characters of the app name. - Call friends by typing just 2 characters of your friend's n

Kingsoft Office 5.7.3(Free)
market.android.com

Kingsoft Office es el único Office para móvil cuyas funciones son completamente GRATUITAS. Es compatible con la versión 2.1 o superior del s

Greenified - Save your Battery
market.android.com

Greenified for Android is based off an old web service I use to run that would turn webpages to black and white on the fly. For your compute

Cats Get Scared of Stuffed Bobcat
screen.yahoo.com

Check out the priceless reactions from these cats after encountering a stuffed bobcat. Classic!

Dog evades Animal Services capture 92 times
www.4029tv.com

Fayetteville Animal Services has a plan to catch a stray dog that has evaded the organization since 2008.

Restaurante Alma Lusa
plus.google.com

Restaurante Alma Lusa hasn't shared anything on this page with you.

Download Kindle Best Sellers for Free - Zero Dollar Books
ctrlq.org

Download best-sellers on your Kindle for free through the Amazon website. This list of Kindle ebooks is updated every hour.

Hiren's BootCD 15.2 - All in one Bootable CD »
www.hiren.info

Hiren's Boot CD 15.2, Dos/Windows/Linux Bootable CD, Hirens BootCD, Download WinTools, Partition/Data Recovery. HBCD 15.2 has lots of Open-s

Football Manager TM 2012
www.footballmanager.com

Football Manager 2012 allows you to take control of any club in over 50 nations across the world, including all of the biggest leagues acros

The 2 Million SHU Trinidad Moruga Scorpion Pepper Is the World's Hottest
gizmodo.com

The Habanero pepper has a maximum hotness of 350,000 Scoville Heat Units. That's nothing—like eating an Altoid—compared to the mouth-searing

Um roubo ainda sem ladrões - Opinião - DN
www.dn.pt

1. O BPN é o maior escândalo financeiro da história de Portugal. Nunca antes houve um roubo desta dimensão, "tapado" por uma nacionalização

A incrível associação dos ex-deputados
madespesapublica.blogspot.com

É isso mesmo, existe uma Associação de Ex-deputados da Assembleia da República (AEDAR) que, segundo o orçamento da Assembleia da República r

50 Quick Photography Tips
www.digitalrev.com

Here we give you bang for your buck with 50 Quick Photography Tips in less than 15 minutes.

Lamborghini Crashes in Chicago Suburbs
www.youtube.com

$225,000 Lamborghini Gallardo racing through turn on Chicago suburb street doesn't end well. Good thing I had the video camera out to record

Gotye - Somebody That I Used To Know (feat. Kimbra) - official video
www.youtube.com

Film clip for the Gotye song Somebody That I Used To Know, featuring Kimbra from the album Making Mirrors. Buy Somebody That I Used To Know

Wolfenstein 3D Director's Commentary with John Carmack
www.youtube.com

To commemorate Wolfenstein 3D's 20th anniversary, id Software co-founder John Carmack provides director's commentary for the game. Want to p

Xutos e Pontapés - Barcos Gregos (versão single)
www.youtube.com

Esta música pertence ao album "Cerco" dos Xutos e Pontapés. Mais músicas dos Xutos e Pontapés no meu canal.

Um dos melhores sítios para comer peixe grelhado. Tem a melhor massada de peixe que eu conheço. Só servem almoços e fecha aos fins de semana. Quanto ao ambiente e resumindo é uma tasca.
Public - a year ago
reviewed a year ago
Só posso falar do que comi e, a melhor bochecha de porco que provei até hoje e um skrei (bacalhau) com risoto de chocos em que o risoto era divinal. O leite creme estava excelente.
Public - a year ago
reviewed a year ago
Muito bom. Menu de degustação, com azeitonas, pão com presunto, queijo de cabra e mel, alheira com grelos, polvo à lagareiro e duo de mousse e gelado de citrinos.
Food: ExcellentDecor: ExcellentService: Excellent
Public - a year ago
reviewed a year ago
5 reviews
Map
Map
Map
Almoço saboroso.
Food: Very GoodDecor: GoodService: Very Good
Public - a year ago
reviewed a year ago
Food: ExcellentDecor: Very GoodService: Excellent
Public - a year ago
reviewed a year ago