Profile cover photo
Profile photo
Hélio Ferreira de Lima Santos
3 followers
3 followers
About
Posts

Post has attachment
POEMA VIVO
Hoje é o dia que tu vens a mim Vem e traz a tua luz, traz as tuas velas... Vem e traz as tuas orações e enfim Vem arejar-me, vem me abrir janelas! Vem e traz as rosas, cores de carmim... Cores brancas vivas e outras amarelas... Vem também regar as flores de...

Post has attachment

Post has attachment

Post has attachment
PANDEMÔNIO
Vejo mal a trindade de demônios Praticar a maldade em seus domínios Vejo ela com poderes e fascínios Exalando fortes cheiros de amônios Com venenos, salivas e hormônios Vejo a cobra MÁ-RABUDA que
rasteja Vejo o cão LUCIFÉLDER na peleja Enquanto cobra NORATO...

Post has attachment

Post has attachment
DAI-ME UM DÁIME
DAI-ME UM DÁIME Meu amor Dai-me um dáime Teu santo grau Meu amor Pra desta vida findar-me Ou botar fim nesta dor Dai-me um dáime Dai-me teu quente Dai-me teu chá Efervescentemente Com mais um grau de calor Dai-me um dáime Me ilude A mente Que eu me borbulho...

Post has attachment
SOCORRO OU MERECI ÂNUS
SOCORRO (MERECI ÂNUS) Eu fui atrás de Socorro Não encontrei sob as togas E eu só achei sob o forro Sujeira, ânus e bogas E este mau cheiro prorrogas Para ficar nos “anais” Como o vento nos currais Tirando cheiro de estrumes Como se fossem perfumes Lá dentro...

Post has attachment
MADAME "X"
MADAME “X” Tu não viste a honrosa
luta De quem prezou teus anis De quem sempre o bem te
quis De quem te honrou na
labuta Oh dama de azul, madame
xis Tu honras quem te faz puta Quem te rouba e só
desfruta Dos teus “tons” de meretriz Estás como as outras
anta...

Post has attachment
SUAVEMENTA
Num
descanso de um refrescar de riso De uma paz tão suavemente menta Tu me vens de repente e sem aviso Tão voraz, tu me chegas e me desorienta E de quebra, quebra a paz do paraíso. Tu me trazes esse fogo que esquenta! Tu me vens, me levanta e eu me exorcizo...

Post has attachment
É A SECA ACABANDO O MEU SERTÃO...
...E
VOCÊ ME MATANDO DE SAUDADE (MOTE:
DAYANE ROCHA – TABIRA/PE Tanto
tempo há no meu padecer D’eu chover de pranto e de mágoa Do sertão seco sem um pingo dágua De um céu que não quer se
resolver Pois eu vejo, mas ainda
custa crer Que você só não volta por
...
Wait while more posts are being loaded