Profile cover photo
Profile photo
Silvana 4Blogs de Livros
79 followers -
"Livros não mudam o mundo, quem muda o mundo são as pessoas. Os livros só mudam as pessoas." (Mario Quintana)
"Livros não mudam o mundo, quem muda o mundo são as pessoas. Os livros só mudam as pessoas." (Mario Quintana)

79 followers
About
Silvana's posts

Post has shared content
"estou lendo" (25/2017): O Conto da Aia (Margaret Atwood)


*Sinopse: Em um futuro muito próximo, não existem mais jornais, revistas, livros nem filmes - tudo fora queimado. As universidades foram extintas. Também já não há advogados, porque ninguém tem direito a defesa. Os cidadãos considerados criminosos são fuzilados e pendurados mortos no muro, em praça pública, para servir de exemplo enquanto seus corpos apodrecem à vista de todos. Nesse Estado teocrático e totalitário, as mulheres são as vítimas preferenciais, anuladas por uma opressão sem precedentes. O nome dessa república é Gilead, mas já foi Estados Unidos da América. As mulheres de Gilead não têm direitos. Elas são divididas em categorias, cada qual com uma função muito específica no Estado.


Escrito em 1985, o romance distópico "O Conto da Aia", da canadense Margaret Atwood, tornou-se um dos livros mais comentados em todo o mundo nos últimos meses, voltando a ocupar posição de destaque nas listas do mais vendidos em diversos países. Além de ter inspirado a série homônima (The Handmaid’s Tale, no original) produzida pelo canal de streaming Hulu, o a ficção futurista de Atwood, ambientada num Estado teocrático e totalitário em que as mulheres são vítimas preferenciais de opressão, tornando-se propriedade do governo, e o fundamentalismo se fortalece como força política, ganhou status de oráculo dos EUA da era Trump.



☞ indicado em "1001 livros para ler antes de morrer": http://goo.gl/ayPziy





☞ Twitter: @4blogsdelivros
☞ Facebook: facebook.com/4BlogsdeLivros
☞ Ello: ello.co/4blogsdelivros
☞ Instagram: instagram.com/4blogsdelivros
Photo

Post has shared content
"estou lendo" (25/2017): O Conto da Aia (Margaret Atwood)


*Sinopse: Em um futuro muito próximo, não existem mais jornais, revistas, livros nem filmes - tudo fora queimado. As universidades foram extintas. Também já não há advogados, porque ninguém tem direito a defesa. Os cidadãos considerados criminosos são fuzilados e pendurados mortos no muro, em praça pública, para servir de exemplo enquanto seus corpos apodrecem à vista de todos. Nesse Estado teocrático e totalitário, as mulheres são as vítimas preferenciais, anuladas por uma opressão sem precedentes. O nome dessa república é Gilead, mas já foi Estados Unidos da América. As mulheres de Gilead não têm direitos. Elas são divididas em categorias, cada qual com uma função muito específica no Estado.


Escrito em 1985, o romance distópico "O Conto da Aia", da canadense Margaret Atwood, tornou-se um dos livros mais comentados em todo o mundo nos últimos meses, voltando a ocupar posição de destaque nas listas do mais vendidos em diversos países. Além de ter inspirado a série homônima (The Handmaid’s Tale, no original) produzida pelo canal de streaming Hulu, o a ficção futurista de Atwood, ambientada num Estado teocrático e totalitário em que as mulheres são vítimas preferenciais de opressão, tornando-se propriedade do governo, e o fundamentalismo se fortalece como força política, ganhou status de oráculo dos EUA da era Trump.



☞ indicado em "1001 livros para ler antes de morrer": http://goo.gl/ayPziy





☞ Twitter: @4blogsdelivros
☞ Facebook: facebook.com/4BlogsdeLivros
☞ Ello: ello.co/4blogsdelivros
☞ Instagram: instagram.com/4blogsdelivros
Photo

Post has shared content
"estou lendo" (25/2017): O Conto da Aia (Margaret Atwood)


*Sinopse: Em um futuro muito próximo, não existem mais jornais, revistas, livros nem filmes - tudo fora queimado. As universidades foram extintas. Também já não há advogados, porque ninguém tem direito a defesa. Os cidadãos considerados criminosos são fuzilados e pendurados mortos no muro, em praça pública, para servir de exemplo enquanto seus corpos apodrecem à vista de todos. Nesse Estado teocrático e totalitário, as mulheres são as vítimas preferenciais, anuladas por uma opressão sem precedentes. O nome dessa república é Gilead, mas já foi Estados Unidos da América. As mulheres de Gilead não têm direitos. Elas são divididas em categorias, cada qual com uma função muito específica no Estado.


Escrito em 1985, o romance distópico "O Conto da Aia", da canadense Margaret Atwood, tornou-se um dos livros mais comentados em todo o mundo nos últimos meses, voltando a ocupar posição de destaque nas listas do mais vendidos em diversos países. Além de ter inspirado a série homônima (The Handmaid’s Tale, no original) produzida pelo canal de streaming Hulu, o a ficção futurista de Atwood, ambientada num Estado teocrático e totalitário em que as mulheres são vítimas preferenciais de opressão, tornando-se propriedade do governo, e o fundamentalismo se fortalece como força política, ganhou status de oráculo dos EUA da era Trump.



☞ indicado em "1001 livros para ler antes de morrer": http://goo.gl/ayPziy





☞ Twitter: @4blogsdelivros
☞ Facebook: facebook.com/4BlogsdeLivros
☞ Ello: ello.co/4blogsdelivros
☞ Instagram: instagram.com/4blogsdelivros
Photo

Post has shared content
"estou lendo" (25/2017): O Conto da Aia (Margaret Atwood)


*Sinopse: Em um futuro muito próximo, não existem mais jornais, revistas, livros nem filmes - tudo fora queimado. As universidades foram extintas. Também já não há advogados, porque ninguém tem direito a defesa. Os cidadãos considerados criminosos são fuzilados e pendurados mortos no muro, em praça pública, para servir de exemplo enquanto seus corpos apodrecem à vista de todos. Nesse Estado teocrático e totalitário, as mulheres são as vítimas preferenciais, anuladas por uma opressão sem precedentes. O nome dessa república é Gilead, mas já foi Estados Unidos da América. As mulheres de Gilead não têm direitos. Elas são divididas em categorias, cada qual com uma função muito específica no Estado.


Escrito em 1985, o romance distópico "O Conto da Aia", da canadense Margaret Atwood, tornou-se um dos livros mais comentados em todo o mundo nos últimos meses, voltando a ocupar posição de destaque nas listas do mais vendidos em diversos países. Além de ter inspirado a série homônima (The Handmaid’s Tale, no original) produzida pelo canal de streaming Hulu, o a ficção futurista de Atwood, ambientada num Estado teocrático e totalitário em que as mulheres são vítimas preferenciais de opressão, tornando-se propriedade do governo, e o fundamentalismo se fortalece como força política, ganhou status de oráculo dos EUA da era Trump.



☞ indicado em "1001 livros para ler antes de morrer": http://goo.gl/ayPziy





☞ Twitter: @4blogsdelivros
☞ Facebook: facebook.com/4BlogsdeLivros
☞ Ello: ello.co/4blogsdelivros
☞ Instagram: instagram.com/4blogsdelivros
Photo

Post has shared content
"estou lendo" (25/2017): O Conto da Aia (Margaret Atwood)


*Sinopse: Em um futuro muito próximo, não existem mais jornais, revistas, livros nem filmes - tudo fora queimado. As universidades foram extintas. Também já não há advogados, porque ninguém tem direito a defesa. Os cidadãos considerados criminosos são fuzilados e pendurados mortos no muro, em praça pública, para servir de exemplo enquanto seus corpos apodrecem à vista de todos. Nesse Estado teocrático e totalitário, as mulheres são as vítimas preferenciais, anuladas por uma opressão sem precedentes. O nome dessa república é Gilead, mas já foi Estados Unidos da América. As mulheres de Gilead não têm direitos. Elas são divididas em categorias, cada qual com uma função muito específica no Estado.


Escrito em 1985, o romance distópico "O Conto da Aia", da canadense Margaret Atwood, tornou-se um dos livros mais comentados em todo o mundo nos últimos meses, voltando a ocupar posição de destaque nas listas do mais vendidos em diversos países. Além de ter inspirado a série homônima (The Handmaid’s Tale, no original) produzida pelo canal de streaming Hulu, o a ficção futurista de Atwood, ambientada num Estado teocrático e totalitário em que as mulheres são vítimas preferenciais de opressão, tornando-se propriedade do governo, e o fundamentalismo se fortalece como força política, ganhou status de oráculo dos EUA da era Trump.



☞ indicado em "1001 livros para ler antes de morrer": http://goo.gl/ayPziy





☞ Twitter: @4blogsdelivros
☞ Facebook: facebook.com/4BlogsdeLivros
☞ Ello: ello.co/4blogsdelivros
☞ Instagram: instagram.com/4blogsdelivros
Photo

Post has shared content
"Quando a gente não pode imitar os grandes homens, imite ao menos as grandes ficções."


Machado de Assis nasceu em 21 de junho de 1839: http://goo.gl/xQrKji



☞ Twitter: @4blogsdelivros
☞ Facebook: facebook.com/4BlogsdeLivros
☞ Ello: ello.co/4blogsdelivros
☞ Instagram: instagram.com/4blogsdelivros
Photo

Post has shared content
"A senhorita Dunne dedilhou no teclado: 16 de junho, 1904."


16/06: Bloomsday: http://goo.gl/x9N5B8


*Leia trechos de "Ulysses": http://goo.gl/IgYS6I




☞ Twitter: @4blogsdelivros
☞ Facebook: facebook.com/4BlogsdeLivros
☞ Ello: ello.co/4blogsdelivros
☞ Instagram: instagram.com/4blogsdelivros
Photo

Post has shared content
"A senhorita Dunne dedilhou no teclado: 16 de junho, 1904."


16/06: Bloomsday: http://goo.gl/x9N5B8


*Leia trechos de "Ulysses": http://goo.gl/IgYS6I




☞ Twitter: @4blogsdelivros
☞ Facebook: facebook.com/4BlogsdeLivros
☞ Ello: ello.co/4blogsdelivros
☞ Instagram: instagram.com/4blogsdelivros
Photo
Wait while more posts are being loaded