Profile cover photo
Profile photo
Rob Camilotti
174 followers -
Viva e se deixe viver: escreva e permita-se a vida.
Viva e se deixe viver: escreva e permita-se a vida.

174 followers
About
Rob's posts

Post is pinned.Post has attachment
POESIA: Segredos da Poesia.
Folha de papel. Desenho ao mundo. A rima perfeita. A métrica, o assunto. Palavra que canta. Espírito sujo. Cartas na porta. Vadiagem! A vala e o luxo. Vidas repetem. O tempo é em tudo. Amando e sofrendo. É o nada, bem junto! Passa-se o tempo. Acidental conf...

Post has attachment
POESIA: Disfarce ou Fantasia?
Então, qual é a sua? Só disfarça, fantasia! Se esconde atrás de quem diz que é! Romantiza viver outra vida? Então? Qual é? Por que se esconde? Romantiza?

Post has attachment
A Última de Clarice.
Olá pessoal, neste post quero lhes indicar um vídeo interessantíssimo que, provavelmente, não seja nenhuma novidade para vocês. Me refiro a uma rara entrevista de Clarice Lispector ao repórter Júlio Lerner, da TV Cultura. A entrevista foi concedida em 1977,...

Post has attachment

Post has attachment
POESIA: Poética do Morro.
Um canto ritmado. Voz forte, cheia de ginga! Poesias que falam a todos. Musicada. Dos pobres. Repartida. Poesia de muitos poetas. Poetas com muita primazia! A poética do morro? Seca. Escura! Ferrenha. Pujante! Colorida!

Post has attachment
POESIA: Tangerina.
Belo nome o de Tangerina! Filha rica e de berço feliz! Tangerina, uma grande história sofrida. Tangerina, sua vida se soletra assim: T Teve tudo na vida. A Americana querida por todos. N Nascida e criada no Texas. G Gastou toda herança da família. E Especia...

Post has attachment

Post has attachment
POESIA: Jogo da Conquista.
Me olha doce e me cede um beijo? Seguro forte em tua mão. Inesquecível! Carinho roubado e dos bons! Assim se entendem dois corações: No jogo em que um conquista o do outro são descartáveis o julgamento e a razão!

Post has attachment
POESIA: Outono de Oitenta.
Mil novecentos e oitenta: Canhões e soldados nas ruas! Tempos difíceis: dias e noites! O país: o da Terra do Urucum. O ano de mil novecentos e oitenta. Sete meses para oitenta e um! Era um outono de oitenta. O povo tomava as ruas. Ano de mil novecentos e oi...

Post has attachment
POESIA: Calendário.
Por horas, dias, semanas, por meses perdidos no calendário; e mesmo que voltasse o tempo, ainda me faltariam palavras. O calendário apressado, corrente, não me faz capaz de superar o fim ilusório. Um rompimento. Um não sincero e gentil, ainda assim, um não....
Wait while more posts are being loaded