Profile cover photo
Profile photo
Incca Sistemas
2 followers -
Empresa pioneira em Sistemas de Gestão Empresarial para Indústrias, Comércios e Serviços
Empresa pioneira em Sistemas de Gestão Empresarial para Indústrias, Comércios e Serviços

2 followers
About
Posts

Post has attachment
Sistema de automação comercial para lojas de autopeças

O Incca Erp Autopeças é um sistema de automação comercial para lojas de autopeças de fácil implantação, Esse sistema já por décadas tem simplificando a vida de centenas de lojas em todo o Brasil.

Continue lendo:
http://goo.gl/fYJjhm
Photo

Post has attachment
Gestão dentro da imprevisibilidade

Pior é igual ao pior. A resposta está no seu melhor, no ir além dos limites para que a contabilização do que faz possa mantê-lo nesses momentos incertos.

Com os softwares da Incca Sistemas terá uma visão geral da situação atual de sua empresa.
Agende uma demonstração:
http://www.incca.com.br/agende.php

Existem períodos onde os ventos são fortes e capazes de impulsionar nossos barcos sem o esforço adicional dos acessórios. Em outros temos que entender que mesmo quando impossibilitados se fazer tudo que poderíamos. O que vai pesar é o uso do equilíbrio a ser conjugado com a competência.

Os momentos de imprevisibilidade são aqueles onde não temos as informações necessárias para que possamos trabalhar planejadamente acima do curto prazo. Quase como estar no meio de uma estrada equipados com a melhor tecnologia e conhecimento, porém diante de uma nebulosidade que não nos permite enxergar nada além de três metros à nossa frente. Nesses casos temos que dobrar as atenções, reduzir a velocidade e pensar metro a metro o como teremos que fazer para garantir as soluções de continuidade.

Aspectos refletidos por esse período estão relacionados com a amplitude da palavra dúvida, ou seja, quando menos previsibilidade do que vem pela frente, mais incertezas que por tabela afetarão nossos planos pela ausência da própria visão macro externa, que acabam por criar incertezas no qualitativo das decisões diante dos problemas quantitativos que ultrapassam a lógica econômica dos negócios, pela prioridade de ter que atentar a gestão financeira, normalmente ofuscada por captações de recursos acima da capacidade dos desembolsos necessários a sua administração.

Nesses momentos a palavra ação é suplantada pela prevenção, ou seja, nossas atitudes não poderão ir além da realidade do que estamos passando ou mesmo conseguindo enxergar. Nesse caso a medida mais apropriada é a de se organizar através do desenvolvimento de modelos que sejam mais flexíveis e que possam se adequar aos altos e baixos com uma maior resiliência entre os fatos para que as atitudes possam significar respostas em tempo certo, num sentido de cada ação deverá estar mais adequada pela situação a ser vivenciada no dia, na semana ou talvez no mês.

O maior impacto de uma crise econômica é a redução das procuras por parte dos consumidores e evidentemente as causas são conhecidas: ausência de recursos, créditos e inseguranças para usá-los. Os reflexos de qualquer redução e em qualquer mercado é o de conseguir adequar o que fazemos com o que se pode para manter o equilíbrio das atividades, destacando-se: criatividade, eliminação dos excessos, metodologias de processos eliminando desperdícios, manutenção da qualidade (produtos e métodos de serviços), preços compatíveis aos segmentos representados, estrutura consultiva com potencial de entender o mercado junto com a versatilidade de ofertar produtos ou serviços para que sejam como necessários.

Nesse momento o que não devemos pensar é na passividade pelo esperar no aonde tudo vai chegar. O que devemos é reativar o lado pró-ativo concentrando uma atenção especial nos campos das negociações, que possam aprimorar o conjunto: entrada, meios e saídas das organizações.

Vivemos em um momento onde não teremos no médio prazo medicações onde qualquer “sonrisal” será suficiente para eliminar a atenção diária de tudo que nos rodeia e curar as dores de cabeça. Nossos objetivos deverão incluir vários desgastes, noites com sonos complicados, mas tudo que passamos é parte do que temos que aprender e superar.

Mas vale lembrar que ser positivo é acreditar e ter a capacidade e inteligência para garantir a sustentação do que fazemos pelo tempo necessário, já que tudo que vem, também volta.
Photo

Post has attachment
Como estar preparado para vender para a geração alfa

Entenda as gerações e suas peculiaridades

As gerações mudam e poucos conhecem cada uma delas. Elas são, os veteranos, boomers, geração X, Y, Z e a geração Alfa. O comportamento de consumo, de compra, de cada uma das gerações está relacionado ao momento socioeconômico, cultural e histórico.

Quer conhecer um pouco?

Veteranos: nascidos entre 1922 e 1944. Passaram por duas guerras e como consumidores evitam parcelar, compram o que precisa e sem exageros. São conservadores e não gostam de arriscar.

Boomers: nascidos entre 1945 e 1965. Gostam de gastar e valorizam a aparência e o status. Investem em bens materiais como carro e casa e gostam de aproveitar a vida com qualidade. Este grupo é dividido entre os Baby Boomers (1945 à 1954) e Boomers (1955 à 1964).

Geração X: nascidos entre 1960 e 1977. São informais no trabalho e valorizam a qualidade de vida. Preferem ganhar menos e aproveitar a vida. Investem em viagens e entretenimento.

Geração Y: nascidos entre 1978 e 1995. Agitados, informais, imediatista e impacientes, são as suas principais características. Acreditam em um futuro melhor e buscam mudanças. A tecnologia faz parte da sua vida e precisam estar conectados (internet).

Geração Z: nascidos entre 1996 e 2009. A internet já existia quando nasceram e não sabem viver sem ela. São preocupados com o meio ambiente, sustentabilidade e muitos parecidos com a geração Y.

Geração Alfa ou Alpha: nascido após 2010. Ainda não é possível definir o seu perfil de compra, é uma geração nova. É chamada de Alfa por falta de uma nova nomenclatura, ainda não existente. Alguns dizem que será Geração M (geração Mobile). Aliás, já é uma dica para entender o seu perfil como futuros consumidores.

Os vendedores precisam estar preparados da mesma forma que os advogados se preparam para uma audiência e os médicos para uma cirurgia. Conhecer o que vende, os concorrentes e a empresa onde trabalha é uma obrigação para os vendedores, mas conhecer o perfil dos consumidores torna-o um diferencial no mercado e maximiza os seus resultados em vendas e fidelização de clientes.

Daqui cinco anos, os primeiros membros da geração Alfa já serão nossos consumidores, com poder de decisão. Para alguns produtos, já são influenciadores no momento da compra. Lembre-se, cinco anos para um negócio é pouco tempo, passa muito rápido.

E acredite, ainda existem empresas que não estão conectadas. Não possuem site, perfil nas redes sociais e muito menos um aplicativo mobile. Como vender para esta nova geração se não estiver presente onde e como eles querem e irão comprar? Para e pense!

O que você precisa mudar hoje, e depende só de você, para a sua empresa estar preparada para sobreviver nos próximos 10 anos? Esta é uma pergunta de coaching, uma pergunta inteligente para você refletir e agir.
Photo

Post has attachment
PORQUE ESCOLHER A INCCA SISTEMAS?

Somos uma empresa que considera a visão do cliente no desenvolvimento de nossos produtos. Todos os sistemas desenvolvidos pela INCCA têm como objetivo atender as reais necessidades do cliente e de seu negócio.

Experiência
A INCCA é focada em inovação, temos uma expertise de 28 anos de pesquisa e desenvolvimento em tecnologia da informação.

Qualidade
Uma das principais preocupações da INCCA Sistemas é a qualidade de suas soluções e a satisfação de seus clientes.

Implantação
Cuidamos de todo levantamento de requisitos, modelagem de dados, arquitetura, programação, testes e implantação.

Suporte
A INCCA possui consultores e desenvolvedores altamente treinados, o que garante aos nossos clientes um suporte técnico rápido e eficiente.

Agende uma demonstração:
http://www.incca.com.br/agende.php
Photo

Post has attachment
Pequenos negócios mais fortes e competitivos
O mercado está cada vez mais competitivo, dinâmico e exigente. Nesse cenário, a missão das pequenas e médias empresas (PME) torna-se ainda mais complicada.
Não é fácil concorrer com grandes corporações. As empresas de maior porte levam vantagem por conseguir manter maior aporte financeiro e estruturas mais resistentes em momentos de crise, além de ter maior acesso ao capital humano mais qualificado.
A Incca Sistemas tem soluções específicas para a pequena e média empresa.
Agende uma demonstração:
http://goo.gl/rl1Rr1
Para fazer frente aos grandes, as PMEs investem na otimização de tempo e recursos. É imprescindível fazer mais com menos. E nisso, os avanços da tecnologia da informação (TI) são decisivos.
Esta é uma parcela importante da economia brasileira. O Brasil tem atualmente cerca de 8,9 milhões de micro e pequenas empresas e elas respondem por 52% dos empregos com carteira assinada. As micro e pequenas empresas geram, em média, 27% do PIB do Brasil. No comércio, respondem por 53,4% do PIB, na Indústria a participação chega a 22,5% e o setor de Serviços responde de 36,3%. Em dez anos, os valores da produção gerada pelos pequenos negócios foram de R$ 144 bilhões para R$ 599 bilhões.
Melhorar a gestão, reduzir gastos com retrabalho, desperdício e burocracias, automatizar processos nas áreas comerciais, financeira, fiscal ou, ainda, possibilitar conversas com clientes via chat, reuniões por videoconferência e investir em soluções de mobilidade torna possível às empresas oferecer aos seus clientes produtos e serviços tão eficiente quanto aos grandes concorrentes. Os fabricantes de software de gestão empresarial (ERPs) que atendem a essa fatia de mercado percebem a evolução da procura. A previsão, segundo a consultoria IDC é de que o segmento cresça a taxa média anual de 8% até 2017. As PMEs brasileiras descobrem que, apostando na inovação e na qualificação contínua conseguem se destacar no mercado.
Photo

Post has attachment
Como perder clientes prontamente
É enorme o número de clientes que são irremediavelmente perdidos por causa de atendentes mal preparados, seja em vendas, recepção ou atendimento em geral
Certa ocasião precisei comprar um carregador de celular e dirigi-me a uma loja próxima de minha residência. Era loja de boa aparência e ambiente agradável. Atendeu-me uma simpática e bonita balconista mastigando um belo e formoso chiclete.
Disse-lhe: “Estou precisando de um carregador da marca Nókia (com acento no ó), você tem?”
“No momento estamos em falta desse modelo da Nokía (ela enfatizou o acento no í) que o senhor precisa, mas temos outros tipos”, respondeu ela.
Então, invadiu-me a curiosidade e perguntei à moça: “Me explique: a pronúncia certa é Nókia ou Nokía?
“Claro que é Nokía, pois é produto japonês”, disse ela convicta. Tive ímpetos de dizer-lhe que o produto é finlandês e que a pronúncia correta é Nókia, mas achei melhor não contradizê-la.
“Então, qual desses outros modelos você me aconselha comprar?” perguntei.
“Ah, temos vários” respondeu ela. “Esse aqui, por exemplo, é bom e é bem mais barato”, colocando o carregador sobre o balcão.
“E por que é tão mais barato?”, indaguei.
“É porque é chinês, né?”, replicou.
Nesse meio tempo, enquanto estávamos conversando entrou um cliente na loja e, “abandonando-me”, a vendedora foi atendê-lo. Enquanto ela atendia o outro cliente, examinei o carregador e li, na plaqueta, que o produto era “made in China” fabricado sob licença da Nokia cumprindo todas as exigências de qualidade da matriz finlandesa.
Pouco depois a balconista voltou a atender-me, ainda mastigando o chiclete. Então resolvi testar suas habilidades de atendimento ao cliente e, instigando-a, perguntei-lhe: “Este é bem mais barato, mas ele é bom?”
“Bem, você sabe, né? É chinês!”, querendo com isso dizer, talvez, que o produto não fosse confiável devido à procedência. Dito isso ela ficou me olhando, sem esboçar qualquer outra ação de sua parte.
Então resolvi fazer a minha parte de consultor e, brincando, disse-lhe: “Já que, aparentemente, você não está fazendo nenhum esforço de vender-me a mercadoria, então eu vou vendê-la para mim mesmo. Sabe o que eu diria?”, perguntei sorrindo para a vendedora que me olhava surpresa.
“Se eu fosse vender o carregador eu diria ao cliente: ‘Não temos o modelo Nókia original que o senhor quer, mas temos um idêntico, da própria Nókia, fabricado na China, e com o mesmo padrão de qualidade da matriz. O preço é mais barato do que o original, porque o custo de fabricação na China é bem menor o que permite um preço diferenciado’. Pronto, acabei de vender o carregador para mim mesmo, e prometo não ficar com a tua comissão”, disse em tom de brincadeira para a atendente que me fitava com ar de espanto.
Adquiri o dispositivo, e ao sair da loja fiquei pensando com meus botões: “Quantas vendas e quantos clientes são irremediavelmente perdidos por causa de atendentes mal preparados, seja em vendas, recepção ou atendimento em geral.”
Nos poucos minutos em que ela me atendeu cometeu inúmeros erros. Para começar, ela cumprimentou-me mecanicamente – só para cumprir a obrigação - e apresentou-se mastigando chiclete. Quando entrou outro cliente a moça deixou-me esperando sozinho, sem pedir permissão para fazê-lo, só retornado minutos depois. Quanto ao carregador, ela demonstrou total falta de conhecimento da mercadoria como, pronúncia correta, patente de origem (Finlândia) e o fato de ser fabricado na China sob licença da Nokia. Também demonstrou inabilidade em argumentar e saber vender um produto de facílima vendagem.
E aqui vai uma pergunta: De quem é a culpa por colocar diante do cliente uma atendente tão despreparada: da loja ou da própria vendedora?
Resposta: A culpa é de ambos. Da loja, por não recrutar a pessoa certa, ou de não treiná-la adequadamente antes de colocá-la frente ao cliente. A atendente também tem sua dose de culpa por não buscar conhecer melhor o produto ou serviço com o qual trabalhava, e não procurar aperfeiçoar suas técnicas de vendas (se é que tinha alguma) e de atendimento ao cliente. De nada adianta montar uma bela loja se, quem atende, não tem o devido preparo em lidar com clientes. É plantar em solo árido.
Falhas como essas, infelizmente, repetem-se diariamente aos milhares em nosso país, ensejando serviços de má qualidade e perdas constantes de clientes insatisfeitos com o mau atendimento. Não lembram que, por ser a primeira pessoa a ter contato com o cliente, o (a) profissional de atendimento é o cartão de visita da empresa e que, aos olhos do cliente, representa a imagem personificada da própria companhia. Por isso mesmo é da maior importância ter pessoas habilitadas para prestar um serviço de qualidade porque delas depende, significativamente, o sucesso das empresas.
Texto extraído e condensado do livro “Manual de Atendimento ao Cliente”, de Ernesto Artur Berg, Juruá Editora.
Photo

Post has attachment
Crise, tempo de inovação

Quando os indicadores macroeconômicos de um país estão positivos, quando a expectativa do mercado é por dias melhores e, principalmente, quando os resultados nas empresas estão espelhando cenários favoráveis, fica mais difícil pensar em projetos de inovação.
O gestor muitas vezes fica seduzido em aproveitar ao máximo esse período, maximizando o lucro sem grandes alterações nos processos internos.
Pois muito bem, façamos a mesma análise em um cenário mais pessimista, algo que estamos vivendo neste início de 2015, com indicadores macroeconômicos menos favoráveis, com a expectativa do mercado por mais turbulências, pela diminuição de demanda e pelo acirramento da concorrência. Podemos afirmar então que é o cenário ideal para o investimento em inovação? Sim.
As empresas devem investir no tema inovação e aqui não estamos falando apenas na criação de um novo produto ou serviço, mas sim em qualquer iniciativa de melhoria, aperfeiçoamento ou mesmo automatização de processos internos que tragam ganhos para a companhia. Em um momento no qual o mercado está saturado e novas vendas são mais difíceis, uma melhoria de processo que resulte em uma diminuição de custo, torna-se muito bem-vinda.
Esse é o momento ideal para investir em inovação tecnológica, tanto nos processos ligados ao “core business” da empresa, como por exemplo, a área de logística ou produção, como também naqueles ligados ao “backoffice” em áreas de contabilidade, jurídica, fiscal e comercio exterior, entre outras. É o momento de realizar uma análise minuciosa nos processos e tecnologias atuais, desde o início de uma operação até o momento de entrega ao cliente, identificando espaços para a criatividade e ousadia.
A ideia é listar os processos, identificando-os por criticidade e oportunidade de melhoria e, a partir daí, iniciar um trabalho em busca de alternativas. Este, porém, não é um cenário para ser pensado somente no momento atual, pois a crise é passageira, mas o objetivo, além de sobreviver, é sair na frente dos concorrentes quando a turbulência passar.
Uma dica importante é o quesito software, uma vez que não precisamos listar a importância do uso da TI nos dias atuais. O primeiro passo é avaliar se os processos identificados estão com as melhores soluções em tecnologia ou se existem alguns processos sendo executados por sistemas já desatualizados ou ainda de forma manual.
É importante definir as prioridades e avaliar as alternativas, tanto no desenvolvimento interno (indicado para os processos sem soluções de mercado), como na busca de soluções de mercado, que já foram experimentadas por outras empresas e que agregarão mais valor à sua operação com o uso das melhores práticas de mercado. Esse é o primeiro passo para apresentar aos gestores projetos com resultados reais e, com isso, conseguir mais investimento em novas ações de inovação, pois essa é uma engrenagem que não deve parar.
Photo

Post has attachment

Post has attachment
Quanto custa não ter uma solução ERP?

Gerir uma empresa sempre envolve um grande esforço. Esse esforço pode ser ainda maior se não tiver uma ferramenta de ERP para o apoio no controle operacional e gerencial

Continue lendo:
http://www.administradores.com.br/artigos/tecnologia/quanto-custa-nao-ter-uma-solucao-de-erp/90703/

A Incca Sistemas tem a solçução ERP ideal para suas necessidades:
Saiba mais: http://www.incca.com.br/
Photo

Post has attachment
Wait while more posts are being loaded