Profile cover photo
Profile photo
Newton Guimarães Junior
25 followers
25 followers
About
Newton's posts

Post has attachment

Post has attachment
Introdução da série O que é o sucesso?! Segredo dos 7 mestres em video

Post has attachment
Desperte seu poder!

Post has attachment
Por favor comentem! E façam a diferença compartilhando se acharem relevante. Abs

Post has attachment
Uma mensagem para quem perde alguém querido

Post has attachment

Post has attachment
Nova postagem no blog. Seu comentario será bem vindo!

PASCOA DE JESUS – Divindade e humanidade.
Muitas pessoas não cristãs questionam como acreditamos que Deus tenha vindo ao mundo na figura de um homem. De fato, não é fácil, sendo de outra cultura, outra religião, compreender o que a fé nos revela. Convivendo com pessoas de outras crenças, também é difícil para mim entender alguns elementos de sua fé. Hoje é domingo de Pascoa, e me inspirou refletir sobre a ressureição de Cristo e um tema que divide opiniões. Sua divindade
Mas se me perguntassem, céticos, se o valor da minha fé está na divindade de Jesus, eu diria que não. A minha fé não depende de Jesus ser Deus, ou não.
A beleza da minha fé em Jesus vem exatamente da sua humanidade. Avaliando o que ele, como homem, fez, na ótica de nossas limitações como homens e mulheres, percebemos a importância de sua vida e morte.
Jesus viveu uma vida de doação, de exemplo, de sacrifício por nós, que fomos tocados com a sua história. Sofreu na cruz na intenção de vencer a morte, e abrir as portas para a vida, religando o homem a Deus, fazendo-se caminho para Ele. Só há sentido falarmos em martírio, em paixão e sacrifício, se considerarmos sua humanidade. Quem sente dor é o homem, quem se angustia é o homem, quem morre é o homem, quem se entrega a tudo isto sabendo o que vai passar, não é o Jesus divino, mas humano. A pascoa de Jesus tem sentido em sua limitação como homem, de carne e osso.
Assim como faziam na pascoa os Judeus, em expiação de seus pecados, matando um animal e oferecendo a Deus, ele se entrega como cordeiro, em oferta perfeita a Deus, em expiação dos pecados de todos nós. É o Jesus homem, que vence as tentações deste mundo e por seus méritos se torna o cordeiro imaculado, a oferenda ideal.
Jesus também me conquista por sua palavra, que nos apresenta uma nova face de Deus, a face do amor. Um Deus misericordioso, que deseja nos salvar, diferente do Deus temido da época. A coerência das palavras de Jesus, e do seu exemplo, sendo homem e inerente a nossas fraquezas, também impressiona e motiva. E ele não precisa ser Deus para isto.
Na sua história, Jesus transcende a humanidade e apresenta seu dom divino. Ele cura, demonstra autoridade com a natureza, com os espíritos, com a morte, ressuscitando Lazaro e deixando todos boquiabertos. Mas nem mesmo todos estes sinais foram capazes de faze-los, todos eles, incluindo os apóstolos, entenderem sua divindade. Por fim, a sua morte foi presenciada por muitos, inclusive celebrada. Mas seria naquela cruz que a última de todas as manifestações de Deus se realizaria. A vitória definitiva do que parecia invencível. A morte.
Quando Jesus, divino ou não, ressuscita, em uma incrível manifestação divina, tudo muda. Deus é capaz de tudo, e nos mostra que Jesus de fato é Seu filho, e sela toda a história. Jesus é o Nosso Salvador, caminho, verdade e vida. Em sua humanidade nos mostrou ser capaz segui-lo, e nos deixou as maravilhas de sua mensagem, exemplo e serviço. Em sua ressureição a esperança de sermos acolhidos na casa de Deus.
Esta fé é indiscutível. Ela nos alimenta, e nos torna felizes, e isto é o que importa. Cabe a nós aprendermos com este mestre, e nos associando a sua vida, alcançarmos a vida que esperamos.
 VEJAM MAIS EM - umafeconsciente.blogspot.com

Post has shared content
Reflita!
Se eu fosse o principe do mal

Se eu fosse o principe do mal, e, incubido de semear os alicerces do meu reino, planejasse as minhas ações, silenciosa e sorridentemente, certamente me apoiaria nas melhores intenções. Afinal, os homens são cheios de boas intenções. E assim, não tardaria em construir uma sociedade a meu dispor.
Todos buscam melhorias para as suas vidas, e eu apenas iria ajudá-los. Sob algum ponto de vista, todo errado tem um viés de certo. E afinal, quem gosta de estar errado?. Vamos valorizar o que é certo!. O certo é que todos se proponham a buscar a sua própria felicidade, afinal, isso lhes é de direito. Meu papel seria apenas indicar o caminho. 
Para me auxiliar, recorreria a velhos aliados, os quais forjaram o mundo, e hoje são ainda mais exaltados. A singela vaidade, o nobre orgulho, a solidez das convicções, e o medo. Meus atores os fariam contemplar cada um,a si mesmo, em toda sua beleza, desejos e receios, e cegar para os outros.
A vaidade transforma pequenas discussões em conflitos, e o orgulho, os pereniza e inibe o perdão.
Inspiraria a criação de coisas maravilhosas, que todos gostariam de ter, para que eles façam qualquer coisa para obte-las. Aos mais fortes de carater, daria ainda um conjunto de obrigações que os faria trabalhar tanto, que seriam incapazes de cuidar de suas familias, e passarem o tempo adequado com seus filhos, e educá-los. Afinal, para que pressa?. Será muito mais fácil forjar cada nova geração no sentido que desejo. Para isso, trabalharia nas suas raízes.
Usando os exemplos das familias mais fracas e desajustadas, onde eu posso influenciar o desamor, faria com que os pais cometessem os maiores absurdos contra seus filhos, para que assim, por medo, todas as familias fossem tratadas com desconfiança, e a autoridade dos pais questionada. Em seguida, inspiraria pessoas de boa intenção a protegerem demasiadamente o direito das crianças, tornando-os intocáveis, e os lançaria em modelos de educação lindos em teoria, mas que eles não fossem capazes de executar, pois roubei-lhes o tempo
Então, desde pequenos, cheios de vontades e direitos, usaria o ambiente de sua formação, as escolas, para fomentar disputas, discórdias e discriminações. Em casa, inspiraria uma mídia super interessante, que retratasse os pais como retrogrados, cafonas, distantes, e incentivaria a busca pelo novo, o descartável, o lançamento, e motivaria o "Dá um tempo", e o "faço o que eu quero". Aliás, adoraria esta frase!.
Em suma, colocaria os filhos contra seus pais, incentivando-os a assumirem seus direitos e sairem de casa o quanto antes. Assim teria mais espaço para influenciar as almas em construção. Por outro lado, usaria o argumento "em construção" para deixar impune as ações dos que fui capaz de absorver e assim, criaria uma massa de jovens trabalhando a meu favor, aliciados pelos adultos que já manipulo.
Faria que o termo liberdade se tornasse confuso aos homens. Incentivaria todas as minorias a lutarem pelo seu direito de manifestar suas opções, em nome da liberdade, e em nome desta mesma liberdade, obrigaria as maiorias a não poderem manifestar suas opções. Bastaria inspirar as pessoas de boa intenção a alegar que irá ferir a liberdade destas minorias.  Assim, de um lado alguns exerceriam sua liberdade livremente, enquanto o que hoje me incomoda nas maiorias, seria suprimido.
Por exemplo, afirmando que todos tem o direito de ter a sua religiosidade, transformaria a mesma aos poucos em mera superstição, e o direito em manifestá-las em dever de esconde-la por respeito aos outros.
E mais. Transformaria o termo religião em motivo de discórdia, (bem vindo o orgulho das convicções que turvam as melhores intenções), pois, procurando afirmar serem detentores da verdade, inspiraria os de melhor intenção, os mais dedicados, a defenderem seu ponto de vista até a morte, principalmente pontos que os diferenciam, uns dos outros, igrejas de igrejas, esquecendo da essencia que as unem, o maldito amor. Transformaria a busca do bem em mal. Assim, todos evitariam tratar do tema com medo de confusão, e eles esqueceriam que unidos, e valorizando suas essencias e intersecções, poderiam me enfraquecer.
Com as melhores intenções, transformaria os paises em estados laicos, para que confusos com este significado, no médio prazo os transformassem em estados ateus. Proibiria, aos poucos, todas as manifestações publicas de fé particular, (justificando o direito dos que não tem fé), e o ensino religioso nas escolas, em nome das minorias. Afinal, a liberdade não estaria em viver, cada um, sua fé, livremente, sem que o outro se incomodasse com a sua manifestação, mas exatamente o contrário. Em países da perigosa cultura cristã, seria especialmente útil. Não fazer o mal, seria para eles fazer o bem, e a sua omissão, um conforto. Para eles, e para mim.
Daí lançaria mão do medo. Moveria uma sociedade de desconfiança. Incitaria neles o egoísmo, tornando-os cegos as necessidades dos necessitados, e nestes, incitaria a revolta, para que eles se permitissem tomar a força, o que lhes foi negado. Inspiraria os mais fracos de espirito as piores atrocidades. Roubaria-lhes a paz e a tranquilidade. Apoiado nas melhores intenções dos indignados, transformaria a palavra justiça em vingança, e os jogaria nas prisões. Estas, que deveriam corrigir, transformaria em minhas universidades do mal. A sede de vingança ofuscaria qualquer lógica. Assim, construiria meu exercito mais fácilmente, transformando pequenos delinquentes em competentes criminosos.
Finalmente teria a desconfiança generalizada, e cada um se defendendo, destruiria a cultura do comum, do serviço, da misericordia, e os lançaria na solidão do ego. Eles desenvolveriam doenças emocionais, indefesos e perdidos. Neste momento o meu reino viria como uma bola de neve, crescendo mais e mais, e eu, sorridente e silencioso, contemplaria a minha glória.
Um plano....
Este plano lhe é familiar..?
Estaria ele sendo colocado em prática..?
Tudo estaria perfeito, a não ser que alguém descobrisse o plano, e os alertando, encontrasse vozes que os movessem a ação. E eles tornariam a encontrar no amor e nos relacionamentos verdadeiros, na verdadeira familia, na entrega de seus corações ao outro, na educação de valores, na misericórdia e na compaixão, na humildade e solidariedade, a cura de seus inumeros males.
Um dia alguém que nos amava plantou uma semente, regou com Seu sangue, e nos entregou para cuidar. E nós, diante disto?. Calamos, ou nos associamos a voz que renova todas as coisas?
Wait while more posts are being loaded