Shared publicly  - 
 
Essa onda do "politicamente correto" esta começando a ficar chata; que o digam os humoristas. Ok, eles pegam pesado as vezes, mas me digam, nao era assim antes?? Minha memória pra humoristicos é da década de 1980 pra frente e, que me lembre, já naquela época, havia esse humor taxado hoje de ofensivo.
Os Trapalhões: do jeito que as coisas vão hoje, eles não poderiam existir - não do jeito que existiam antes. Cada membro do quarteto era o esteriótipo de algo. Didi, o cearense cabeça chata (ele era tratado assim). Hoje, ia ter uma enorme grita dos nordestinos reclamando que tal tratamento os esteriotipa e é ofensivo. Dedé, o galão com trejeitos de gay não assumido. É possível que os grupos homossexuais reclamassem que o personagem não ajuda na causa deles ou qualquer coisa assim. Mussum, o negro, malandro da Mangueira e alcoólatra, já que não vivia sem "mé". Hoje iam dizer que o personagem, mesmo sendo feito por um negro, é racista e associa afrodescendentes - só pra usar o termo politicamente correto - a pessoas alcoólatras. Não esquecendo que o personagem era chamada, as vezes, de grande pássaro. Mais grita sobre racismo. Zacarias, o mineirinho. Não sei o que dizer sobre ele, mas certamente alguém, ou algum grupo, acharia algo pra reclamar do personagem - já sei, ele usava peruca e talvez os carecas se sentissem desconfortáveis pelo fato dele ocultar a sua calvice. Apesar de tudo isso, eles ficaram mais de vintes anos no ar, foram os vários filmes feitos pro cinema. E nós riamos disso tudo. Não me lembro de ninguém, na época, processar o grupo por alguma piada ou comentário. Já hoje, tenho minhas dúvidas se passariam incólumes.
Chico Anysio: me lembro particularmente de um quadro do programa dele, com o personagem Tim Tones - uma sátira do líder de uma seita norteamericana chamado Jim Jones. Ele, falando sobre respeito e amor aos outros, abraça e beija um menino negro - ops, afrodescendente - para, em seguida, virando-se para o lado oposto ao menino, lavar as mãos em uma tigela lhe trazida por um de seus assistentes. E isso era uma piada. Racista? Sim, mas era uma piada - com uma certa dose de crítica ao comportamento de certas pessoas. Se ele fizesse isso hoje, ia chover protestos e processos por racismo. Não lembro de tal ocorrer na época.
TV Pirata: Estrelada por grandes atores (Ney Latorraca, Marco Nanuni, Claudia Raia, Luis Fernando Guimarães, dentre outros que me escapam o nome no momento), eles escrachavam com tudo e com todos. Havia piadas sexistas, racistas, etc. Perguntem se alguém ou algum grupo social se ressentia. Não. Vai alguém pensar em recriar esse programa hoje. Não passam do piloto sem ter algum processo em cima.
Talvez, e isso é uma tese minha, o fato de nos anos 1980 estamos saindo de uma ditadura e engatinhando numa democracia, após anos de censura, o povo fosse mais liberal com o que hoje é um absurdo, mal gosto, etc. Após anos de repressão, o negócio era meio que "liberar geral". Passado-se os anos, eis a censura voltando. Alguns podem argumentar que os exemplos que citei acima não faziam piadas ou comentários sobre "comer uma grávida e seu feto". Ok, fato, foi um comentário de mal gosto; mas outras coisas que eles faziam são hoje motivo para protesto na internet e processos em tribunais.
Me pergunto o que mudou: nós que ficamos mais chatos e levamos piadas a sério demais, ou realmente o humor se tornou mais pesado e corrosivo aos bons costumes?
1
Add a comment...