Já propus no twitter uma taxa sobre as obras culturais, para “compensar” os consumidores que nunca fazem cópias privadas, mas pagam a respectiva taxa. Desde 1998 pelo menos. Consumidores esses que são em muitos casos autores também, das suas fotos, dos seus textos, dos seus vídeos. Ou profissionais que compram CD e DVD graváveis (e agora discos rígidos) para as suas actividades.

Se os “autores”, aqueles mesmo “à séria” (leia-se os da SPA), se podem sentir lesados e merecedores de “compensação”, pq não também os consumidores?

Eu voluntario-me para formar e gerir esta nova sociedade de gestão de direitos e ficar, naturalmente, com uma (boa) parte das receitas. ;)
Shared publicly