Comentários aleatórios sobre o Amazon Glacier:

— Super simples, storage cru e puro (operações de delete só em vaults já vazios, por exemplo).

— Pode criar vaults em data centers diferentes, muito bom pra performance de rede, São Paulo já aparece na lista mas tá desabilitado.

— O glacier-cli é simplão mas quebra um galho, pra Windows (e Mac em menor medida) tem clientes interessantes.

— Tenho medo de usar rsync com ele pela forma dos nomes internos no storage, melhor ter tarballs não compactados e especificar um nome único no upload.

— A configuração de ID e senha do glacier-cli é tosca, melhor criar um .config pro boto (interface pro AWS), já que ele é quem conecta no Glacier.

— Nessa semana estou transferindo um total de 300 gigas pra lá que não pretendo baixar tão cedo: 100 gigas de storage ≈ 1 dólar por mês?

— Aparentemente se ficar nos 300 gigas de storage posso baixar 15 por mês sem pagar nada no retrieval.

— O modelo é bizarramente interessante, misto de pagar a máfia por proteção com sequestro de dados, mas funciona e todos ficam felizes.

— As notificações SNS que tem até agora são bem simples, quase inúteis IMHO, ia ser legal ter notificação pra qualquer operação de vault e archive e não só retrievals porque são assíncronos.

— Downloads (retrieval) são caros, evite, é pra ser tipo storage físico em contâiner: coisas que não mexerá com frequência.

— O console web é básico, talvez mude bastante com o tempo já que o Glacier acabou de nascer.

— O glacier-cli suporta região, então da pra fazer umas piras do tipo se IP atual for da região X mudar o data center para Y (pensando mais no upload que no download, claro, e ignorando transferências entre data centers).

— Não ter resume no glacier-cli ainda é quase blocker, não dá pra arriscar com archives muito grandes IMHO. Meu maior upload único foi de 10 gigas, mas a rede era ótima e ainda deu pau.

— O melhor é dividir os archives no upload em chunks de 500 megas (Glacier suporta isso nativamente, assim até o retrieval fica mais barato).

— Não brinquei com controle de acesso, mas parece usar o AWS IAM mesmo.

— O preço entre os data centers varia, costa leste americana apavora, é mais perto da gente e bem mais barata, quero ver os preços nacionais!

— Se quiser usar data center nacional depois, calcule quanto vai gastar nos gringos e veja se o data transfer não fica caro demais, talvez seja melhor esperar o data center nacional operar com Glacier de verdade.

— Não estou criptografando nada por enquanto, não tem informações tão secretas assim, é mais mídia pessoal.

— Tô considerando usar o Cloud Gates, é xunxo forte, mas dá pra você acessar o Glacier como se fosse um FTP, podendo até montar ele como sistema de arquivos.

— O glacier-cli não indica status de transferências, é totalmente no escuro, não confio muito já que não tem checksum no Glacier... usei o nload como complemento.

— Não faça transferências de dados com o debug do boto no máximo...

— Se for botar volumes da Time Machine do OSX no Glacier, faça os tarballs no OSX por causa do sistema de arquivos.

— Caso uploads grandes falhem com name or service not known no socket.gaierror (comigo qualquer coisa acima de 4.5 gigas), tente usar http_socket_timeout = 10 no .config do boto maldição, não sei resolver isso ainda. Vamos ver se DNS 8.8.8.8 ajuda.

— Parece uma boa idéia testar o https://github.com/uskudnik/amazon-glacier-cmd-interface (parece ser mais decente é muito, mas muito mais decente).
Shared publiclyView activity