Profile cover photo
Profile photo
Marcos Inhauser
36 followers
36 followers
About
Posts

A HISTÓRIA NÃO É JUSTA
A frase dita por Yuval Harari no seu livro Sapiens causou-me estranheza quando a li por vez primeira. Ao fazer a afirmação, elenca ele uma série de exemplos que corroboram a assertiva.
Este veredicto me veio à mente nestes dias com intensidade e me obrigando à reflexão. As recentes tragédias que se abateram sobre o Brasil e que envolveram os quatro elementos (sem querer ser esotérico): Terra – Brumadinho; Água – enchentes no Rio de Janeiro; Fogo – CT do Flamengo e Ar – Boechat.
Que justiça pode ser vista nos desastres produzidos pela Vale em Mariana e Sobradinho? É justo tanta gente perder a vida e suas casas e a Vale passar incólume pelo desastre de Mariana e ir se safando das consequências de Brumadinho? Alguém, em sã consciência, acredita que a Vale vai pagar tudo o que está prometendo? Ou que vai se responsabilizar e trabalhar para minorar os impactos produzidos pelos desastres ambientais que provocou? É justo que tanta gente tenha morrido, tantas estejam de luto pela perda de parentes e amigos, por causa da incúria de administradores que trabalham com metas de lucros, sem pensar no humano?
É justo morrer dentro de um ônibus, indo para o trabalho, por uma avalanche que desceu do morro? É justo que as pessoas paguem o preço quando a Prefeitura sabia dos problemas e riscos que havia nas encostas dos morros e nada fez?
É justo um clube de futebol falar em incidente quando o que aconteceu no CT foi negligência, desrespeito continuado à legislação, uso de espaço interditado, material inapropriado na construção? É justo que meninos imberbes tenham suas vidas e sonhos ceifados porque um clube que deve montanhas ao INSS, que desobedece a legislação, que não oferece condições nos alojamentos, que não provê uma saída de emergência, que instala um ar-condicionado com gambiarra, que tenha sido notificado 31 vezes, continue sem ser severamente penalizado?
É justo pagar impostos pesados para ter uma Prefeitura, Estado, Bombeiros, Secretaria de Obras e tantos outros órgãos que nada fizeram para evitar tal tragédia? É justo sustentá-los se eles não interditaram o espaço? Para que serviram as multas? Só para aumentar a arrecadação? Fiscalização mais multa, sem punição efetiva na desobediência é negligência pura.
Para que serve a ANAC, com membros regiamente pagos e ainda com a suspeita de que têm suas vantagens oferecidas pelas companhias aéreas em forma de viagens de cortesia, se ela não fiscalizou a empresa dona do helicóptero que não podia fazer taxi aéreo? Quem contratou será punido? Repete-se, em escala menor, o acidente com a Chapecoense. Provavelmente os que contrataram o Boechat para vir a Campinas para a palestra, foram os mesmos que, para economizar, contrataram a SAE como taxi aéreo, provavelmente por ser mais barata. Assim foi com a Lamia e a Chapecoense que até hoje ainda não teve a indenização paga aos familiares. Quem vai pagar o seguro para os seis filhos do Boechat?
É justo o que o Maduro está fazendo na Venezuela? É justo fechar as fronteiras para evitar que a ajuda humanitária não entre?
Só espero que a reforma da previdência não seja um rosário de injustiças, uma vez que o decreto de posse de armas e alguns pontos do pacote Moro para combater a criminalidade tem seus elementos injustos.
Marcos Inhauser

Add a comment...

FAZENDO HISTÓRIA
Com certeza você já ouviu ou pronunciou a frase: “estamos realizando um marco histórico”. Pode também ser uma frase assemelhada a esta. Fico estarrecido com a facilidade com que as pessoas acham que o que fazem se tornará fato histórico.
No final do ano um jovem me pressionava para que eu me posicionasse quanto ao então futuro governo do Bolsonaro e a indicação do Moro para o Ministério da Justiça. Eu dizia que não se podia fazer avaliações a priori e que os fatos relacionados à vida política se inserem no campo da história e que estes devem ser avaliados com algum tempo passado. Não se avalia fatos em cima dos atos, mas só o tempo pode dar uma dimensão mais clara da sua importância.
Sem querer atropelar este meu entendimento (que, diga-se de passagem, não é meu, mas o aprendi com outros), quero chamar a atenção para alguns fatos recentes e que poderão e deverão ser objeto de análises futuras porque tem o condão de serem marcos históricos na política brasileira.
Refiro-me à eleição no Senado da República. O Senado sói ser uma casa mais moderada, sem grandes arroubos, mesmo porque formada por gente mais velha e experimentada na vida e na política. Há quem diga que é um poder moderador. No entanto, o que se viu nas duas sessões para a eleição do presidente foi o teatro do horror, com direito a coisas impensadas para a casa senatorial.
A começar pela disputa sobre quem tinha o direito de presidir a sessão. O que estava em jogo eram as pretensões políticas de um raposa da política e com extensa ficha de denúncias de corrupção. Do outro lado, um do baixo clero, sem brilho próprio no tempo em que no Senado está, que, sabe-se lá por que e como, estava candidato, apoiado pelo Ministro da Casa Civil. Havia nesta postulação interesses vários e temo que nem todos republicanos, tal como também se dava com o outro lado da disputa.
A atuação histriônica e infantil da senadora Kátia Abreu é algo digno de nota e que também merecerá avaliação futura, quando os historiadores se debruçarem para avaliar os fatos. Quais os interesses motivaram a ex-ministra do PT a se atirar sofregamente sobre os papeis da presidência?
Neste caldo de fatos inusitados, merecerá também a atenção o papel do ministro do STF, Toffoli, que, mesmo tendo afirmado em seu discurso de início do ano judiciário que deveria ser respeitada a autonomia dos poderes, sem a ingerência de um sobre o outro, profere sentença monocraticamente anulando a decisão plenária do Senado. Qual a motivação que ele tinha em se negar e influir em decisão de outro poder? A história dirá.
Os historiadores também deverão se debruçar sobre a fraude constatada com a presença de votos fora do envelope padrão e com um voto a mais do esperado e regulamentar. Fraude em votação do Senado? Bem, não é a primeira vez e há que se lembrar do problema do painel eletrônico, quando Jader Barbalho e ACM estiveram envolvidos. Quem fez e porque fez, é assunto para historiadores.
Mais estupefaciente foi a decisão do Renan de, iniciada a votação e perceber que seria derrotado, retirou a candidatura porque não queria ter no seu currículo uma derrota acachapante. É o caso do menino dono da bola que, porque não gostou do gol marcado contra a sua equipe, vai embora e leva a bola.
Acho que não preciso esperar para dar meu veredicto (ainda que temerário): há grande chance de termos nos livrado deste câncer da política fisiológica.
Marcos Inhauser
Add a comment...

Post has attachment
O VALE DA MORTE
O salmo 23 é um dos textos mais conhecidos no mundo e muitos
o sabem de memória. Usando da metáfora do pastor e das ovelhas, traz algumas lições
preciosas que tem sido de alento para muitos, especialmente em momentos de
sofrimento. Algumas coisas, no entant...
Add a comment...

O VALE DA MORTE
O salmo 23 é um dos textos mais conhecidos no mundo e muitos o sabem de memória. Usando da metáfora do pastor e das ovelhas, traz algumas lições preciosas que tem sido de alento para muitos, especialmente em momentos de sofrimento.
Algumas coisas, no entanto, precisam ser destacadas para que este Salmo não diga o que ele não quer dizer e nem pode dizer. A primeira delas é que se trata de uma oração humana e não de uma promessa divina. Ainda que esteja na Bíblia e muitos a tomem como palavra de Deus, os Salmos, na quase totalidade, são orações humanas dirigidas a Deus. No caso específico do Salmo 23, mais que uma promessa de Deus de que “nada faltará”, que haverá “pastos verdejantes”, “águas tranquilas”, consolação no “vale da sombra da morte”, devemos entende-lo como desejo e súplica humanas. Quando estamos no sufoco, no vale da sombra da morte, queremos ser guiados para águas tranquilas e comida farta.
Com certeza, este Salmo está sendo recitado, clamado, e tem provocado muitas lágrimas ao lê-lo, especialmente pelos que estão diretamente relacionados com a tragédia de Brumadinho. Estão todos no “vale da sombra da morte”, assim como estiveram os moradores de Mariana.
Com o perdão do trocadilho, ocorre que a Vale é a sombra da morte e nela não há conforto algum, haja visto que até hoje ninguém responsável pelo desastre de Mariana foi punido, as famílias continuam sem ter onde morar e as desculpas se multiplicam. Agora vem o vale de Brumadinho que se transformou em vale de morte por incúria da Vale.
Neste turbilhão de fatos, notícias, opiniões, pareceres, diagnósticos de especialistas, percebe-se por parte de gente mais proximamente relacionada aos fatos que há uma batalha de palavras. Uns falam de tragédia anunciada, outros de tragédia, outros que foi um acidente e há quem tenha o desplante de dizer que foi um incidente. Vem o outro dizer que a barragem estava inativa há três anos, que há laudo de setembro atestando a estabilidade do sistema, que havia planos de fuga, etc. Nada disto é “vara e cajado” que consolam. A Vale é especialista em pegar os pastos verdes e entregar às suas ovelhas os dejetos da grama que come. Onde a Vale está, as águas não são tranquilas, mas vales de morte. Mariana e Brumadinho vão competir com o vale egípcio onde se enterravam os faraós: aqui vai ter muitos mais corpos sepultados.
Se Deus é onipresente, a Vale tem seu sentido de onipresença, porque está por toda parte, especialmente em Minas Gerais. Ela foi uma benção (dádiva) gestada pelas privatizações do governo FHC, vendida na bacia das almas a preço irrisório. O que era para ser um Vale de Benção se transformou em cemitério.
No marketing da empresa divulgados recentemente se fala da Vale com o abuso do prefixo “re”: reinventar, redescobrir, etc. Faltou falar de “reincidir”. A Vale vem se mostrando especialista em reincidir nas práticas delituosas e criminais de morte no atacado e crime ambiental. Acho que a Vale não se recupera. Tá viciada no lucro a qualquer custo, mesmo que sejam vidas humanas.
Haverá algum consolo para os que foram afetados? Haverá cajado (disciplina) para os responsáveis? Eu de minha parte, baseado nos fatos anteriores, não tenho esperança.
Marcos Inhauser

Add a comment...

Post has attachment
O FALAR A AMIGOS E INIMIGOS
Há duas máximas que as aprendi
na juventude e que me marcaram muito, servindo como parâmetros para minha vida. A primeira me foi ensinada em
sala de aula, ainda na adolescência, pelo professor Luisão, quem, mais que um professor
de matemática, era um amigo ...
Add a comment...

O FALAR A AMIGOS E INIMIGOS
Há duas máximas que as aprendi na juventude e que me marcaram muito, servindo como parâmetros para minha vida.
A primeira me foi ensinada em sala de aula, ainda na adolescência, pelo professor Luisão, quem, mais que um professor de matemática, era um amigo dos alunos. Ele nos aconselhou dizendo que quando a gente está diante de uma pessoa que quer nos incriminar ou julgar e ela faz perguntas, nunca se deve responder completamente à sua pergunta. A sua máxima era: “diante da pergunta do inquisidor, sempre dê a resposta pela metade”. Ele justificava esta sua orientação dizendo que quanto mais se fala, mais estaremos dando munição ao oponente. Constatei isto durante minha vida.
A segunda eu a aprendi em uma situação não muito agradável, mas que me marcou profundamente. A máxima aprendida foi: “Ao amigo não é preciso explicar, ao inimigo, não adianta explicar”. A razão para este procedimento é que o amigo, verdadeiro amigo, não precisa de explicações para continuar seu amigo. Ele entende, ele apoia, ele quer te ver saindo para frente. O inimigo, por outro lado, nem com mil boas e fundamentadas razões vai se convencer. E não se convence porque já tem opinião definida.
Ao ler certas passagens da vida de Jesus, quando foi ele inquirido por seus opositores, assumiu a posição de falar o mínimo possível. Quando lhe perguntaram se era lícito pagar tributos a César, laconicamente respondeu: “dai a César o que é de César e a Deus o que é de Deus”. Quando curou o paralítico trazido pelos quatro amigos, mencionou o perdão dos pecados ao que foi censurado pelos doutores da lei. Outra vez, laconicamente, disse: “o que é mais fácil fazer? Perdoar pecados ou dizer toma teu leito e anda”? Diante de Pilatos, ao ser perguntado se era filho de Deus, ele foi ainda mais comedido; “Tu o dizes”.
Há uma terceira máxima que aprendi na caminhada: quando uma pessoa explica uma coisa e volta a explicar e explica pela terceira vez, as explicações são falaciosas. É uma tentativa de convencer pela insistência na repetição da história. Quando você analisa com cuidado as narrativas repetidas, percebe que cada uma delas acrescenta algo mais, que, não raro, atropela os fatos. A Lava Jato e seus depoimentos são exemplo desta máxima. Algo me diz que as explicações do Flávio Bolsonaro se enquadram neta máxima. Cada explicação dada tem levantado mais dúvidas que esclarecimentos.
Estas considerações me levam a lembrar um cartaz pregado na parede, muito mal escrito e que estava na tipografia em que trabalhei: “Nunca vi um ganhador em uma discussão”. Acho que foi neste contexto que o sábio veterotestamentário disse: “O falar é prata, mas o calar-se é ouro”. Há sabedoria no falar pouco, no silêncio.
Li uma enquete com respostas à pergunta; O que é luxo? Uma das respostas foi: “o silêncio é luxo e este luxo poucas pessoas sabem desfrutar.”
Silenciar-se diante do oponente ou do inimigo não é fraqueza, é estratégia. O opositor não sabe lidar com o luxo e a sabedoria do silêncio.
Marcos Inhauser

Add a comment...

Post has attachment
AMIZADE NÃO É IOGURTE
Uma das coisas mais preciosas do ser humano é ter amigos. Ainda que outras espécies animais tenham seus relacionamentos, façam suas alianças e vivam em bandos ou grupos, falta-lhes a capacidade de ter e ser amigo. Amizade é algo divino, algo que tem a ver c...
Add a comment...

Post has attachment
DEPRESSÃO VIRTUAL
Em   conversas com
amigos e lendo em noticiosos, percebo que há uma generalizada debandada das
redes sociais. Parece que a coisa saturou. Ouvi de mais de um que é muito tempo
gasto para nada. O que estão dizendo é      que
nas redes sociais, se a pessoa que...
Add a comment...

Post has attachment
ESPERANDO RECOMEÇOS
Já escrevi aqui que deve ser chato ser Deus porque nada é
novo ou diferente para Ele, nada pode maravilhá-Lo. Ele sabe de tudo, criou
tudo. Mas há um outro elemento que me inquieta neste final de ano.
Deus, porque é Deus, não pode nem pôde nunca recomeçar a...
Add a comment...

DEPRESSÃO VIRTUAL
Em conversas com amigos e lendo em noticiosos, percebo que há uma generalizada debandada das redes sociais. Parece que a coisa saturou. Ouvi de mais de um que é muito tempo gasto para nada. O que estão dizendo é que nas redes sociais, se a pessoa quer ler e responder ao que chega, gasta muito tempo e nada ou quase nada é acrescentado ao conhecimento.
As redes são o palco de uma miríade de platitudes, lugares comuns, obviedades e senso comum. Não é para menos que seja terreno propício para as Fake News porque as pessoas consomem o que leem e repassam, sem um olhar crítico.
Não sou afeito às redes e já escrevi que, por vezes, me sinto jurássico por não estar em dia com estas novidades tecnológicas. Uso o Facebook para postar a minha coluna, tenho o Whatsapp para me comunicar com uma dúzia de amigos, um ou dois grupos e nada mais que isto. Confesso que já tive mais gente no meu Whatsapp, mas percebi que me enviavam tanto lixo que bloqueei. Tinha quem me mandasse dez ou mais memes por dia!
Era muito tempo lendo lixo, mais tempo ainda limpando o lixo nos arquivos baixados. Não ganhei um centavo com o que recebi da maioria das postagens, mas preservo alguns contatos porque estes, sim, ainda que de forma esporádica, me enviem coisas interessantes e instrutivas.
Pesquisas têm revelado uma forte tendência de declínio no uso do Facebook, Whatsapp, Instagram e outras. Tanto assim que o Whatsapp, por razões de evitar a disseminação de notícias falsas, já limitou o envio de mensagens para não mais que 5 contatos (o que celebro).
O uso político destes apps também tem contribuído, especialmente porque gerou tensão e atritos, inclusive dividindo famílias e rompendo amizades. A presença dos haters e a facilidade com que agridem algo postado e a pessoa que postou, pode ser outro elemento causador desta tendência.
Mas o afastamento das redes vem acompanhado ou é precedido de um sentimento de desmotivação, de tristeza, de falta de esperança. Tenho ouvido de gente que, por ter sido rudemente atacada por causa de uma foto postada, algo escrito ou opinião dada, entram em crise. As redes são espaço fácil para destilar ódio. Vi uma foto postada por uma mãe com sua filha e vários comentaram com as afirmativas comuns: lindas, duas gatas, maravilhosas. Mais à frente o marido postou: mocreias!
Este exemplo é paradigmático dos dois polos: afirmativas positivas pelo uso de expressões que não dizem nada (gatas, lindas, maravilhosas) e que são a grande parte dos comentários e as expressões agressivas, despropositais, amargas, biliáticas. Estas, ainda que, no mais das vezes usem frases useiras e vezeiras, ferem, machucam, ofendem. As primeiras não elogiam ao ponto do ego se sentir massageado (salvo para os narcísicos patológicos) e as segundas, ofendem profundamente e levam as pessoas à depressão virtual, mas tão real quanto a depressão tal como é conhecida.
Se a justiça reconheceu há pouco um caso de estupro virtual, por que não também o de depressão virtual? Se os pedófilos e caluniadores podem ser processados pelo que postam, por que não também os que produzem tristezas e depressão pelas amarguras destiladas nas redes?
Para mim nada substitui o canto físico, o olho no olho, a conversa ao redor da mesa, as gargalhadas, o riso e as lágrimas das recordações. Rede social para mim é o tempo que desfruto do cafezinho com o Samuel, a pizza com o Daniel, a conversa com o Alexandre, as aulas privativas com o Zé Lima, os comentários sobre as leituras de livro que fazemos eu e o Silvarinho. Tantas outras experiências maravilhosas poderia citar, mas o espaço não permite e nem por isto, meu amigo e amiga, não se sinta excluído.
Marcos Inhauser
Add a comment...
Wait while more posts are being loaded