Profile cover photo
Profile photo
Tê Nozaki
4 followers
4 followers
About
Tê Nozaki's posts

Post has shared content
Coisa linda de Meu Amor!
"O relato de minha caminhada naquela beira entre o sonho e realidade, em direção ao novo território: vislumbro o quase fundo do rio, o limite da água que resta; ainda é muito, mas é pouco. Havia luz, muita luz, que impunha suas condições. Errância, vácuo, longitude, deserto, era o meu trajeto. Mesmo distante do último leito, mas certamente dentro, abaixo do seu nível, no interior do rio. O lugar, desconhecido e irrealizado. Interrompido pois crianças brincam. Tudo-aquilo-brinquedo, cemitério de árvores que se afundam em represamento. Alguns diriam encantados: “Mas parece Marte!” - eis o lugar inacessível e pouco visitado, eis o paraíso desconhecido de meus contemporâneos. Árvores cortadas, árvores caídas, árvores que resistem, árvores podres, memórias de árvores. Árvores-pedras, sustentadas pelo tempo; árvores-frutos das brincadeiras de nossa crianças. Parque de diversões de árvores. Descomedimento de árvores. Congresso de árvores. Árvores-santas, árvores mortas, árvores-fantasmas, árvores sem seus frutos proibidos... Árvores gostam de sol, crianças não gostam de árvores? Não, crianças gostam de represas - ao menos os infantes de nossos tempos. Ali uma floresta que, mesmo morta, não se desordena. Não se desagrega. Ali um símbolo, um sinal. Continuo minha caminhada, mais um pouco... Mais um pouco a dentro, em estreitas passagens. Outra sua parte seca: encontro mais brinquedos, por exemplo uma autoestrada que também submergiu e agora expira, artéria velha onde fluiu a história de carros antigos, movidos a petróleo, fruto do carvão convertido das... árvores! Ah, aquele lugar... tudo abandonado e até então inalcançável... até que a seca chegasse, baixando e desvelando as nossas árvores... Num trecho curto de caminhada eu me assombro! Totens; espíritos; pedras; estradas; árvores mortas, árvores inacabadas; represamento de árvores, árvores postiças, restos de pedras que voltam à vida. Plantel de descomedimentos cultivados pelo homem-criança. Fantasmas? Mas será que algum dia morreram? Ou será que nós é que ainda não nos demos conta? Totens, espíritos, pedras, estradas, pegadas, Arvores... vidas!" (Fábio Ramos, Agosto 2014, sobre um passeio nas margens e leitos secos da represa de Paraibuna, SP, para registrar uma das mais intensas secas dos últimos cem anos).
PhotoPhotoPhotoPhotoPhoto
Ensaio sobre/na Represa de Paraibuna - Fábio Ramos
41 Photos - View album

Post has attachment

Post has shared content
PhotoPhotoPhotoPhotoPhoto
Hands & Feet
38 Photos - View album

Post has attachment
Wait while more posts are being loaded