Foto da capa do perfil
Foto do perfil
Ozimo Gama Md Phd
61 seguidores -
Digestive Surgery
Digestive Surgery

61 seguidores
Sobre
Postagens

A postagem tem anexo
EXCELLENCE IN SURGERY

Most professionals, indeed, most human beings, aspire to achieve excellence. Motivated by the desire to best serve others and stimulated by internal or external competitive forces, most of us seek to perfect what we do and enjoy the reward of being recognized as the “best” in our field.

Consequently, rating someone in a particular field is part of our culture. For example, rating athletes and their physical abilities is common and relatively straightforward. When athletes compete with each other, a winner emerges. When someone breaks a record or when someone coaches a team that consistently wins, these individuals are deemed the best in their field. The bar is set to a certain level, and whoever exceeds this point and maintains that level of performance is considered to be the best.

Most young men and women who choose surgery aspire to be the best in their field. Yet, unlike other areas of performance, rating surgeons is a more complex task. The nature of the disease, the variety of pathologies that a surgeon treats, the way human beings respond to treatment, the way personal relationships are established, as well as the technical expertise with which operations are performed—all determine the final outcome. And positive outcomes are in themselves difficult to qualify and to quantify: Is it the absence of symptoms? The cure of a disease? The restoration of function? The prolongation of life? Simply isolating results in surgery in an objective way is impossible because the dependent factors vary considerably.

The question of how good a specific surgeon is has always been of interest to those patients who seek their care, to those chairs of surgery who hire surgeons, to the administrators of hospitals where surgeons practice, and to society at large. However, precious little literature addresses the meaning of the word “best” in surgery, and even less is written on the means of getting there.

These guidelines are offered by surgeons who have had the chance to reflect throughout their careers on the traits that define “the best surgeon" (TBS) and how the character of masters is exhibited. These observations convey the stories and experiences of a life lived in surgery and may serve as a guide to those who seek to develop professionally.

1. TBS HAVE MENTORS
Mentors guide us through a career path. They provide sage advice, personal counseling, and support our growth. Mentors go beyond teaching; they impart wisdom.

2. TBS KNOW TECHNICAL SKILLS ARE NOT ENOUGHT
Surgeons often equate excellence with the mastery of surgical technique, which can lead to the erroneous conclusion that the best surgeon is the most skillful one. In fact, many surgeons admire and respect colleagues who show technical ability and have the skills necessary to perform the most difficult steps of an operation. Moreover, it is not uncommon to hear derogatory comments regarding colleagues who are slower, and who have less developed technical abilities. It is important to assign technical skill its true place, for though it is a sine qua non asset of the best surgeon, technical prowess should be accompanied by other attributes, such as knowledge, poise, and common sense. These virtues separate a good technician from the best surgeon. Good surgical residencies emphasize the development of technical abilities, as well as decision-making skills in surgery, from the indication of the operation to the moments when the surgeon must decide whether to continue with a plan or change it.

3. TBS focus on the patient
The ultimate goal of an operation is to benefit the patient, not the surgeon. Although a skillful surgeon possesses a rare ability that, if used well, can yield enormous benefit to the patient, being the best surgeon also involves walking away from the narcissistic concept implied in, “I have done what others could not,” and focusing on whether what we have done benefits the patient. During our careers as physicians, we study and train ourselves to benefit the sick, to cure when we can, and to mitigate what we cannot cure. The best surgeons are those who constantly challenge themselves to do only what will benefit the patient and not simply what “can be done.”

4. TBS “first, do no harm”
We should bear in mind something Henri Bismuth, MD, FACS(Hon), an expert in the hepatobiliary field, said when talking about reckless surgeons, “I have never seen a surgeon dying in the operating room as a result of his reckless performance. But I have seen patients die, or feel pain, or undergo complications because of these reckless surgeons.” Dr. Bismuth’s observation should prevail when making decisions. The best surgeons are not the ones who fight cancer regardless of the consequences brought about by this fight and who justify their decisions as necessary to eradicate a disease, even at the expense of their patients’ lives and of serious sequelae or complications. These physicians know that a thorough informed consent does not equal the right to carry out procedures that can lead to serious complications for their patients.

5. TBS operate slowly, but think quickly
The speed with which a procedure is performed has been erroneously used as a proxy for excellence. We have witnessed, on occasion, a trainee trying to impress the attending physician with quick and even ostentatiously elegant maneuvers. Unfortunately, we have also seen senior surgeons display this behavior. The best surgeons never seem to be in a hurry. Deliberate, precise movements, without any wasted motions and following the right planes, usually result in a faster conclusion of the procedure. Time should not be the driver; perfection should be. An excellent surgeon’s ego should not be bruised when there is a need to stop, move back, and rethink when the patient’s best interests are at stake.

6. TBS make operating look effortless
The best surgeons never seem anxious to end the procedure because their sole objective is to attain a good outcome that benefits the patient. The best surgeons do not seem rushed. For outside observers, what the best surgeons do looks easy. Operations are carried out with simple maneuvers, unpretentiously, even when a case is complex and difficult to resolve. And when such observers have the chance to treat similar cases, they may comment, “It seemed so easy when they did it.”

7. TBS are patient
Every so often, we see skillful surgeons act like greedy consumers who gobble down their food without savoring it. The rush to finish a procedure has its drawbacks for the patient because the successful completion of a procedure is subject to a low level of analysis and the consideration of different options. Furthermore, the push to finish an operation quickly detracts from the joy of surgery. An operation becomes just a task that must be finished, usually to start the following case. For the best surgeons, the operating time ends faster than they realize.

8. TBS motivate their teams
Today, more than ever, surgical procedures require teamwork. With this in mind, the best surgeons concentrate on building and motivating the best teams. Teamwork requires great communication skills, establishing a shared mental model, explaining everything that will be done, when and how, and maintaining the spirit of the team throughout the operation. The best surgeons lead the surgical procedure and support all the members of the surgical team. In this collaborative setting, team members feel protected amid the stress and empowered to speak up and contribute. Respect and mutual support for every member of the team brings out the best in every member. The best leaders ask for feedback and provide it to the other members of the team. Providing feedback to the individual members of the team can be a difficult task. The best surgeons care about their teams, and they meet individually with the members of the team to debrief. During those periods, feedback is given, emphasizing all the good things that have happened as a consequence of the actions of the team member who is being addressed. Criticism should always follow, not precede, the good comments, and it should be constructed in the form of an opportunity for improvement rather than addressed as a flaw in character.

9. TBS enjoy their work
Some surgeons do not derive joy or pleasure from operating or from interacting with their patients. There may be many reasons for this disinterest. Passion for a profession is like falling in love. You either feel it or you don’t, and it does not necessarily reflect negatively on the physician. But for the best surgeons, surgery is not a job that must be done to survive. It is a choice. The best surgeons feel lucky to be able to conjoin work with pleasure and passion.

10. TBS know their limits
Experiencing fear before a complex procedure is a normal and helpful feeling. Fear keeps you focused and alert. Only the reckless feel no fear. Managing fear when facing risks is key to excellent performance in surgery. To benefit the patient, surgeons must first purposely “injure” the body. The burden of this responsibility generates a fear that must be overcome with each procedure. Thus, the best surgeons realize that fear is part of a surgeon’s life. The best surgeons consistently audit their results. They should be fully aware of both their abilities and limitations and should not be afraid to ask for or receive help from others. Through introspection, the best surgeons are motivated to seek continuous self-improvement. The best surgeons are the ones who achieve the best immediate and long-term results. Only the deep and objective analysis of such results will give them the information necessary to reach excellence. The relentless pursuit of perfection in everything we do is the hallmark of a surgeon.

11. TBS learn from mistakes and share their knowledge
Good surgeons feel the pain of others as if it were their own. The ability to feel empathy constitutes the reason why the best surgeons should be attentive to the patient’s indications for surgery and recognize the technique or the operation that will result in the best outcomes. Complications worry the best surgeons but do not become an obsession. They try to sort them out, learn from them, and avoid future ones. The best surgeons do not feel weakened asking for help; rather, they feel strengthened knowing that the patient will experience the best possible outcome. The best surgeons generously share their knowledge. At the same time, the best surgeons are aware that their knowledge is limited and are willing to study and learn from others. They are constantly learning and investigating, and transmit their knowledge to future generations. The best surgeons are devoid of pedantic egotism and senseless narcissism. People who have nothing to learn from others have nothing to teach.

12. TBS relate to their patients
The best surgeons establish trusting relationships with their patients and their patients’ families. This responsibility cannot be delegated. The best surgeons are always there to explain the course of care as much as it is needed. This act means seeing beyond the disease. When treating a patient, the best surgeons are not focused on or limited to just solving a problem, but to helping human beings. Patients are people—people with needs that extend beyond the mere treatment of a physical illness. Surgeons can see and perceive the pain and suffering of patients and their families. They see their despair and hopelessness. The best surgeons feel the pain of their patients and the concern of their relatives as if it were their own. Physicians who choose to be surgeons must have the sensibility to see and feel this pain and seek to bring comfort and relief.

13. TBS are grateful and humble
The best surgeons do not know that they are the “best” and do not strive to be considered the best. Rather, they know they can always improve and are receptive to knowledge that will benefit their future patients. The best surgeons are grateful to their mentors and constantly honor their memory by passing on their example to future generations. Once surgeons have lived a life in surgery and reach a certain age, it can be difficult to humbly accept retirement. The best surgeons know when to leave the operating room for good. It is always better to do so one year too early than one day too late. It is better to be asked “why?” rather than “when?”

14. TBS have work/life balance
The pain surgeons feel for their patients is inescapable, and it comes with a price that some surgeons unload on their own families. But the best surgeons understand that they have a mission—a mission to heal and comfort those in need. They find relief in the fact that they know that they are doing the best they can and giving their utmost effort. Their passion keeps them moving forward.

Conclusion
The best surgeons not only exhibit extraordinary technical skills, but much more. They value their mentors, who provide exceptional knowledge of medicine, diseases, and human relationships. They are humble and endowed with the ability to create and nurture a team with empathy and sharing in human suffering, with dedication, and ultimately with love, for patients, for family, for friends, and for humanity at large.

Link: original paper (https://goo.gl/A8fBdR)

Foto

A postagem tem anexo

A postagem tem anexo
A EVOLUÇÃO DA ARTE CIRÚRGICA
A cirurgia, no passar dos milênios, continua mantendo a mesma característica básica – a arte trabalhada no próprio homem – onde a luta contra a dor e a morte é o pilar sustentador do início, do meio e do fim. Ela se confunde com a história do homem e tem acompanhado de perto os movimentos de transformação social.
Da primeira amputação cirúrgica realiza, em torno de 45.000 anos, no Monte Zagros, no Iraque, até o transplante cardíaco, a cirurgia guardou íntima relação com a busca da perfeição do corpo no
arquétipo divino antropomórfico.
É possível comparar a cirurgia com a pintura ou qualquer outra expressão da arte humana. Quando o cirurgião consegue retirar o câncer ou o drenar o abscesso, desenvolve um conjunto
de gestos que é indissolúvel da arte e da habilidade manual.
A sensação da obra terminada em uma cirurgia não é diferente da sentida pelo pintor ao terminar seu quadro ou a do compositor ao ouvir a sua criação. Hoje não se pode admitir a cirurgia fora da Medicina. Porém, nem sempre foi assim. Somente no
século XV a cirurgia começou a ser incorporada à prática médica.
A base teórica cirúrgica nasceu, no II milênio a. C. Os papiros de Ebers e Smith, do século XV a.C., além de conterem algumas descrições notáveis de várias cirurgias que são realizadas até hoje,
constituem os primeiros registros da cirurgia como especialidade médica.
Entretanto, foram os gregos que reconheceram a importância da cirurgia para a Medicina. Os livros escritos, na escola de Cós, na Grécia antiga, em torno do IV século a. C., atribuídos a vários autores,
inclusive à Hipócrates, contêm volumosa referência à prática cirúrgica desenvolvida pelos médicos especialistas.
Com o avanço conquistador dos romanos e a organização militar desse povo, começaram a aparecer os grandes hospitais militares, construídos nas principais cidades do Império, para receber os
soldados feridos em combate. Nessa fase, a cirurgia alcançou grande desenvolvimento, principalmente no tratamento das feridas traumáticas de guerra. É dessa época que os estudos de
Herófilo (340 – ? d. C.) e de Eresistrato (330 – ? d.C.) identificaram a tireóide, a próstata, o estômago, o duodeno, o sistema nervoso além de diferenciar o tendão do nervo.
Com gradativa ascensão do cristianismo, no Império Romano, a partir de Constantino, a Medicina começou a absorver na sua prática o sentido de caridade e perdeu grande parte das conquistas em
torno da técnica.
A Medicina passou a ser compreendido como sacerdócio, em comparação com a ação médica milagrosa desenvolvida por Jesus Cristo, que operava milagres na cura dos cegos, paralíticos e
leprosos.
O Ocidente cristianizado construiu os hospitais para abrigar os indigentes – nosocomia. A partir daí inicia-se um período muito difícil para a cirurgia. Em conseqüência das restrições eclesiásticas
impostas pelo poder da Igreja, o corpo humano não pode mais ser estudado e a guarda sigilosa, nas abadias, dos livros de anatomia escritos pelos gregos e romanos, contribuíram decisivamente para
que a cirurgia se tornasse uma atividade impossível de ser exercida.
Foi nessa condição que a cirurgia atravessou dez séculos, sendo exercida, neste período, pelos cirurgiões-barbeiros.
Eles amputavam, lancetavam, tiravam dentes, drenavam os abcessos, cortavam cabelo e barba. Esta situação foi consolidada, no Concílio de Tours (1163), que proclamou: Ecclesia Abohorret a Sanguine.
A primeira resistência coletiva a essa situação começou a aparecer na Faculdade de Medicina de Montpellier, na França, em 1220. Um grupo de cirurgiões-barbeiros, influenciados pelos novos ares
acadêmicos e liderados por Jean Pitard (1238- 1315) fundou a primeira Confraria de Cirurgiões, sob a proteção de São Cosme e São Damião e se separaram dos barbeiros.
A cirurgia foi incorporada, definitivamente, como especialidade médica a partir de 1436, quando os cirurgiões foram aceitos como alunos graduados da Faculdade de Medicina de Paris. Começou,
timidamente, com supervisão da igreja, o movimento cultural de retorno ao homem como o centro da forma viva.
O Renascimento que chegava e com ele a nova busca do conhecimento do corpo. Essa época, iluminada pela nova onda de liberalismo cultural, abrigou o magistral anatomista André
Vesálio (1514 – 1564) e o seu livro De humani corporris fabrica, que serviu de base à anatomia cirúrgica nos séculos seguintes.
Os artistas, maduros na produção da sua arte, se uniram aos cirurgiões. Leonardo da Vinci, desenha as suas maravilhosas pranchas de anatomia com tamanha perfeição e detalhes que são
insubstituíveis até hoje. Os novos conhecimentos da anatomia e da filosofia se superam. A dissecação do cadáver foi regularizada pelos governos renascentistas. Com a utilização da anestesia geral, a partir de 1846, e da antissepsia, em 1867, finalmente, o cirurgião pôde debruçar-se por mais tempo nos objetos da sua arte – o homem e a mulher – e reunir esforços para empurrar os limites da dor e da vida.

By BOTELHO, JB.
Foto

A postagem tem anexo
QUAIS AS VIRTUDES ESSENCIAIS DO MÉDICO CIRURGIÃO ?

É difícil falar da arte cirúrgica, mais difícil ainda ensinar a ser artista. Pode-se estudar a musicalidade verbal, a métrica poética e os tipos de rima, mas o virtuosismo na interpretação ou a inspiração poética requerem algo mais do que a simples teoria. O mesmo acontece, analogamente, na Clínica Cirúrgica, embora, felizmente, o rendimento nesta nossa arte dependa mais do esforço do que da inspiração.

"Esta força depende, em último termo, de uma só coisa: do entusiasmo do médico, do seu desejo fervente de aliviar os seus semelhantes; em resumo, do rigor e da emoção com que sente o seu dever. Nisso consiste, se as coisas são convenientemente analisadas, a vocação médica: numa emoção primordial do dever, abrindo mão dos possíveis direitos. Isso é muito mais importante do que o problema da aptidão, na qual as pessoas superficiais localizam a vocação. A aptidão se adquire - salvo raras exceções - mesmo carecendo-se dela, no calor da emoção ética. Todos os homens servimos para quase tudo, se o quisermos com vontade decidida. A vocação é uma questão de fé, não de técnica".

Parece, pois, mais conveniente do que delinear o perfil do Cirurgião ideal, apontar, a modo de anotações, em pinceladas de quadro impressionista, as virtudes que o médico deverá procurar adquirir. E nessa procura esforçada - que requer autocrítica, empenho e retificação de rumos ao longo de toda a vida -, o profissional poderá esculpir a imagem do médico bem formado, ou seja, a do artista científico.

A FORMAÇÃO CULTURAL e UNIVERSAL surge como uma necessidade. É natural que, sendo a matéria-prima da profissão médica o próprio ser humano, tudo aquilo que contribua a entendê-lo melhor converte-se em instrumento de trabalho. Daí que o médico não deva limitar-se a saber só medicina; deve procurar um conhecimento amplo, universal, tonalidade universitária na própria vida. Deve tomar cuidado com uma "polarização patológica" nos assuntos médicos que monopolizam a vida, fazendo-lhe perder a perspectiva da totalidade. Sem dúvida, deve o médico manter-se atualizado, mas é preciso pesar com vagar, sem deixar-se governar por obsessões desmedidas para engordar o curriculum a qualquer custo. Isso é comum na época de formação universitária; e, sendo saudável, deveria estar acompanhado por um empenho equivalente no crescimento da formação humanística, cultural, produzindo um correto equilíbrio. Não queremos dizer que o médico tenha de saber de tudo, o que é impossível; mas, sim, que tenha sempre vivo o interesse cultural e que não considere esses elementos como algo alheio à sua profissão. O humanismo para o médico não é enfeite, mas ferramenta de trabalho. Essa visão universal não diz respeito apenas à cultura, mas à própria visão de quem é o paciente. A especialização do médico, por questões de necessidade e eficácia, faz com que, às vezes, quem mergulha em investigações altamente específicas perca o foco do senso comum e deixe de observar o que é óbvio no paciente. 
Seguindo as considerações sempre sábias de Gregorio Marañón, com frequência deparamos com essa recomendação da formação humanística e universal. "O médico que somente sabe medicina nem sequer medicina sabe. [...] Existe uma fronteira tênue entre os doutores que, por saberem somente medicina, ignoram esta ciência, e aqueles que, pretendendo saber tantas outras coisas, ignoram a medicina elementar e eficaz, a que serve para aliviar fadigas e dores. Por isso, o paciente se acolhe ao clínico humilde que se contenta em conhecer o minimum de prudentes preceitos suficientes para exercer a medicina comum. Porque devemos reconhecer que esta ciência se reduz, usualmente, a problemas fáceis de resolver ou a problemas absolutamente insolúveis, mesmo para o homem mais sábio. O que é fundamental, perante o fácil e o difícil, é a atenção: isto é, que o médico ponha, em qualquer situação, os seus cinco sentidos naquilo que faz, e não pense em outras coisas".
Falamos em aquisição de cultura e não de erudição inútil, de esbanjamento vaidoso de conhecimentos, o que também atrapalha. "O enciclopedismo pedante é obstáculo para o verdadeiro saber. O humanismo, ambicioso e ao mesmo tempo humilde, serve para amadurecer, para firmar e fazer prudente e eficaz o instrumento da profissão. Deve-se fugir daquele que exibe os seus títulos acadêmicos como garantia de suficiência e se dedica a cultivar suas aptidões expositivas para surpreender os ingênuos com o seu enciclopedismo fastuoso. E deve-se confiar naquele que dedica à investigação o tempo necessário e, depois, dedica o seu descanso a outras inquietudes que mantêm viva a tensão do espírito e aprimoram a eficácia do instrumento profissional. O melhor especialista será, afinal, aquele que tiver uma cabeça mais universal".

O CONHECIMENTO TÉCNICO do progresso científico deve ser assimilado convenientemente, sem que nunca se perca de vista que o objeto do atuar médico é o paciente como um todo, como pessoa. Não podemos confiar ao progresso - frio, técnico, impessoal - a tarefa de cuidar do paciente. A figura do médico é necessária para "traduzir" em moldes humanistas a ciência impessoal, que deve ser aplicada, com prudência, a cada caso particular. "O médico, cuja humanidade deve estar sempre alerta dentro do espírito científico, tem de contar, primeiramente, com a dor individual; e mesmo que cheio de entusiasmo pela ciência, deve estar disposto a adotar a paradoxal postura de defender o indivíduo, cuja saúde lhe é confiada, contra o próprio progresso científico". Palavras que fazem pensar e desmascaram atitudes erradas, porém frequentes: as daqueles que sacrificam ao progresso o bem-estar do paciente. É necessário servir o progresso e contribuir para a melhora da ciência, sem esquecer de dar a cada paciente o que de melhor temos e, obviamente, carinho e atenção. Um enfermo nunca é um degrau insensível para subir no conhecimento científico; pode ser, quando tratado com humanidade e respeito, um excelente colaborador.
 
PRUDÊNCIA - BOM SENSO. O médico deve julgar, em cada caso, e fazer pelo paciente o que de melhor é possível. Não se iluda ou justifique sua falta de atuação porque não há possibilidades de fazer o que seria ideal. O médico deve fazer o que pode, com dedicação e sentido profissional, de modo científico e humanístico, em permanente simbiose. Os médicos parecem, cada vez mais, carecer dessa sensatez, que é realismo e bom senso, modéstia e boa vontade para cuidar do paciente. Cuidar do paciente e não apenas "brincar com a técnica", contexto em que o paciente passa ao segundo plano.O papel do médico é, na verdade, saber orientar a vida do enfermo, desordenada pela doença, aliviá-lo, utilizando a ciência possível, e suprindo com a melhor dedicação a ineficácia dessa mesma técnica quando não há mais recursos ou estes não estão disponíveis. Fazer o que é possível sem lamentar-se de não poder fazer o ideal, ou, pior ainda, abandonar o paciente. "Sempre disse àqueles que trabalham ao meu lado que nunca devem esquecer que os médicos devem procurar adquirir com toda a exatidão possível os conhecimentos disponíveis, mas sem perder de vista o seu valor provisório. O vazio que surge entre a imperfeição da verdade que possuímos e a verdade que almejamos conseguir deve ser preenchido com entusiasmo, boa fé e, acima de tudo, com doses abundantes de modéstia".

A SOLIDARIEDADE é virtude imprescindível que o médico deve aprender a desenvolver. Uma sensibilidade profissional, que é confluência de ciência e humanismo. A solidariedade com o ser humano que sofre - o paciente - é conquista importantíssima, verdadeira competência profissional, que nos situa diante do doente na perspectiva correta. Com maior motivo nos tempos atuais de culto à técnica, esta vertente solidária - que é cordialidade, concórdia, "coração com coração" no dizer de Ortega y Gasset - assume transcendência especial. Tudo isto é conhecido, mas, infelizmente, pouco praticado.O verdadeiro médico sente sua ação junto ao paciente como um sacerdócio, como um serviço divino [...]. O bom médico está formado cientificamente, mas possui também um coração grande, que sofre com os enfermos, mesmo com aqueles que nem conhece ainda [...]. A atitude do médico é próxima da atividade maternal: inquirir com atenção o paciente, escutá-lo com paciência e ajudá-lo". Esta postura solidária se encarrega de lembrar ao médico os limites da sua profissão e os objetivos da mesma: às vezes curar, melhorar com frequência e confortar sempre.
Permitamo-nos um parêntese que o tema da solidariedade traz à tona; mesmo fora de hora, é algo que não queremos deixar escapar. Curiosamente, é fácil perceber que aqueles que menos importância dão, na prática - porque não vivem desse modo - à solidariedade, são os mesmos que levantam bandeiras impessoais, "advogados de causas alheias" quando se trata de decidir sobre o valor da vida humana, ou se vale a pena continuar vivendo com baixa qualidade. Apoio ao aborto ou à eutanásia dados por quem, no dia-a-dia, não demonstra um mínimo de cordialidade com o paciente, é um contrassenso. São os teóricos da felicidade dos outros ou, talvez, do próprio comodismo fantasiado com máscaras altruístas. "Forçoso é reconhecer - aponta Viktor Frankl - que o médico não foi chamado a julgar do valor ou não valor de uma vida humana. A sociedade humana apenas o destinou a prestar ajuda, onde puder, e a aliviar as dores onde tiver que fazê-lo, a curar os homens, na medida em que isso estiver ao seu alcance, e a cuidar deles, quando tal já não lhe for possível".
Somente neste clima solidário podemos tomar consciência da importância, também profissional, do médico diante do sofrimento, particularmente em circunstâncias em que a técnica nada mais tem a fazer. Novamente V. Frankl, o psiquiatra que advoga pelo sentido da vida como terapia de base em qualquer tratamento, resume bem a questão: "O labor médico não consiste apenas em prevenir e tratar, mas também na assistência aos enfermos incuráveis. Quando o médico já não pode ajudar, deve aprender e ensinar algo essencial: render a honra devida ao paciente que se encontra à beira da ruína da existência. Uma pessoa nessa situação, internada durante muito tempo num hospital, embora não seja útil à sociedade, conserva sempre a dignidade humana".

A solidariedade corre paralela à DEDICAÇÃO, que é trabalho esforçado. A abnegação do médico é também credencial para conquistar a confiança do paciente. O doente sabe avaliar a dedicação do médico, mesmo sem nada saber das suas técnicas. E isso, porque o paciente, "leigo" em questões médicas, é perito em tudo o que se refere ao trato humano: o próprio sofrimento que a doença lhe traz é escola que ensina a valorizar, com minúcia, o detalhe humano, a afabilidade, o carinho. Diríamos que o paciente desenvolve uma especial sensibilidade, pelo fato de estar doente, para estas questões e, naturalmente, julga-as no médico que lhe atende. As palavras de Marañón nos introduzem num tema, apaixonante pela sua atualidade: "Alguns médicos, eleitos pela Providência, encontrarão novos caminhos da ciência. Mas a maioria tem um dever mais modesto, mas não menos importante: fazer da medicina uma profissão e uma ciência cheia de simplicidade, de seriedade, de profunda humanidade; uma ciência e uma profissão isentas da presunção que quer fazer da nossa verdade uma verdade definitiva; uma medicina sem superstições científicas; uma medicina, enfim, clara, cordial e modesta; e, se quisermos, antidogmática".

Um ESPÍRITO ABERTO A MUDANÇAS, humildade profissional, é virtude que devemos perseguir na formação do médico. Não somos donos da verdade. Por isso, é normal discutir os casos com os colegas, trocar opiniões e pedir ajuda, quando o benefício do paciente o requer. Pôr a vaidade profissional acima da atenção ao paciente é um dos piores vícios - infelizmente muito frequente - e uma deformação do bom agir médico. É preciso estar disposto a retificar a opinião; uma atitude que não supõe nenhum demérito, mas sim a procura humilde, com consciência de missão, do bem-estar do paciente. Também isso é humanismo: personalizar o progresso técnico, ilustrado com as opiniões de quem tem mais experiência, levadas até o paciente com trajes humanos, compreensíveis.
"O perigo dos dogmas na ciência não é que sejam melhores ou piores, mas simplesmente que queiram ser dogmas. Um dogma encaixado no espírito do naturalista tira-lhe a possibilidade de adaptar-se às mudanças variadas e permanentes da realidade. A observação e a criação se tornam impossíveis. O dogmatismo do médico supera todos os conhecidos na gravidade do seu pecado essencial: pretender dar categoria de infalível àquilo que não é". Neste contexto, é fácil perceber como as brigas e rixas profissionais, na ânsia de querer levar avante uma opinião - mais por vaidade do que por rigor científico - prejudicam o paciente, deslocando o objetivo primordial da profissão médica. Seria, pois, um bom exercício para o médico um par de perguntas sistemáticas, a modo de exame de consciência, que obtém uma fotografia da sua atuação: Neste momento, estou mesmo defendendo os interesses do paciente? O que pretendo com esta minha atitude?

Conservar a HIERARQUIA E PROPORÇÕES DE SUA MISSÃO. O médico é sempre a favor do paciente, "deve jogar no mesmo time dele". E isso está por cima da sua própria realização profissional, e mesmo da salvaguarda do seu prestígio, que o bom médico chega a por em risco para defender o paciente. Não pode o médico ter medo do que os outros médicos vão opinar, e preocupar-se tanto com a própria segurança - com a "plateia médica e leiga" - que acaba lesando o paciente. O desejo de ser brilhante e seguro, de "querer acertar a qualquer custo", leva muitos médicos a não se conduzirem do modo que seria mais saudável para o paciente. O medo sempre paralisa e gera atitudes inconvenientes que, mesmo com o apoio científico, carecem de senso comum e de humanismo. Daí a importância da modéstia, num combate sistemático à vaidade. "O pecaminoso é a verdade que muitos médicos dizem por vaidade profissional, pelo gosto de acertar, à custa da dor do seu enfermo. Eu cumpri muitas vezes com a minha obrigação, ocultando a verdade, mesmo sabendo que pouco depois apareceria como erro o meu juízo, em detrimento disso que chamam "reputação". Não tem a têmpera de médico aquele que não sabe, desde o início da sua atuação profissional, que talvez uma das suas missões principais é a de saber sacrificar a reputação perante a dor do próximo, todas as vezes que for preciso". Mas nem tudo é defesa da reputação. As teimosias profissionais são, como já dizíamos anteriormente, simples fruto da vaidade que encontra no âmbito médico terreno fértil para desenvolver-se quando falta suficiente humildade - que é realismo - para anulá-la. A vaidade é sempre um entrave para o trabalho bem-feito. "O médico dogmático vive escravo da sua reputação, ignorando que esta serve, não para que a sua família se envaideça, mas para arriscá-la sempre que for preciso, para manter alto o moral dos pacientes. O moral alto é quase sempre o melhor remédio e, às vezes, o único que podemos receitar".

Estes aspectos da virtude do médico devem ser necessariamente complementados com algumas considerações relativas ao período de formação acadêmica. Cabe ao professor detectar entre os alunos aqueles que têm, dentro de si, verdadeiro potencial para serem médicos; não apenas cientistas ou técnicos que, falando com propriedade, pertencem a outra profissão. Com este diagnóstico precoce poderá orientar convenientemente o aluno para a melhor saída profissional. Colocar um paciente nas mãos de um médico incapaz - não ignorante, mas desconhecedor de todo este universo humanista - é prestar um péssimo serviço, primeiramente ao enfermo, e depois à própria medicina. ComentaMarañón a este respeito: "Sempre tive facilidade em reconhecer, entre a multidão dos estudantes, aqueles distraídos que não são poucos em cada turma; percebe-se neles a impaciência inequívoca com a qual passam diante do cadáver ou junto da cama do enfermo. Falta-lhes aquele deleite crescente, moroso até, que dá o contato com a natureza e que se encontra na verdadeira vocação. É inútil para eles o bom mestre, o abundante material, o curriculum apurado, já que apenas aspiram a passar como cometas pela etapa acadêmica para tomar posse de um título que trocarão logo depois - isso é o que eles imaginam - pelo triunfo social que, naturalmente, nunca chegará".
Também dos honorários fala Marañón nas considerações sobre a arte médica. "O médico deve viver da sua profissão e, conforme o critério liberal, a remuneração justa será maior ou menor de acordo com a sua capacidade de trabalho e sua arte para curar; mas sempre dentro de limites adequados. O essencial é que o médico não faça nunca nada, jamais, pensando no dinheiro que sua ação pode representar". Mesmo escritas há mais de 50 anos, e com a atualização que estas palavras requerem, o núcleo é permanente e serve de ponto de apoio para avaliar este tema. O médico deve procurar viver da medicina, com bom senso, liberalidade e consciência profissional. Dar ao paciente o melhor de si não pode fazer esquecer ao médico que é esse o seu meio de vida, não outro. A medicina, que nunca deverá ser negócio, tem de ser recurso para que os que a ela dedicam seu trabalho vivam honestamente. Dentro destes parâmetros gerais, a prudência do médico deve estabelecer suas normas de conduta para receber os honorários profissionais. 
Podemos encerrar este passeio pelas virtudes do médico com o tema importantíssimo da ética com os colegas. É um sinal de imaturidade, às vezes frequente naqueles que se iniciam na profissão, a tendência a criticar a atuação de outro colega. Isto deve ser superado; não por fazer da medicina e da classe médica uma corporação fechada, variante de maçonaria médica, mas por uma questão de justiça com o paciente, com o colega, com a própria medicina. Diante do paciente, a crítica do médico ao colega faz com que perca a credibilidade "nos médicos", já que a pessoa insatisfeita facilmente transfere para todo o universo da classe os erros de um elemento da mesma.

É uma injustiça com o colega porque, via de regra, desconhecemos as circunstâncias e os motivos de uma determinada conduta, podendo ser que, com risco do próprio prestígio - como vimos anteriormente -, o colega tenha procurado fazer o melhor possível naquele momento.
Finalmente, é uma injustiça com a medicina porque o ascendente "mágico" que o médico tem sobre o paciente não o deve à sua pessoa, mas à condição de médico. Do prestígio "mítico" da medicina usufruímos todos os médicos e seria uma ingratidão deteriorá-lo. Além do mais, esse aspecto mágico da medicina é um elemento terapêutico eficaz, como veremos posteriormente. Criticar um colega levianamente é inutilizar um instrumento de trabalho polivalente para todos os médicos.

"A medicina vive da sua realidade, da sua eficácia, cada dia maior, mas vive também e atua beneficamente sobre os homens através do seu prestígio, um pouco mítico, mas necessário. Cuidar desse prestígio é obrigação primordial dos médicos, sem outras limitações que aquelas de ordem natural; a saúde do paciente e a própria consciência. Desautorizar a atuação de outro profissional pode ser útil ao interesse imediato daquele que a criticou; mas logo a pedra arremessada voltará e cairá sobre a sua própria cabeça, mesmo que estando com a razão, e sobre a cabeça da própria ciência".

Esta perspectiva oferecida pela rápida enumeração de algumas "VIRTUDES CIRÚRGICAS" é completada por muitas outras que emergem durante a própria atuação médica diante do paciente. Essa relação é também formativa: o médico se aperfeiçoa no contato com o paciente, pule as arestas, enfrenta novos desafios, procura, enfim, tornar-se melhor médico galgando os degraus da virtude profissional. 
Foto

A postagem tem anexo
A HUMANIZAÇÃO DO ENSINO NA CLÍNICA CIRÚRGICA

É fácil perceber que para desenvolver a parte científica da medicina não se requerem qualidades especiais. Quando muito, as mesmas exigidas para o exercício de qualquer outra profissão técnica. O mesmo não se pode dizer, porém, no que tange às qualidades dependentes do fator humano. Aqui se localiza o elemento limitante, ou melhor, o elemento que condiciona a possibilidade de um médico ser bom ou fracassar. Pode-se saber mais ou menos, podem-se conhecer as novidades técnicas com defasagem de minutos ou em ritmo mais demorado. Mas o ponto crucial é como se aplica esse conhecimento, como ele chega até o paciente, beneficiando-o. Nesta atitude, nesta postura consiste a arte médica que, embora condicionada pela quantidade proveniente da técnica, encontra na qualidade da pessoa do médico o dispositivo regulador.

A repetição de conceitos é proposital nestas considerações: faz parte da assim chamada "psicologia do anúncio",do marketing, com a insistência, feita de maneiras diferentes, nos conceitos fundamentais.  Na verdade, todos insistem na mesma questão com argumentos diversos. Mas vale a pena passear por essa coletânea de lições de vida que solidificam as ideias e nos entusiasmam com elas.
Pertence, pois, à qualidade do médico a visão do paciente como um todo e da doença como um evento pessoal e intransferível que se "encarna" em alguém. Considerar sempre, como ponto de partida, o paciente com uma doença e não apenas a doença que, por acaso, assenta-se em alguém impessoal, é mais do que um lugar-comum. Corresponde a uma postura vital do médico, um axioma profissional e, também, a uma atitude perante a vida. Para possuí-la não é suficiente enunciá-la, nem apelar para o senso comum. É necessário trabalhá-la e acolhê-la mediante uma sólida formação - tempo de estudo e reflexão - na pessoa do médico.

As deficiências que encontramos diariamente na prática não são culpa da ciência - que deve ser impessoal -, mas sim das carências do profissional que não soube "humanizá-las". Cabe-lhe ao médico dar ao conhecimento técnico que possui a correta orientação humanística. É preciso vestir a ciência médica com trajes humanos ou, como alguém disse, "dissolver no aconchego humano a técnica e os remédios que o paciente deverá utilizar". Quando tal não acontece, as insuficiências são sempre do profissional e o prejuízo é do paciente, que acaba sofrendo de indigestões científicas nada confortadoras. Como ninguém dá o que não tem, o médico terá necessariamente que se preocupar com esta temática, que não é em absoluto minúcia ou filigrana. E preocupar-se de modo ativo, quer dizer: estudando, refletindo, aprofundando e, sobretudo, analisando o seu comportamento para detectar as falhas e saber apontar os caminhos de seu aperfeiçoamento. Abrir mão desta questão é como receitar um remédio que não é absorvido, reclamando, além do mais, que a moléstia não é vencida a despeito da melhor terapêutica.
"Critica-se da medicina atual o fato de que parece favorecer o materialismo, quer dizer, uma concepção do mundo que ignora o espírito. Esta crítica é injusta, já que ninguém tem mais motivos do que o médico para reconhecer a caducidade da matéria e a força do espírito. E se ele não sabe chegar a esta conclusão, a culpa não é da ciência, mas dele, que não aprendeu o suficiente". Essas palavras de Viktor Frankl levantam uma questão espinhosa: até que ponto é competente um médico que não sabe fazer chegar a técnica, diluída em humanismo, até os seus pacientes? Basta um curriculum avultado para avaliar a capacidade do profissional? Responder a essas perguntas é já uma reflexão que nos faz adentrar no próprio caminho da formação humanística.

Na realidade, essas duas vertentes do médico são inseparáveis. Quando se carece de dimensão humana a própria atuação técnica torna-se imperfeita. Com perspicácia, um estudioso do tema faz ver: "Em várias ocasiões fiz notar, à semelhança de muitos outros clínicos europeus, que um sistema diagnóstico puro, deduzido exclusivamente de dados analíticos, desumanizado, independente da observação direta e entranhável do enfermo, leva implícito o erro fundamental de esquecer a personalidade, que tem tanta importância quanto as etiologias para estipular o prognóstico do paciente e saber o que nós, médicos, podemos fazer para aliviar seus sofrimentos. A personalidade é também uma etiologia". As palavras de Gregorio Marañón têm a precisão de quem pensou muito no tema; por isso, seguiremos sua linha de raciocínio que ilustra de modo primoroso o assunto que nos ocupa. 

Ciência e humanismo, simbiose de atuação necessária para a correta atuação médica. O médico deve zelar por esta unidade, incorporando toda a ciência de que for capaz, aperfeiçoar-se nos conhecimentos antropológicos, meditar neles, extraí-los, diariamente, do contato com o paciente. Somente assim se constrói o médico humanista que, por sinal, é o que o paciente espera encontrar quando a ele recorre, acometido de uma moléstia. É este modelo o verdadeiro arquétipo do médico. As outras imagens - a do cientista isento, a do especialista distante - são imagens que os médicos fabricam para si mesmos. Um narcisismo médico, no qual o paciente não tem vez. 
Foto

A postagem tem anexo
A DIFÍCIL ARTE DE ENSINAR CLÍNICA CIRÚRGICA

"Aquele professor não tem didática!" Esta frase é constante entre os alunos universitários quando comentam sobre a aula de algum professor que pode até ser um excelente Médico e que com certeza tem domínio de alguma disciplina mas que não consegue fazer uma ponte entre o que sabe e o aprendizado do aluno. Isto é bastante comum e mostra realmente que para ser um bom professor não basta apenas saber, tem que saber ensinar, o que envolve outros requisitos além de um conhecimento profundo do conteúdo.

O ensinar não envolve apenas as práticas que o professor possui, mas também as maneiras pelas quais ele irá dispor desses conhecimentos dentro e fora do centro cirúrgico. A tão comentada didática, já vem desde os tempos imemoriais dos gregos  e significa um modo de facilitar o ensino e a aprendizagem do aluno de modos e de condutas desejáveis. Isso requer um determinado esforço por parte do Médico, uma prática pedagógica bem construída, planejamento de suas aulas levando em consideração as necessidades do aluno e seus conhecimentos prévios. A preparação de quem deseja ensinar envolve conhecimentos teóricos, não apenas de anatomia, fisiologia, propedêutica e Clínica Cirúrgica mas também de teorias de aprendizagem, epistemologia, história e filosofia da ciência que contribuem claramente para desenvolver uma capacidade mais profunda e crítica.
Além disso, o professor não deve fazer de sua prática educacional um ato burocrático, que apenas ensina o que está nos livros, ou no currículo por ele desenvolvido, simplesmente despejando conteúdo na cabeça dos alunos, tratando-os como baldes mentais (teoria do balde mental de Popper), sem ter uma preocupação real se de fato a aprendizagem está sendo construída.

Como pode-se perceber, são muitos os requisitos que fazem a diferença entre o Professor que conhece e o Mestre que sabe ensinar. Infelizmente, hoje criou-se a imagem de que qualquer um pode ensinar, basta se munir de um Bom material audiovisual e a aula está garantida, o que vem banalizar muito o ensino da Medicina e da Clínica Cirúrgica nas Faculdades de Medicina. 

Reafirmando o que disse anteriormente, a formação de um educador não requer somente as aprendizagens cognitivas sobre os diversos campos do conhecimento, que sem dúvida é importante (porque deve-se saber para ensinar), mas também deve haver uma preparação filosófica, científica, técnica e até afetiva para o ofício de ensinar. Conhecer a história da ciência torna o ensino da Medicina mais rico e fascinante, apresentando-a como uma ciência viva, como construção humana; conhecer um pouco mais sobre a história dos grandes Cirurgiões ajuda a motivar os alunos para o aprendizado, aguçando o seu interesse e a sua curiosidade, mostrando-lhes que os conhecimentos não são definitivos e que ainda há muito o que se fazer e descobrir.

Os conhecimentos epistemológicos auxiliam o professor a detectar dificuldades e obstáculos que estejam impedindo a aprendizagem do aluno. As dificuldades são diferentes de obstáculo, enquanto a primeira é técnica (não saber usar alguma ferramenta técnica, por exemplo), a segunda por sua vez já se trata daquelas concepções que os alunos trazem (as chamadas concepções alternativas), que não lhes permitem apreender o significado correto de alguma conduta clínica. Neste sentido, conhecer os filósofos da ciência contemporâneos pode ajudar e inspirar o professor a encontrar estratégias didáticas que auxiliem o aluno a fazer a mudança conceitual, o que não se consegue apenas com aulas expositivas no quadro-negro e simples transferências de Guidelines. E, apesar de tudo isso que tenho colocado, é importante salientar que um educador nunca estará definitivamente pronto, formado, pois a sua preparação e maturação se fará no dia-a-dia, na reflexão constante da sua prática.
Foto

A postagem tem anexo
COMO SUPERAR O MEDO DA CIRURGIA?
Que toda e qualquer cirurgia tem o intuito de melhorar o corpo humano - seja pelas condições de saúde ou esteticamente - não há dúvidas. A parte ruim é que se submeter a essas intervenções nunca é agradável e sempre envolve riscos.
A ansiedade que envolve a submissão a uma intervenção cirúrgica pode ser avassaladora para muitas pessoas. A boa relação Médico-Paciente através da explicação, de forma acessível, em que consiste a cirurgia e quais os seus benefícios é fundamental para reduzir o nível de ansiedade do paciente nas horas e dias que antecedem este procedimento.
Muitos pacientes acabam por manifestar o seu desconforto perante a ideia de se submeterem a uma intervenção cirúrgica e as eventuais conversas prévias mantidas com o cirurgião e até com o anestesista poderão acabar por quebrar alguns mitos e preconceitos. Aliás, a segurança com que o cirurgião esclarece as dúvidas e presta as informações acaba por ser diretamente proporcional à confiança adquirida pelo doente.
 

PROCURE RESPONDER ESTAS PERGUNTAS COM O CIRURGIÃO ANTES DO PROCEDIMENTO CIRÚRGICO.

1. Existem outros tratamentos para esse caso clínico?
Quando o médico aponta a cirurgia como uma saída, na maioria dos casos é porque os procedimentos menos invasivos já foram cogitados, mas não parecem ser a melhor opção. Mesmo assim, o paciente tem o direito a escolher tratamentos alternativos, ouvir uma segunda e até terceira opinião médica. Discuta com o especialista as estratégias de tratamento.

2. Como é feita a cirurgia?
Cabe ao médico explicar exatamente sobre o procedimento a ser realizado, salvo em casos de emergências onde essa possibilidade inexiste. Aproveite para perguntar, por exemplo, qual o tipo de anestesia que será usada.

3. Como serei beneficiado?
Sempre que um procedimento cirúrgico é indicado ele deve ser baseado em critérios técnicos, por isso, peça para seu médico explicar de forma clara os motivos que optou por essa decisão e mostrar os benefícios que esse tipo de intervenção pode causar.

4. Posso esperar para marcar a data?
De maneira geral, quando uma cirurgia é indicada o ideal é que seja realizada o quanto antes. Mas em muitos casos é possível aguardar um período mais adequado ao paciente. Essa questão é importante principalmente para os indivíduos assintomáticos, que não sentem o corpo reclamar, mas que apesar disso seu estado de saúde pode estar comprometido.

5. Há quanto tempo faz esse tipo de procedimento? 
Essa questão é fundamental, pois existe um número mínimo de operações por ano para que o médico tenha experiência. Entretanto, essa questão é muito delicada, pois para cirurgias mais raras esse critério não pode ser empregado. O ideal é perguntar se o médico tem experiência nesse tipo de procedimento e, se julgar necessário, pesquisar sobre a carreira profissional dele.

6. Há algum preparo a ser feito?
Cada tipo de cirurgia indicará um preparo específico antes da internação. É muito importante esclarecer quais as indicações médicas e cumpri- las, como as restrições físicas, alimentares, medicamentos e exames laboratoriais pré-operatórios.

7. Quais são os custos que terei? 
Os valores dependem se o paciente tem plano de saúde, se é particular ou se está operando pelo SUS (Sistema Único de Saúde). Os custos devem ser explicados pelo médico, pois existem tanto os custos diretos (referentes ao procedimento cirúrgico), quanto os custos indiretos (como o afastamento do trabalho e a limitação da rotina diária no pós-operatório).

8. Qual é o hospital mais indicado?
Além de conhecer bem o cirurgião e sua equipe, o paciente deve conhecer o hospital onde será feita a cirurgia, questionar se as instalações são adequadas ao procedimento proposto e se os equipamentos estão disponíveis caso aconteça algo inesperado.

9. Existem riscos ou possíveis complicações posteriores? 
Não existe procedimento cirúrgico sem riscos, toda e qualquer cirurgia implica em um risco, sendo esse de intensidade variável de acordo com cada tipo de intervenção e paciente. O risco deve ser claramente explicado pelo médico. Essa é talvez a mais importante pergunta a ser feita, o paciente deve colocar os riscos e benefícios em uma balança para que a decisão seja tomada de forma responsável e em conjunto.

10. Como proceder para marcar a intervenção? 
Aproveite este momento para discutir a melhor data, horário e local. Também é o momento de saber como será o auxílio para as burocracias de planos assistenciais e hospitais.

11. Pode haver algum impedimento para realizar a operação?
Procure saber que condições físicas impediriam a cirurgia, como resfriados, diarreias ou período menstrual, que possam atrapalham o ato operatório. Nesses casos, informe com antecedência a impossibilidade de realizar o procedimento para que uma nova data seja marcada. Uma vez marcado o procedimento, o paciente deve ter em mente que o cancelamento, por qualquer motivo, é um grande transtorno para si mesmo, para a equipe médica e para o hospital - que envolve vários procedimentos e profissionais.

12. Sou obrigado a aceitar esta indicação médica?
Se já foram discutidos outros métodos alternativos em substituição à cirurgia, não fazê -la pode ser bastante arriscado. sempre deve ocorrer uma indicação correta baseada em critérios técnicos e o paciente deve ser informado dos possíveis riscos em não aderir ao tratamento proposto.

13. Por quanto tempo estarei anestesiado?
O tempo de cirurgia pode variar muito dependendo do tipo, das especificidades do paciente, da complexidade cirúrgica e dos imprevistos que sempre podem acontecer. Idealmente quanto menor o tempo de intervenção, melhor. Mas é melhor que a cirurgia seja feita com calma e que ela tenha êxito no final, independentemente do tempo que ela dure.

14. Será necessário tomar sangue?
Antes de realizar uma cirurgia são realizados exames pré-operatórios com a finalidade de detectar eventuais alterações que precisem correções, como transfusão sanguínea. Para entender melhor como será sua cirurgia, confirme com seu médico se será necessária ou não uma transfusão.

15. A recuperação será fácil? 
Para se programar melhor, pergunte quantos dias de internação serão necessários, quais serão as limitações físicas, o que será necessário de suporte domiciliar na alta hospitalar e em quanto tempo se volta às atividades ansiadas (trabalho, esporte, convívio social, relações sexuais etc.)
Foto

A postagem tem anexo
Então você quer ser um cirurgião? 10 Dicas para ajudá-lo neste caminho

1. Seja ENTUSIASTA, mas não antipático.

Se você realmente quer ser um cirurgião, entre em cena. Siga o seus preceptores quando estão de plantão e realmente veja os pacientes no departamento de emergência. Peça para entrar na cirurgia. Aprenda a suturar, aprenda a dar um bom nó de cirurgião. Mas seja respeitoso. Este é local de trabalho das pessoas, e aquele é paciente real. Seja educado e aprenda a tomar um não como resposta. Não o tempo todo, persistência importa também. O equilíbrio é muito bom. Tive um estudante de medicina, que uma vez me perguntou se ele poderia retirar a safena da perna do paciente que sofreria uma revascularização do miocárdio. A resposta foi, é claro que não, mas eu tinha que valorizar sua coragem de pedir! Por estar entusiasmado e interessado, você ficar conhecido por chefes e outras pessoas que serão mais propensos a apoiá-lo. Além disso, você vai aprender muito!

2. Ser cirurgião é TRABALHO DURO, uma maratona e não uma corrida de 100 metros.

Os dias são longos e você pode passar o dia inteiro sem comer ou sem ir ao banheiro. Emergências acontecem no meio da noite. Sua paciência ira ser testada por um número infinito de pessoas e burocracias. A curva de aprendizado é dura e pode parecer muitas vezes frustrante. As apostas são muito altas. Mesmo se você tem um bom trabalho que não exija horas desumanas e uma excelente equipe o trabalho continua sendo bastante difícil. Você não saberá realmente o quanto este trabalho é difícil até estar no "meio" dele. Algumas vezes ficava tão cansado que tinha a simples vontade de chorar. Não sei de onde vem, mas as vezes aparece algo que atiça o fogo e nos ajuda a se manter de pé. Algumas vezes os pacientes, outras apenas o fato de que você ama seu trabalho. Algumas vezes apenas é sua obstinação. Seja o que for, isso te sustenta de tempos em tempos. Eu passei pelos tempos difíceis apenas tentando manter o Work-Life Balance. Eu pratico isso agora porque vi o que acontece quando você perde o equilíbrio entre sua vida e seu trabalho. Descompensação não é nada bonita. Mesmo os mais fortes podem cair. Feriados, dormir, encontrar com amigos e exercícios regulares o mantém são e saudável. Auto cuidado significa que você é fisicamente e mentalmente apto a fazer o melhor para seu paciente. Nós não treinamos para os fáceis doutor.

3. Não QUERO SER CIRURGIÃO, tudo bem.

Se você mudar de ideia, tudo bem. Nos trabalhamos por mais de 30 anos nas nossas carreiras. Você quer ser infeliz por 30 anos? Provavelmente não. Faça alguma coisa que você realmente queira fazer, algo que preencha todas as suas facetas. Algo que caiba no seu estilo de vida, nas suas habilidades e na sua paixão. Esse caminho é seu e somente SEU.

4. PUBLIQUE...

O treinamento para ser cirurgião é altamente competitivo e fica a cada dia mais difícil. Mais e mais formandos estão chegando e a competição está ficando mais acirrada pois todos estão muito parelhos. Você precisa se destacar. Pegue boas referências e excelente experiência. Ainda vejo muitos acadêmicos publicando muito. Procure os residentes e mestrandos para trabalhar em conjunto. Pergunte se eles não tem nada para você fazer. Assim você acaba publicando em conjunto com eles.

5. Tenha um armário/bolsa com algumas coisas dentro, esse é o SEU KIT CIRURGIÃO

Sempre tenho comigo algumas toucas para o centro cirúrgico, escova de dente e pasta, uma outra roupa de baixo, shampoo, protetor labial, removedor de maquiagem e comida de emergência. Isso me ajuda a parecer como uma humana ao invés da menina daquele filme "o chamado" após passar a noite inteira de serviço. Pelo menos espero que assim meu cheiro não seja de um morto vivo. Lembre-se você precisa estar bem para poder tratar os outros.

6. Tenha um MENTOR, siga alguém que você admira.

Eu tenho vários mentores. Alguns apareceram em diferentes estágios da minha carreira e alguns ficaram comigo para sempre. Alguns não são nem médicos! Tenho certeza que encontrarei mais alguns pelo caminho. Eles estão a sua volta. São advogados, professores, conselheiros, parceiros de boteco e amigos. Você não precisa fazer perguntas estranhas do tipo: "Você quer ser meu mentor?". A maioria do tempo é uma progressão natural. Entretanto, algumas sociedades médicas e faculdades tem um programa de coaching compatível contigo. Vale lembrar que você pode até se aconselhar com pessoas muito distantes geograficamente de você. Pessoas que não são suas mentoras também tem muito para ensinar - o que fazer e o até o que não fazer. Escute inúmeros conselhos e opiniões para formular a seu próprio caminho.

7. Seja VOCÊ mesmo.

"Não sou todo o tempo cirurgiã cardíaca. Eu leio a Vogue e uso salto alto. Eu rio e sou bastante atrevida. E acho que isso me ajudou a aparecer no meio da multidão. Eu não poderia comprometer quem eu sou de verdade." O mais importante, não pense que porque você não encaixa em um molde - o que quer que isso signifique - que você não pode fazer algo. A diversidade é importante. Pessoas diferentes trazem diferentes habilidades, interesses, e criam tolerância e entendimento no ambiente de trabalho.


8. Aprenda sobre gestão, liderança e trabalho em EQUIPE.

Liderar e ser parte de uma equipe são boa parte do trabalho do médico. Nem todo mundo é "natural" nisto. Mas ser rígido nesses conhecimentos limitam em muito suas aspirações de carreira. Hospitais e a cirurgia, em particular, são basicamente compostos de grandes times. Todos trabalham com o mesmo objetivo e maneiras diferentes mas convergentes. Quando o time não funciona, não é bom para o resultado que almejamos. Recomendo fortemente a leitura dos textos da Escola de negócios da Harvard sobre gestão e liderança, o livro "O mito do carisma" de Olívia Cabane e "No Asshole Rule" de Robert Sutton. Siga pessoas que são boas em gerir de forma adequada e justa. Aprenda com eles. Acredite em mim, isso ira definir quem você é e irá transformar seu ambiente de trabalho e os resultados com seus pacientes.

9. Os mandamentos da cirurgia são MINÍMOS.

Um médico pediatra me falou isso quando eu era apenas uma estudante. Coma quando você pode, vá para casa quando puder e, de jeito nenhum, f... com o pâncreas. Muito verdade. Especialmente a parte do pâncreas. Esse tipo de conselho mantém você vivo e focado.

10. Aprenda a ter uma atenção completa, FOCO NA SUA FORMAÇÃO.

Essa não é uma dica compulsória, mas é uma muito útil. "Mindfulnes" é uma forma de meditação nem sempre tradicional. É uma técnica que permite manter o foco em uma coisa de cada vez, como assistir a uma aula sem nem mesmo ver o seu facebook, instagram ou whatsapp. Eu me apoiei nisso para manejar minha ansiedade e melhorar a minha habilidade em concentrar em uma tarefa de cada vez. Isso me fez ser muito mais relaxada o que incorporou vários benefícios durante a cirurgia, mantendo o foco http://absoluto.Eu sugeriria a leitura de qualquer livro do Jon Kabat Zinn ou usar algum app no seu smartphone como o Buddhify, Headspace ou o Smiling Mind.

By Kevin Md Blog (Cirurgiã Cardíaca)

A postagem tem anexo

A postagem tem anexo
Aguarde enquanto mais postagens estão sendo carregadas