Profile cover photo
Profile photo
Adiron Marcos Barros Costa
"Nas antiguanças eram os índios que moravam nela..."
"Nas antiguanças eram os índios que moravam nela..."
About
Adiron Marcos's posts

Post has attachment
SEM
Noite, quase dez horas. A padaria que tem gosto de sul assenta em padre miguel. Estou na mesa dos fundos assim mei' Bó,  mei' Sá-Carneiro em 1915. Não há no ventre das cucas vestígio  de cerebelo - embora se diga que a farinha de trigo  é mona da quarta den...

Post has attachment
Soneto, n.237(Jonguê dos Cavalarânios. Para Talita Stutz)
Vão noites de terça-feira num pensavante seguinte: cantiguerências onde esperantos são vistos se Despedindo, bondes Roncarextintos que há séculos não sobem a vinte e quatro de maio, Méééier de seus dois cinemas sepultos sob pentecostes Malditos e apóstolos ...

Post has attachment
Soneto-Estudo(n.236. Para Melissa Cathaldo)
Treze formas futuras dançam o corpo das marés, na fronte delas um sol desvestilhando cinzalhas, jangada que mór-Retorna, com gente Viva por cima. Mulheres-algas troteiam nos saxofones um samba usando utensirílios da cozinha - isso apesar da sinhá ter ralhad...

Post has attachment
Poemamor n.1(Soneto, n.235. Para Luciana)
A alma: de livre mente encarceranada em TI - acordo no planeta-Navio pós um sono de quarenta invernos sob um céu grego________ e teus Haustos, amor, fulgiram fogo de Prometeu nas minhas trezentas estátuas, vôos sobre igrejas de pedra e a fonte do Alto da ...

Post has attachment
Antífona do Arco(Modinhê num cambaiante compasso. Para assovio e ocarina. Para Luciana)
No Alto que procuro - cocuruto dela montanha - o rosto dos Ventos gênese  das águas doces e vagas de oceano-Apronto achado em nuvens de além-páginas Espessas, sono também das pedras, corpo aos jades Infinitos. Neste Alto da montanha  mais Instantícies ver t...

Post has attachment
Torniquerête(Elégira n.1, para violão e fagote. Para Talita Stutz, e Hugo Stutz)
I)PRELÚDIO Diagnosízifo: a plória marangarzana avelustrou trancóses e monstros, móres Sombras do Avesso imposto ao país desque foi Golpe em Brasília, e dessa vez sem newton cruz a cavalo(cagando Roto e redondo).  II)PONTEIO As vozes lá do Planalto são jabur...

Post has attachment
Paisárge, n.1(Pra Alessandra Franco)
Quinze pras cinco nos roscófe dos pulso: café chumbado queimarandando goelências, rua do catete, janeiro avança, vão Nevoências na cidade dos homens, bestiários que vendem jornal. De repente Cabruuuum!!!! - as amendoêra - tendo avecê nos Chuvarão que rebent...

Post has attachment
O Livro de Eclesiastes(Pontacabeçálhu. Todóroa Preludienta, para tuba e tantã. Para meus irmões André Ben Noah, e Laura Pires)
Sabença Véia:  no espaço dos interlúnios naufrágio é tudo que brota das árvores  (chuva lambuza bichos muito entretidos em lamberer meu Ossário). Inadianta acreditar não haver porta-aviões  que nos invadam pelas veias do Leblon, isso porque ela paz faz É Te...

Post has attachment
Interlúniuns(Soneto, n. 217. À memória dele Mário de Sá-Carneiro. Para Luciana Moraes)
Tacitúrnico nos interlúniuns o reresgate foi vislumbrê Distancítio: apoteose de falso rubro em melodia dôbrea, sem mais tangências de amanás e Crisantes_______ os meus sentidos rugiram mastros quebrados, sonhões de Íris postos longe da praia - a grande ta...

Post has attachment
Salviçorôntio(Versão soneto, n. 216)
Salviçorôntio de mais um dia abro nos horizontes o antigo Livro dos Mundos: os Doze - antigamente Chamados - são gigantescas estátuas por onde o Vento faz tilintar as chávenas de chá, e a fumaça das chaminés de Bangu. Acendo velas sob o rosto do Zygmunt, mo...
Wait while more posts are being loaded