Profile cover photo
Profile photo
Adiron Marcos Barros Costa
"Nas antiguanças eram os índios que moravam nela..."
"Nas antiguanças eram os índios que moravam nela..."
About
Posts

Post has attachment
Termpaper( ou batuque na cuzíínha apesar da sinhá. Para Caleb Baltazar)
O Noam que os bush detestam ainda não viu Deus, mas acha que a mãe-Natura(às Vezes) não peida em tubos de ensaio(*)_____ daí um dia graaande borboleta sai das Salas do homem - abriu-se gaiola no Céu, anjos cubistas  subitamente montaram harleys Insanas, p...
Add a comment...

Post has attachment
Soneteratofônico(n.388. Forma 4/8/2)
Ainda salas Desespelhadas, portais em forma de minotauros a tresandar Catifundos estrada  para um Silêncio onde amanhãs não têm roupa____ luz por mais que intransplandeça é mármore, e nele escarrapacham braráços da figueira Seca e a mãe co' filho morto ju...
Add a comment...

Post has attachment
Soneto, n.387(Forma 4/8/2)
A igreja toda cubista Insiste  nas asas de-Noite, enseada que as abelhas  constroem - figueira extênsil que os homens drão na contramão delas ondas______ plantas mudam camisas  conforme o globo de fogo Humorêia lá em cima e por acá o cão sem homem nem deu...
Add a comment...

Post has attachment
Soneto, n.386(À memória de Mário de Andrade. Para Larissa Gusmão)
Era num sete de setembro, mil novecentos e vinte  e dois_______ um dos soldados na parada militÁ dava dez mil réis por um copo de leite mais umas porradas no cabo marchando à frente, todão Descabido marajambando compasso  cinco por quatro, como se marcha ...
Add a comment...

Post has attachment
Soneto, n.385(Antífona Bruêra. Para Larissa Gusmão)
Cemitérios andam redôntchos, soltarando foguetes porque meninas ossudas desencordoam árvores minerálias do sangue exposto em praça na gomôrra Antiga, e ninguém sabe se é Hora e se a tabacaria grita desde o ventre  seus bandolins, e a música do espaço anda n...
Add a comment...

Post has attachment
Soneto n.384( Para Luciana Almeida e Robson Almeida)
No fluido aceiro dela Vida o mistério do fim do homem Apêia da charrete, pra dar de-Comê às hortênsias, bicar estátuas de pano. O curso da tempestade vem com manual  em maxacáli, e os trens a levam Depois, assim lavanda pelos narizes gigantescos e o dia mal...
Add a comment...

Post has attachment
Preambália Mazomba(À memória de Ana Cristina Cesar. Pra Irmãzinha Jéssica Campos)
No fluido aceiro dela vida eu derragávia Virgíneo, quarenta e Blaus, era um Satelicrescente no ventre e Sombra de Marães... Verícias, curvandálias e cheiros eram matizes  que o trem dos corpos levava, assim lavanda, em grão-pijama amortalhado, e o dia mal C...
Add a comment...

Post has attachment
Grão de Arcabuz, n.4(Para Jéssica Campos)
"Viva São Francisco e vários suicidas e amantes suicidas"(Murilo Mendes) Minha futura ela-Morte será achada - grão de Arcabuz - como um sol vermelho na Boca_____ a sala  Deu vinte passos perdidos, um pai Possesso, e a pior surra foéééver que minha cacunda...
Grão de Arcabuz, n.4(Para Jéssica Campos)
Grão de Arcabuz, n.4(Para Jéssica Campos)
doistantosdecoisas.blogspot.com
Add a comment...

Post has attachment
Grão de Arcabuz, n.3(Para Caleb Baltazar)
O mar natural da vida  é música de esferas Mórturas depois d'amanhã, pandorga finarAlmente Chanfálhea com todo direito às chamas fátuas azuis_______ mar que é Mais nada  além de rua de casas vazias - dentro erenMim estão por todos os lados com suas pernas...
Grão de Arcabuz, n.3(Para Caleb Baltazar)
Grão de Arcabuz, n.3(Para Caleb Baltazar)
doistantosdecoisas.blogspot.com
Add a comment...

Post has attachment
Estudo para um Ritual(Soneto, n.383. Para Caleb Baltazar)
Esta manhã um búrio de rio, enquanto árvores  sacodem o sono dos braços____ novamente erInfância no rostéu do mundo. Pássaro de quatro folhas  telefonóra ao outro lado da mata________ curupira êh-lá Vem, pacientemente  refazerendo pirâmides: os treze ci...
Add a comment...
Wait while more posts are being loaded