Profile cover photo
Profile photo
Antero Vaz de Andrade
35 followers -
Mulher teu nome é Desejo. Maravilhas... Andar nos Céus! Woman thy name is Desire. Wonders. Walking in Heaven!
Mulher teu nome é Desejo. Maravilhas... Andar nos Céus! Woman thy name is Desire. Wonders. Walking in Heaven!

35 followers
About
Antero's posts

Post has attachment
DEFAULT

Vejo o mundo ruindo
e vou prosseguindo
devagar...
delicado pisar,
elegante caminhar,
incessante contemplação!
Vejo o mundo ruindo
e permaneço sorrindo
vendo os imensos castelos
erigidos na areia,
os grandes homens presos à teia
que teceram para si!
Meninos eu vi
o rato ruindo
o reino do Rei de Roma!
Vi a pedra rolar da montanha
espatifando os frágeis fundamentos
do reino fantasioso,
do sistema mentiroso...
do reino que foi pesado , medido
condenado e destituído!

Bernardo Maciel

Post has attachment
12/10/2013 23:38 - Lustato Tenterrara
Muito bom mesmo Ilmar. Reflexivo, centrado, coerente. Você escreveu com maestria. Tudo, desde o início, muito bem elaborado. E o termo final está fantástico: é o tipo que se chama "Chave de Ouro". Parabéns por essa crônica maravilhosa. Merece ser impressa! Prazer em conhecer. Grato pela visita. Abraços. Lustato www.lustato.com

Post has attachment

Post has attachment

Post has attachment

Post has attachment

Post has attachment

Post has attachment

Post has attachment

Post has attachment
Adiante, fragmentos. Texto na íntegra, no site.
"Risca de Vosso caderno, meu Deus,
as súplicas de amor
que te enviei todo minuto e segundo.

Deixai o meu coração morrer em paz;
Deixa-me com o meu verso triste.
São apenas versos, Meu Deus!

Decerto que são tristes
que são muitos
que a toda hora os faço.

Perdoai, Meu Deus,
ter feito meu pedido como se a "Súplica Cearense" fosse.

E deixa-me Senhor!
Se meu coração não soube o que pedir
Se eu não soube agir nas tantas horas
que algum amor me surgiu em minha frente;

Que isso é mal de poeta,
é mal de romântico;
É mal de quem ama e perde a fala.

Decerto que quero um amor infinito.
No entanto s'ele só existe na morte;
Deixa-me sofrer aqui em minha vida,
pois não quero, por ora, essa sorte.

Deixa-me fazer meus versos tristes...

Versos que já nem são de amor,
de solidão, tristeza, melancolia, saudade ou dor...

São apenas versos...
Pois de que me adianta eu chorar minha saudade?
De que me adianta eu dizer de minha solidão?

Ela... nem mais existe!
Nem aquela pela qual sonho na distância do Tempo;

Nem esta que finge que finge que finge
que dorme ao meu lado.
(Elmano Sandino)
Wait while more posts are being loaded