Profile cover photo
Profile photo
Museu de Arte do Rio
667 followers
667 followers
About
Museu de Arte do Rio's posts

Post is pinned.Post has attachment
O MAR não abrirá para visitação no carnaval. Confira o calendário:
Photo

Post has attachment
O carnaval já começou! Você fez a lista dos blocos, já preparou as fantasias, e combinou o ponto de encontro com seus amigos. Agora, falta convidá-los para o MAR de Amigos.

Se você é amigo do MAR, presenteie alguém com um vale-presente até o dia 20 de março. O seu convidado ganhará a adesão ao programa e os benefícios que você desejar de acordo com o valor da doação.

Participe! Você também receberá um crédito de 15 pontos.

Acesse: https://goo.gl/irNMDk.

Foto: Thales Leite.
Photo

Post has attachment
A escola de samba Imperatriz Leopoldinense apresentou, em 1996, o samba enredo "Leopoldina, a Imperatriz do Brasil" e contou ao público como a Princesa chegou ao nosso país.

Em nossa exposição "Leopoldina, princesa da Independência, das artes e das ciências" aprofundamos o tema para tratar do processo de emancipação do Brasil. Com curadoria assinada por Luis Carlos Antonelli, Paulo Herkenhoff e Solange Godoy, e curadoria adjunta por Pieter Tjabbes.

A mostra tem a Petrobras como patrocinadora via Lei Estadual de Incentivo à Cultura, o Itaú como copatrocinador, além do BNDES, da Granado e da Andritz Group como apoiadores.

#museudeartedorio #princesaleopoldina

Foto: Thales Leite.​
Photo

Post has attachment
Amanhã (21.2) vamos abrir “O nome do medo | Rio de Janeiro”, de Rivane Neuenschwnader. Em colaboração com o fashion designer Guto Carvalhoneto, a exposição tem patrocínio do prêmio da Fundação Yanghyun (Coreia do Sul) e parceria com a Escola de Artes Visuais do Parque Lage.

Abrimos para visitação às 10h. Às 16h, realizaremos a Conversa de Galeria com a participação da curadora da mostra, Lisette Lagnado.

Visite-nos, toda terça-feira a entrada é gratuita.

Foto:
Thiago Bruner veste capa "Mosquito da dengue/Janela aberta"
Crédito - Pedro Agilson
Photo

Post has attachment
Leopoldina coletava amostras minerais e caçava borboletas e animais de pequeno porte, que enviava à Áustria. Seus cadernos de estudo encontram-se no Museu Nacional, em São Cristóvão. A captura de animais, aves, répteis, insetos e a coleta de espécimes vegetais também era feita por escravizados. Muitos tornaram-se especialistas no assunto e suas moradias eram ponto de encontro de naturalistas.

"Leopoldina, princesa da Independência, das artes e das ciências" fica em cartaz até 26.3.

A exposição tem a Petrobras como patrocinadora via Lei Estadual de Incentivo à Cultura, o Itaú como copatrocinador, além do BNDES, da Granado e da Andritz Group como apoiadores.

Foto: Thales Leite.
Photo

Post has attachment
Confira a Conversa de Galeria da exposição "Lugares do Delírio - Programa Arte e Sociedade no Brasil III". A ação foi realizada em 7 de fevereiro de 2017, com participação da curadora Tania Rivera.

https://youtu.be/Ye9gBLRyk-I

Post has attachment
A minha alegria atravessou o MAR. E ancorou na passarela...

A Conversa de Galeria com Vizinho Convidado deste domingo (19.2) chama para roda o arquiteto, urbanista, antropólogo e historiador da arte Blonsom Faria. Às 15h, no mirante (6ª andar), vamos discutir a construção dos carnavais do Rio como espaço de disputa, de construção e afirmação de identidades, com ênfase na região portuária. Esperamos vocês!

Foto: Thales Leite.
Photo

Post has attachment
A exposição "O nome do medo | Rio de Janeiro", individual da artista Rivane Neuenschwander em colaboração com o fashion designer Guto Carvalhoneto, poderá ser visitada a partir das 10h. Às 16h, haverá Conversa de Galeria.

Com curadoria de Lisette Lagnado, patrocínio do prêmio da Fundação Yanghyun (Coreia do Sul) e em parceria com a Escola de Artes Visuais do Parque Lage. Entrada gratuita.

-

Se tomarmos a arte como um campo aberto de construção de linguagem, e se considerarmos que nas crianças o aparato da linguagem apresenta-se ainda em formação, também aberto e flexível, poderemos supor que nelas se dará a primazia do usufruto da arte: é na infância que a arte terá chances de operar de forma mais radical, como resposta à proposição de um outro.

Desde as profundas transformações da arte que se processaram no século XX, a criança, ao lado dos loucos e dos ditos “povos primitivos”, tornou-se uma referência fundamental dessa potencialidade à ressignificação através do olhar do outro à qual a arte não cessa de nos convidar. O reconhecimento dessa potencialidade nos dá hoje a liberdade, por exemplo, de renovar emocionados nosso olhar sobre a arte criada nas cavernas pelo homem pré-histórico, perpassando seu sentido por toda a história humana até os dias atuais.

Em "O nome do medo | Rio de Janeiro", Rivane Neuenschwander, operando nos interstícios da palavra e da imagem, disponibiliza seu instrumental poético para um mergulho na história e na experiência do outro – crianças reunidas em oficinas no Museu de Arte do Rio e na Escola de Artes Visuais. Tendo como elemento detonador o medo e a elaboração textual e visual de seus universos íntimos, essas crianças – com a reelaboração de todo o material pela artista – fazem emergir aos nossos olhos as funções renovadas e renovadoras da arte ao gerar meios individuais e coletivos de criação de aparatos de linguagem para a nomeação e reinvenção do mundo.

Reinventado, revivido e renomeado, trata-se do único mundo a que temos acesso – o mundo humano, aquele criado por nosso olhar. Outros existirão, mas, intocados ou inabarcados pela linguagem, permanecerão para sempre invisíveis.

O MAR sente-se agradecido por este projeto proposto por Lisette Lagnado e realizado em parceria com a Escola de Artes Visuais do Parque Lage e vê nele ressoarem alguns dos princípios importantes de sua trajetória e plataforma: aqui também não se tem medo da liberdade da infância, porque sabemos da arte o poder de nomear e refazer o mundo e seus medos.

Evandro Salles
Diretor cultural
Museu de Arte do Rio – MAR

Foto: Pedro Agilson.
Photo

Post has attachment
Vamos realizar no dia 11 de fevereiro, às 11h, um encontro entre os blocos “Tá pirando, pirado, pirou” e “Império colonial” nos pilotis do museu. A ação faz parte da exposição "Lugares do Delírio" e integra o programa de residências realizado em parceria com o Museu Bispo do Rosário Arte Contemporânea. Durante alguns meses, Livia Flores trabalhou com Clovis e outros artistas do Ateliê Gaia; desta colaboração surgiu um carro alegórico e este cortejo carnavalesco. Evento gratuito. Foto: João Wladimir.
Photo

Post has attachment
Amanhã (07.02) a nossa entrada é gratuita e é dia da abertura da exposição Lugares do delírio. Às 16h teremos Conversa de Galeria, seguida da performance in ATTO, de Anna Maria Maiolino. Saiba mais em https://goo.gl/fnas4i

Photo
Wait while more posts are being loaded