Profile

Cover photo
Marcos Andrés Barros Ketterer (MarcvsTraianvsNervaA)
480 followers|1,893,866 views
AboutPostsPhotosYouTubeReviews

Stream

 
 
Torre de Centum Cellas - Belmonte, Castelo Branco (Portugal).

As ruínas da Torre de Centum Cellas, também conhecida por "Torre de São Cornélio", situam-se numa área particularmente fértil e próxima da confluência da Ribeira de Gaia com o Rio Zêzere, cujos aluviões metalíferos sabemos terem sido explorados desde épocas bastante recuadas.
O monumento, em si, apresenta-se como um dos mais emblemáticos, mas ao mesmo tempo dos mais enigmáticos de todos quantos existem na Beira Interior e se atribuem à presença romana no nosso território.
Na verdade, foram elaboradas ao longo do tempo as mais diversas teorias respeitantes à sua real funcionalidade primitiva. Assim, desde templo, a prisão, passando por um praetorium (núcleo de um acampamento romano), a um mansio (estação de muda), mutatio (albergaria para descanso dos viajantes), uilla romana, para além de muitas outras, tudo parece ter sido contemplado e proposto.
Todavia, as escavações realizadas pelo IPPAR, entre 1993 e 1998, demonstraram que o edifício da Torre não se encontrava isolado, antes, sim, inserido num conjunto estrutural mais amplo e complexo, que incluía diversos compartimentos, de entre os quais sobressaiam salas, corredores, escadarias, caves e pátios.
Por conseguinte, a Torre revela-se a parte central e melhor conservada daquela que terá constituído a uilla de Lucius Caecilius, um abastado cidadão romano, negociante de estanho, que, em meados do século I d. C. mandou edificar a sua residência nesta zona, sob direcção de um arquitecto, o qual, ao que tudo parece indicar, conheceria com profundidade as técnicas construtivas ditadas por Vitrúvio.
Composta de apenas dois pisos, a Torre reveste-se de uma evidente centralidade e imponência arquitectónica, em redor da qual se desenvolveu a restante estrutura habitacional, desempenhando um papel de autêntico epicentro das suas eclécticas tarefas diárias.
Datando a sua construção inicial do século I d. C., este edifício foi parcialmente incendiado e destruído em finais do século III, altura em que foi alvo de algumas alterações, designadamente ao nível da disposição dos vários elementos que o compunham na origem. De entre este conjunto de remodelações, realçamos a presença de uma sala com abside e larário, para cuja edificação foram reaproveitados materiais pertencentes às estruturas preexistentes. Entretanto, datará da Alta Idade Média a construção de uma capela dedicada a São Cornélio sobre as ruínas da própria uilla, reempregando, para o efeito, e uma vez mais, parte dos seus materiais constitutivos. Esta capela viria, no entanto, a desaparecer já em pleno século XVIII.
A área intervencionada até ao momento contempla somente uma pequena parcela da pars urbana da uilla, que foi parcialmente danificada pela construção da estrada municipal que conduz ao Colmeal da Torre, passando a Norte de Centum Cellas .
Quanto às termas e à pars rustica, as suas zonas ainda não foram objecto de escavação, existindo a forte possibilidade de se encontrarem irremediavelmente perdidas para a investigação, ao terem sido destruídas pela plantação de vinhas, bem como pela construção de habitações recentes.
Presentemente, e a par das próprias escavações arqueológicas, o IPPAR procede a obras de restauro neste monumento.
[Fonte: AMartins - IGESPAR, IP].

+Foto de autor não identificado+
 ·  Translate
6 comments on original post
1
Add a comment...
 
 
Vista de Sintra - Sintra (Portugal).

"Em toda a terra portuguesa, em toda a terra da Europa, Sintra surge como um dos mais belos e raros lugares que a invenção prodigiosa da natureza logrou criar", escreveu o poeta Afonso Lopes Vieira. Sintra é, sem dúvida, um dos paraísos de Portugal, tendo sido declarado pela UNESCO, em 1995, Património Mundial , no âmbito da categoria Paisagem Cultural.
O seu nome deriva da palavra cynthia, símbolo da lua na mitologia céltica. Os romanos chamavam-lhe Mons Lunae, o monte da lua, e aí eram feitos sacrifícios em sua honra. Essa carga mística, esse estigma com contornos quase sobre-naturais mantém-se até hoje.
Sintra é anualmente visitada por muitos turistas atraídos pelas belezas naturais, pelos monumentos e pela história da vila e, ao mesmo tempo, para aproveitarem as diferentes praias das redondezas
Envolta numa neblina característica, é na Serra de Sintra que podemos encontrar o Castelo dos Mouros, construído durante o período de dominação árabe, o Palácio da Pena, o Convento dos Capuchos, o Palácio Nacional de Sintra e o Palácio e Jardins exóticos de Monserrate.
Nos seus três Palácios Nacionais - Vila, Pena e Queluz - e na série de Museus Municipais, admira-se um importante espólio histórico- artístico.
Desde tempos remotos, que a atmosfera poética e romântica de Sintra atrai numerosos artistas humanistas. O seu prestígio ficou registado nas quintas de recreio em redor da Vila e nos ideais românticos que se traduzem na remodelação ou construção de quintas e palacetes.
Na segunda metade do século XIX, Sintra adquiriu um estatuto de vila burguesa essencialmente consagrada ao prazer e ao ócio, constituindo-se então vários hotéis e pensões imortalizados através da pena de afamados escritores da época. Simultaneamente, na sua periferia instala-se gente de grandes recursos económicos, trazendo novidades arquitectónicas, sobretudo na moda dos revivalismos e do ecletismo, que influenciaram a arquitectura vernácula. Entre as novidades, destacam-se os chalets, que inclusive se ergueram em espaço urbano.
Construída numa zona de maior declive, no sopé da Serra, a "Vila Velha" desenvolve-se entre o Palácio Nacional, antigo Paço Real, e a própria Serra.
No núcleo mais antigo do Centro Histórico, de assentamento medieval, multiplicam-se. As amplas propriedades, isoladas pelo arvoredo e por muros cobertos de musgo e fetos, que a sombra e o clima húmido favorecem. Esta vegetação faz parte integrante da imagem e da especificidade do Centro Histórico de Sintra.
As carruagens puxadas por cavalos, que operam entre a Vila e a Serra, são uma óptima forma de conhecer Sintra, entre o frondoso arvoredo, ao «glorioso paraíso» nas palavras de Lord Byron. As partidas e chegadas realizam-se no largo fronteiro ao Palácio da Vila.
As praias que se destacam num raio de 8 a 20km são a Praia Samarra, a Praia da Adraga, a Praia das Maçãs, a Praia das Azenhas do Mar, a Praia do Magoito, a Praia da Aguda e a conhecida Praia Grande. Sintra orgulha-se das suas especialidades gastronómicas, como os pasteis regionais "travesseiros" o Cabrito assado, as famosas queijadas de Sintra, os Pastéis da Pena, as Nozes de Galamares e os Fôfos de Belas. E ainda o vinho da Região demarcada de Colares (Adega Regional de Colares).
[Fonte: Guia da Cidade].

+Foto de autor não identificado+
 ·  Translate
4 comments on original post
1
Add a comment...
 
 
Ten refugees who made history as members of the first-ever Refugee Olympic Team have started competing at Rio2016. The team includes two Syrian swimmers, two judokas from the Democratic Republic of the Congo, a marathoner from Ethiopia and five middle-distance runners from South Sudan.

Get updates of the team here.
Ten refugees who made history as members of the first-ever Refugee Olympic Team have started competing at Rio2016. The team includes two Syrian swimmers,
7 comments on original post
1
Add a comment...
 
 
World Humanitarian Day is 19 August.

Learn what United Nations Office for the Coordination of Humanitarian Affairs (UNOCHA) is planning: http://ow.ly/v4KZ3034zDh

#ShareHumanity  
9 comments on original post
1
Add a comment...
 
 
Igreja Santo António dos Congregados - Porto (Portugal).

No contexto das arquitecturas projectadas por André Soares, a fachada da igreja dos Congregados é aquela que o importante historiador norte-americano, Robert Smith, definiu como a sua "obra mais emocionada" (SMITH, 1973, p. 32). Na realidade, esta frontaria marca um percurso que se desenvolveu no sentido da abstracção, afastando-se das sua obras iniciais, ligadas à influência rocaille. Iniciada com a Casa da Câmara, em 1753, esta linha evolutiva carcateriza a terceira fase da carreira de André Soares, e a igreja dos Congregados é um dos seus melhores exemplos (PEREIRA, 1989, p. 456). Ainda que apenas lhe seja atribuída, pois não conhecemos documentação que permita confirmar a sua autoria.
Contudo, a presença da Congregação do Oratório em Braga é bem anterior, remontando à segunda metade do século XVII, quando o cónego João de Meira Carrilho convidou os oratorianos a estabelecer-se na cidade (OLIVEIRA, 1988, p. 5), com a aprovação do arcebispo D. Luís de Sousa (ROCHA, 1996, p. 118). As primeiras instalações provisórias situavam-se perto da Sé, mas desde 1687 que os padres oratorianos se encontram no Campo de Sant'Ana, em acomodações que muito depressa se revelaram demasiado pequenas para o crescimento da Congregação (ROCHA, 1996, p. 118).
Nesta remodelação, foi também construída uma nova igreja, no local onde antes se erguia o oratório. Os trabalhos tiveram início em 1703, sendo a obra orientada por Manuel Fernandes da Silva (SMITH, 1973, p. 31), que foi, com certeza, o autor do projecto (ROCHA, 1996, p. 120). De acordo com os estudos recentes de Manuel Joaquim Moreira da Rocha, a "espacialidade do edifício" é característica de Manuel Fernandes da Silva, bem como determinados pormenores, entre os quais se destacam os nichos do arco cruzeiro, de tradição maneirista, conforme a sua formação (ROCHA, 1996, p. 120). Por outro lado, é evidente a monumentalidade exigida pela Congregação, bem visível na uniformidade do espaço, e ao nível das dimensões do arco cruzeiro.
Todavia, a sagração do templo ocorreu apenas em 1717, depois de estarem concluídas a capela-mor e parte da nave. Na realidade, os dados de que dispomos revelam a morosidade das obras e, no mapa da cidade, de 1750, a frontaria ainda não existia (SMITH, 1972, est. 21).
A intervenção seguinte terá sido da responsabilidade de André Soares, que trabalhou neste projecto entre 1758 e 1766, e do qual resultou uma frontaria marcada pelo eixo central, cujo verticalismo foi acentuado pelas pilastras laterais. Entre estas, rasgam-se diversos vãos de moldura ondulada, que emprestam grande tensão ao conjunto. O próprio remate do edifício denota a mesma tendência ondulada que emana dos restantes vãos e, principalmente, do janelão central, cuja forma se assemelha a uma fechadura (SMITH, 1973, p. 31). Encontramos nesta composição um gosto pelas formas maciças, em detrimento de um decorativismo mais delicado, que Soares empregou no início da sua carreira, como se pode verificar, entre outros, na denominada Casa do Raio, em Braga.
As torres que ladeiam a fachada são posteriores à intervenção de André Soares, pois não chegaram a ser terminadas. A sua conclusão ocorreu apenas no século XX, tomando como modelo as da Igreja de São Miguel de Refóios, em Cabeceiras de Basto (SMITH, 1973, p. 55).
Ainda neste complexo conventual, subsiste outra obra de André Soares - a capelinha-oratório de Nossa Senhora da Aparecida. Esta, apresenta uma planta de cruz grega, muito bem proporcionada, destacando-se o retábulo de talha dourada, muito possivelmente desenhado pelo arquitecto na década de 60 do século XVIII. A abóbada, de secção elíptica e remate de lanternim, denota "um verdadeiro exagero de ilusionismo quase guarinesco, único no seu género em todo o país" (SERRÃO, 2003, p. 271).
[Fonte: Rosário Carvalho – IPPAR, IP].

Foto de Daniel Villafruela / Wikimedia Commons.
 ·  Translate
8 comments on original post
1
Add a comment...
 
 
Palácio Nacional de Sintra - Sintra (Portugal).

O Palácio Nacional de Sintra, situado no centro histórico da Vila, é um monumento único e incontornável pelo seu valor histórico, arquitetónico e artístico.
De todos os Palácios que os monarcas portugueses mandaram erigir ao longo da Idade Média, apenas o de Sintra chegou até aos nossos dias praticamente intacto, mantendo a essência da sua configuração e silhueta desde meados do século XVI. As principais campanhas de obras posteriores à Reconquista cristã (século XII) foram promovidas pelos reis D. Dinis, D. João I e D. Manuel I, entre finais do século XIII e meados do século XVI. Estas obras de adaptação, ampliação e melhoramento determinaram a fisionomia do palácio.
As primeiras alusões a estruturas palacianas em Sintra são anteriores à Reconquista. O geógrafo árabe Al-Bakrî (século XI) refere, em Sintra, dois castelos de extrema solidez (fonte: Al-Himyarî, geógrafo e historiador muçulmano). Estes seriam o situado no cimo da serra, que ainda é chamado Castelo dos Mouros, e o que existiria no local do atual palácio, implantado junto à povoação, na antiga Almedina. Teria servido como habitação dos governantes mouros e, após 1147, dos reis cristãos, na sequência das conquistas de Santarém e de Lisboa.
Em Carta Régia de 1281, D. Dinis, ciente das necessidades de manutenção dos edifícios sintrenses da Coroa (mea palacia, como são referidos pelo próprio rei), concede regalias aos mouros livres da vila vizinha de Colares pela conservação e renovação do seu Paço de Sintra: o Paço mouro pertencente à Coroa por direito de conquista, situado no interior de um recinto amuralhado.
Uma das três vistas (1509) de Duarte d’Armas (1465-?), inestimáveis fontes iconográficas por serem anteriores à campanha de obras de D. Manuel I, mostra, à esquerda, umas construções, hoje desaparecidas, com a legenda Meca (toponímia evocativa do velho paço mouro que ainda perdurava nos inícios do século XVI?). Neste local D. Manuel mandaria construir, poucos anos depois, a Torre da Sala dos Brasões.
Após a retoma de Sintra, decorreu algum tempo até os reis portugueses começarem a frequentar o Palácio com maior assiduidade, sobretudo depois de Lisboa se afirmar como sede do poder central. A proximidade da capital, o clima privilegiado, a paisagem, a abundância de víveres e as condições de caça foram fatores determinantes na escolha de Sintra como refúgio da Corte durante os meses de verão.
D. Dinis (reinado, 1279-1325) foi, provavelmente, o primeiro monarca a interessar-se pelo paço sintrense, uma vez fixados os limites do território português. Os seus aposentos situar-se-iam na parte mais elevada do edifício, a norte, junto da Capela Palatina que mandou construir. Este corpo ainda sobrevive e um dos seus espaços mais antigos é o conhecido como Quarto-Prisão de D. Afonso VI.
As grandes transformações e alargamentos do Palácio datam do período de D. João I (reinado, 1385-1433), no primeiro quartel do século XV, tendo-se atribuído as obras a João Garcia de Toledo. O novo paço, mais amplo e faustoso, organiza os aposentos em torno do Pátio Central, justapostos e comunicando entre si, com funções diversas, em parte referidas no manuscrito Medição das Casas de Cintra que o rei D. Duarte deixou. Destaca-se a fachada principal da construção joanina, voltada para a vila, quase totalmente ocupada pela Sala dos Cisnes, principal espaço de aparato. A distribuição do conjunto de salas anexas respondia a um critério de crescente privacidade, segundo o modelo de várias antecâmaras (Sala das Pegas, de D. Sebastião, das Sereias, onde se localizava o guarda-roupa, e de Júlio César), câmara ou quarto de dormir (Sala dos Árabes) e trascâmara (Quarto de Hóspedes). Deste modo, as divisões mais afastadas da Sala dos Cisnes seriam as mais restritas e íntimas. Fechando este conjunto, erguem-se do lado nascente as cozinhas, cujas monumentais e duplas chaminés cónicas se tornaram no ex-líbris do palácio e da própria vila de Sintra.
Devem-se a D. Manuel I (reinado, 1495-1521) as campanhas de obras destinadas a embelezar e beneficiar o Palácio, destacando-se os elementos decorativos manuelinos (portas e janelas) e mudéjares (revestimentos azulejares), bem como dois novos corpos que engrandeceram o paço real: a ala nascente, destinada aos aposentos de D. Manuel, e a Torre coroada pela Sala dos Brasões.
Ao longo dos séculos seguintes, poucas intervenções tiveram um impacto profundo no perfil do Palácio e o acontecimento mais significativo nele ocorrido, posterior ao reinado de D. Manuel, terá sido o cativeiro de um rei sem trono, D. Afonso VI, episódio que marca o fim do período mais intenso de habitação real.
O Palácio Nacional de Sintra foi classificado como Monumento Nacional em 1910 e integra-se na Paisagem Cultural de Sintra, classificada pela UNESCO como Património Mundial da Humanidade desde 1995.
Em 2013 passou a integrar a Rede de Residências Reais Europeias.
[Fonte: Parques de Sintra - Monte da Lua].

+Fotocomposição de autor não identificado+
 ·  Translate
7 comments on original post
1
Add a comment...
 
 
Castelo de Belmonte - Belmonte, Castelo Branco (Portugal).

Construído num "inselberg", no extremo Norte da Cova da Beira, o Castelo de Belmonte é uma imponente construção em granito mandada edificar por D. Sancho I entre os finais do século XII e os inícios do século XIII, em pleno processo de consolidação da fronteira oriental do reino. As informações acerca da sua maior antiguidade (em particular a que relacionava uma primeira fase de povoamento com um oppidum romano), foram rejeitadas pelas recentes escavações arqueológicas, que não identificaram qualquer vestígio dessa época (MARQUES, 2001,pp. 485 e 494, nota 4).
O castelo românico implantou-se, muito provavelmente, sobre um primitivo povoado pré-românico, periférico e de escassa relevância política, mas que poderá ter sido dotado de muralha, como parece provar-se pelos vestígios de um alicerce e pela referência duocentista a um muro pré-existente (IDEM, pp.487-488).
Em 1199, no mesmo ano em que D. Sancho I transferiu a diocese da Egitânia para a Guarda, Belmonte foi dotado de foral régio, documento fundacional em que o monarca reconhece os direitos do bispo de Coimbra sobre a localidade. Em 1223, D. Sancho II confirmou este foral, devendo datar dessa época uma renovada atenção às obras de fortificação. António da Cunha Marques aponta para os meados do século XIII a definição do plano geral do castelo (IDEM, p.489), mas a verdade é que os resultados das escavações não são claros a respeito da cronologia exacta de algumas parcelas. Ou seja, permanece uma relativa dificuldade em identificar o que pertenceu ao castelo românico e o que, por ser já gótico, se deve atribuir à reforma dionisina, na viragem para o século XIV. O facto de a investigação ter encontrado uma extensa zona de aterro, que terá levado, mesmo, ao despovoamento parcial da área intra-muros (IDEM, p.489), é um indicador seguro da maior amplitude das obras góticas aqui realizadas. E o mesmo se poderá vir a concluir acerca do traçado oval do conjunto, mais característico da arquitectura militar gótica que da românica.
A torre de menagem é a principal estrutura dionisina do conjunto. Assente sobre uma sapata (ao contrário das muralhas) e realizada com grandes silhares bem aparelhados e siglados, ela adossa-se do lado Sul e protege a entrada principal no recinto. Ainda hoje, a sua imponência constitui uma das mais cenográficas panorâmicas da vila, com a sua planta quadrangular e um desenvolvimento vertical de três andares (marcados exteriormente por frestas e por duas portas na face voltada ao interior do castelo) e coroamento ameado.
Deslocada a fronteira mais para nascente, com o Tratado de Alcanices, Belmonte perdeu parte da sua importância estratégica. A nova ordem proporcionada pela dinastia de Avis, todavia, encarregou-se de dotar o castelo de renovada relevância. Seguindo uma prática comum à nobreza quatrocentista, parte do antigo recinto foi transformada em paço senhorial. Logo em 1397 ou 1398, D. João I nomeou como alcaide Luís Álvares Cabral. Foram diversas as obras então efectuadas. Do lado Sul, reconstruiu-se a actual entrada, em forma de cotovelo. Do lado oposto, reformou-se parte da muralha, adossando-se-lhe um torreão e deu-se nova forma à porta setentrional, nomeadamente através da inclusão de uma troneira (IDEM, p.491).
No reinado de D. Afonso V, criada a alcaidaria-mor de Belmonte e doado o título a Fernão Cabral, este nobre empreendeu a construção do seu paço. As obras deverão ter começado pela ala nascente, ao longo da muralha. Num segundo momento, edificou-se o corpo ocidental, mais regular e de duplo piso (IDEM, p.492). Desse período, data a janela manuelina mainelada, aberta no lado Sul, junto à torre de menagem, que se encontra encimada pelo brasão da família.
Alvo de um incêndio no final do século XVII, e perdida a função militar nos séculos seguintes, o castelo foi parcialmente restaurado na década de 40 do século XX. Recentemente, o IPPAR, em colaboração com a autarquia, adaptou-o a equipamento cultural.
[Fonte: PAF - IPPAR, IP].

Foto de Jaime Scatena.
 ·  Translate
4 comments on original post
1
Add a comment...
Have him in circles
480 people
Celina Galli's profile photo
Wei Guan's profile photo
Arte Toscana's profile photo
Yesenia Reyes's profile photo
Abdul Karim's profile photo
Angela Soleis's profile photo
Luis Rivas's profile photo
SafeWomenFnd SWF's profile photo
iHistoriArte's profile photo
 
 
Today the United Nations commemorates International Day of the World’s Indigenous Peoples.

Watch live 3pm EST: webtv.un.org

Learn more: http://www.un.org/indigenous

#WeAreIndigenous  
7 comments on original post
1
Add a comment...
 
 
Do you think that athletes should have the option of competing under their national flag or under the EU flag in sporting events?

_______

Elisa Di Francisca, italian athlete, poses with the flag of the European Union as she celebrates her silver medal during the award ceremony of the women's Individual Foil event of the Rio 2016 Olympic Games in Rio de Janeiro, Brazil, 10 August 2016.

Via My country? Europe.

- Rausten
21 comments on original post
1
Add a comment...
 
 
Igreja de São Miguel do Castelo - Monsanto, Idanha-a-Nova (Portugal).

Em ruínas, é um templo românico em pedra granítica situado no alto da povoação ao lado do Castelo. Possui bela porta axial de arco de volta perfeito, com quatro arquivoltas em cujos capiteis se notam motivos animais e vegetais.
A breve distância, e sobre um penedo, uma original torre sineira com dois arcos geminados de volta perfeita.
Em redor da Capela, encontram-se várias sepulturas escavadas na rocha.

Fotos de José Carlos.
 ·  Translate
3 comments on original post
1
Add a comment...
 
 
Torre de Belém [e miniatura] - Lisboa (Portugal).

A Torre de Belém é um dos monumentos mais expressivos da cidade de Lisboa. Localiza-se na margem direita do rio Tejo, onde existiu outrora a praia de Belém. Inicialmente cercada pelas águas em todo o seu perímetro, progressivamente foi envolvida pela praia, até se incorporar hoje à terra firme.
O monumento destaca-se pelo nacionalismo implícito, visto que é todo rodeado por decorações do Brasão de armas de Portugal, incluindo inscrições de cruzes da Ordem de Cristo nas janelas de baluarte; tais características remetem principalmente à arquitetura típica de uma época em que o país era uma potência global (a do início da Idade Moderna).
Originalmente sob a invocação de São Vicente de Saragoça, padroeiro da cidade de Lisboa, designada no século XVI pelo nome de Baluarte de São Vicente a par de Belém e por Baluarte do Restelo, esta fortificação integrava o plano defensivo da barra do rio Tejo projetado à época de João II de Portugal (1481-95), integrado na margem direita do rio pelo Baluarte de Cascais e, na esquerda, pelo Baluarte da Caparica.
A estrutura só viria a ser iniciada em 1514, sob o reinado de Manuel I de Portugal (1495-1521), tendo como arquitecto Francisco de Arruda. Localizava-se sobre um afloramento rochoso nas águas do rio, fronteiro à antiga praia de Belém, e destinava-se a substituir a antiga nau artilhada, ancorada naquele trecho, de onde partiam as frotas para as Índias. As suas obras ficaram a cargo de Diogo Boitaca, que, à época, também dirigia as já adiantadas obras do vizinho Mosteiro dos Jerónimos.
Concluída em 1520, foi seu primeiro alcaide Gaspar de Paiva, nomeado para a função no ano seguinte.
Com a evolução dos meios de ataque e defesa, a estrutura foi, gradualmente, perdendo a sua função defensiva original. Ao longo dos séculos foi utilizada como registo aduaneiro, posto de sinalização telegráfico e farol. Os seus paióis foram utilizados como masmorras para presos políticos durante o reinado de Filipe II de Espanha (1580-1598), e, mais tarde, por João IV de Portugal (1640-1656). O Arcebispo de Braga e Primaz das Espanhas, D. Sebastião de Matos de Noronha (1586-1641), por coligação à Espanha e fazendo frente a D. João IV, foi preso e mandado recluso para a Torre de Belém.
Sofreu várias remodelações ao longo dos séculos, principalmente a do século XVIII que privilegiou as ameias, o varandim do baluarte, o nicho da Virgem, voltado para o rio, e o claustrim.
Classificada como Monumento Nacional por Decreto de 10 de Janeiro de 1907, é considerada como Património Mundial pela UNESCO desde 1983. Naquele mesmo ano integrou a XVII Exposição Europeia de Arte Ciência e Cultura.
[Origem (adaptado): Wikipédia, a enciclopédia livre]

Foto de Arthur2013.
 ·  Translate
21 comments on original post
1
Add a comment...
 
 
Estátua de Pedro Álvares Cabral - Belmonte, Castelo Branco (Portugal).

Pedro Álvares Cabral (1467-1520) foi navegador português. No dia 22 de abril de 1500, capitão-mor de uma frota de 13 embarcações, chegou ao Brasil. Descendente de família nobre, estudou em Lisboa onde aprendeu literatura, história, cosmografia, artes militares e técnicas náuticas. Em 1499, foi nomeado pelo rei D. Manuel, capitão-mor da armada que partiria para às Índias, seguindo a rota recém inaugurada por Vasco da Gama, contornando a África, com missão diplomática e comercial.
Pedro Álvares Cabral (1467-1520) nasceu no Castelo de Belmonte, na Beira Baixa, Portugal, no ano de 1467. Foi o terceiro filho de Fernão Cabral e Isabel Gouveia de Queirós. De família nobre, famosa nas lutas contra os mouros e castelhanos, estudou em Lisboa onde aprendeu literatura, história, cosmografia e artes militares. Na corte de D. João II (1481-1495) aperfeiçoou-se em cosmografia e estudou técnicas militares.
No reinado de D. João II começaram as grandes saídas marítimas. Experientes no uso de caravelas, os portugueses passaram a explorar a costa ocidental da África. Em 1488 Bartolomeu Dias cruzou o cabo da Boa Esperança, extremo sul da África e, em 1498 Vasco da Gama chegou em Calicute, na Índia.
Na corte de D. Manuel (1495-1521), Cabral foi agraciado com o título de Fidalgo do Conselho do Rei e Cavaleiro da Ordem de Cristo. Em 1499, foi nomeado capitão-mor da armada que seguiria para a Índia, com missão diplomática, comercial e militar.
Pedro Álvares Cabral assumiu o posto de capitão-mor da frota, composta por dez naus e três caravelas, entregando o comando a navegadores experientes, entre eles, Bartolomeu Dias. Havia pessoas importantes em cada navio como fidalgos e religiosos, entre eles, o Frei Henrique Soares de Coimbra. Estava a bordo o escrivão Pero Vaz de Caminha e ainda cientistas e astrônomos.
No dia 9 de março de 1500, no porto de Lisboa, após uma missa, em meio a uma grandiosa cerimônia com a presença do rei e sua corte, Cabral recebe das mãos do rei o estandarte real, símbolo do seu poder, partindo em seguida para às Índias.
No dia 22 de abril a esquadra avista novas terras. No dia 23 ancoram na atual baía Cabrália, entre a ilha da Coroa Vermelha e a baía rasa de Santa Cruz, no Estado da Bahia. Pero Vaz de Caminha, na carta que envia depois ao rei D. Manuel, conta que Cabral, resolveu mandar um pequeno barco, com Nicolau Coelho, para ver o local de perto. Vinte homens pardos, todos nus se aproximaram do escaler. Os homens traziam arco e flecha, mas a um sinal dos portugueses baixaram as armas.
No dia 26 de abril, na ilha da Coroa Vermelha, é rezada a primeira missa no Brasil. Nos dias que se seguiram, Cabral organizou diversas excursões para conhecer melhor o lugar. No dia 1 de maio, uma cruz foi levada até as margens, tinha as armas de Portugal esculpidas, era o marco da soberania portuguesa. Foi colocada na entrada da floresta, diante de um pequeno altar, onde foi celebrada a segunda missa, sob os olhares dos indígenas, como cerimônia de posse das terras.
No dia 2 de maio a nau de Gaspar de Lemos retorna a Portugal, levando a carta de Pero Vaz de caminha. Os demais navios seguem para às Índias. No dia 13 de maio, quatro embarcações, entre as quais a de Bartolomeu Dias, são destruídas pela tormenta.
Pedro Álvares Cabral chega à Calicute, na Índia, no dia 13 de setembro de 1500, onde assina o primeiro acordo comercial entre os dois países. Retornou à Europa com um grande carregamento de especiarias e produtos locais. Em junho de 1501, seis navios remanescentes da grande esquadra chegam de retorno ao Tejo. Cabral é recebido com festas, era a consolidação do comércio com o oriente.
Em 1503, casa-se com D. Isabel de Castro. Em 1518 recebe o título de Cavaleiro do Conselho Real. Em 1509, Cabral retira-se de Lisboa e passa a viver em Santarém.
Pedro Álvares Cabral faleceu em Santarém, Portugal, no ano de 1520. Seu corpo foi sepultado na Igreja da Graça.

+Foto de autor não identificado+
 ·  Translate
15 comments on original post
1
Add a comment...
Story
Tagline
"Quod in vitae spatium agimus in aeternum resonat" (Máximo Décimo Meridio).
Introduction
"Lo que determina el destino del mundo es la perseverancia de los hombres por logra rsus objetivos y anhelos, para hacer del mismo un lugar donde podamos habitarlo todos en armonía, lograr vivir en una sociedad estableciendo la unión de nuestras culturas, pero sin perder el significado y la ideantidad de cada una de ellas, así preveer con antelación cualquier disputa inecesaria y nunca arrepentirnos de nuestros actos, por que siempre pretenderemos actuar del mejor modo, en ello con frecuencia todo lo que sueña por poseer tanto material y espiritualmente debemos elegirlo con cautela, de tal modo, mejorar la congnición y la perspectiva en el modo de ver las cosas con la adquisición de nuevos conocimientos, para cimentar el nuevo futuro que se será la base para un nuevo presente". Así me parece que debe ser nuestro modus vivendi, he intentado cada día de mí vida el hacerlo de tal manera, por que no es menos hombres el que selecciona lo que aprende, al contrario aquel hombre es un ser que se rige por principios y convicciones, quizá no siempre por el valor del mismo, pero el fin siempre debe ser loable, e incuestionablemente para el bien de todos, y el común, no se puede obrar sin pensar en el efecto que causará sobre otros.
Bragging rights
La historia es mi afición, mi hobbie, mi pasatiempo y mi condena, por ello la arqueología, y la antropología vienen a complementarla, y el arte es mi pasión por excelencia.
Work
Occupation
Autodidacta ("ad honorem dei gloriam").
Skills
Escribir, pintar al óleo, acrílico, carboncillo.......
El museo nacional del Prado de España con localización actual en Madrid alberga una gran cantidad colecciones de arte en pinturas y esculturas de todos los tiempos, incluyendo entre sus magníficas pinacotecas obras de Diego Velázquez, de Francisco de Goya Y Lucientes, que eran pintores españoles reconocidos por sus formas de ver la pintura, más que como un trabajo como algo simbólico y de mayor valor, también existen obras de italianos, holandeses, alemanes, pinturas flamencas, y sin duda es magnífico contar con una Mona Lisa copiada de la misma Gioconda existente en el Louvre, en la época de Leonardo da Vinci, por uno de sus estudiantes. Además podrás ver otras espléndidas obras de igual valor en todo el museo y en su recorrido, algo que si sabes de pintura y de arte, quedarás más que satisfecho de poder haber visto todo lo que había en el interior de la gran infraestructura monumental arquitectónica del Prado.
• • •
Public - 3 months ago
reviewed 3 months ago
1 review
Map
Map
Map