Profile cover photo
Profile photo
Isabel Botelho
40 followers
40 followers
About
Posts

Post has attachment
Escrever sobre o que pinto nunca foi ou é tarefa fácil. Tenho mais facilidade em reproduzir as emoções, as sensações e as vivências no traço que lhes dá forma do que na palavra que as define. 
A presente série de pintura/desenho versa sobre a Vida, sua progressão, suas relações e emoções, dentro e fora de uma simples rede social. As personagens surgem em representação de todos os interlocutores que tiverem lugar no nosso imaginário, numa conversa infindável de encenações e seus cenários. Soam me a monólogos coloridos. Umas vezes ingénuos, noutras vezes provocadores. Surgem-me na tela com a agilidade das cores com que se pintam os sonhos. 
Sem sonho como veríamos nós a realidade? E sem esse campo do palpável como interpretaríamos o sonho intangível. É nesta dialéctica, em que pareço estar sempre acordada ou sempre a fantasiar, que me pergunto o que fazemos nós na mistura das tintas para tornar o sonho uma realidade?
Dedico esta minha série à figura da Mulher e à permanência da sua substância, tanto na sua infantilidade como na sua maturidade. Aos seus lados visíveis e invisíveis onde se desenham, ténues ou evidentes, todos os encontros e desencontros, expectativas e concretizações, medos e coragens, liberdades e constrangimentos, audácia e timidez… 
Dedico-a às Mulheres conhecidas por cada um de nós, outras reconhecidas por todos, no seu eterno feminino. Retracto-as memorizadas pelo seu olhar, sendo que o que fica dentro de mim, dentro do meu ser, é aquilo que eu admiro nelas. Aspectos com os quais me identifico e que em homenagem a essa partilha de sermos mulheres procuro eternizar. 
A pintura e o desenho perseguem-me desde sempre, e eu persigo-os também, dentro e fora de mim, em papéis e telas, com as cores que o meu coração comanda e os meus olhos inventam e reinventam. 
Renasço em cada quadro, com as surpresas que o acaso estabelece. É na pintura, no Amor, na família e nas minhas relações de amizade que devo muito da minha força de viver. 
A todos o meu muito obrigado por me inspirarem e comigo partilharem em cada momento o meu alimento emocional, o meu subconsciente e consciente, fazendo com que as minhas mãos criem todos os dias através daquilo que o meu coração sente…  

Post has attachment
"Behind what your eyes can see..."
Escrever sobre o que pinto nunca foi ou é tarefa fácil. Tenho mais facilidade em reproduzir as emoções, as sensações e as vivências no traço que lhes dá forma do que na palavra que as define. 
A presente série de pintura/desenho versa sobre a Vida, sua progressão, suas relações e emoções, dentro e fora de uma simples rede social. As personagens surgem em representação de todos os interlocutores que tiverem lugar no nosso imaginário, numa conversa infindável de encenações e seus cenários. Soam me a monólogos coloridos. Umas vezes ingénuos, noutras vezes provocadores. Surgem-me na tela com a agilidade das cores com que se pintam os sonhos. 
Sem sonho como veríamos nós a realidade? E sem esse campo do palpável como interpretaríamos o sonho intangível. É nesta dialéctica, em que pareço estar sempre acordada ou sempre a fantasiar, que me pergunto o que fazemos nós na mistura das tintas para tornar o sonho uma realidade?
Dedico esta minha série à figura da Mulher e à permanência da sua substância, tanto na sua infantilidade como na sua maturidade. Aos seus lados visíveis e invisíveis onde se desenham, ténues ou evidentes, todos os encontros e desencontros, expectativas e concretizações, medos e coragens, liberdades e constrangimentos, audácia e timidez… 
Dedico-a às Mulheres conhecidas por cada um de nós, outras reconhecidas por todos, no seu eterno feminino. Retracto-as memorizadas pelo seu olhar, sendo que o que fica dentro de mim, dentro do meu ser, é aquilo que eu admiro nelas. Aspectos com os quais me identifico e que em homenagem a essa partilha de sermos mulheres procuro eternizar. 
A pintura e o desenho perseguem-me desde sempre, e eu persigo-os também, dentro e fora de mim, em papéis e telas, com as cores que o meu coração comanda e os meus olhos inventam e reinventam. 
Renasço em cada quadro, com as surpresas que o acaso estabelece. É na pintura, no Amor, na família e nas minhas relações de amizade que devo muito da minha força de viver. 
A todos o meu muito obrigado por me inspirarem e comigo partilharem em cada momento o meu alimento emocional, o meu subconsciente e consciente, fazendo com que as minhas mãos criem todos os dias através daquilo que o meu coração sente…  
Isabel Contreras Botelho

Post has attachment
Exposição "Beautiful Unknown"

Post has attachment
Exposição "Passagens Secretas..."

Post has attachment
Exposição "Virtual and Virtues..."

Post has attachment
Exposição "Passos por um Fio.."

Post has attachment
Photo

Post has attachment
INTRODUÇÃO

É com o maior gosto e viva satisfação que a LUSITANIA acolhe na sua sede, a exposição de pintura “Wonderland in Waterland” de Isabel Contreras do Botelho.

Não obstante a sua juventude, Isabel Botelho tem já um extenso e vasto Currículo, que as dezassete exposições em que as suas obras figuraram bem ilustra.

Tendo, desta vez, escolhido os Açores como tema e o Mar como fulcro, o conjunto dos trabalhos apresentados leva-nos a percorrer, um mundo fantástico em tons azuis, projectando a nossa imaginação através da intemporalidade da juventude, dir-se-á uma viagem às ilhas encantadas conduzida por Erato e Euterpe, as musas dos Amores e da Poesia, tal como o imaginou Parrhasius, o mais célebre pintor da antiguidade clássica, vinte e cinco séculos atrás.

As raízes açorianas da autora estão patentes no desvelo com que assume a sensibilidade da alma açoriana que Vitorino Nemésio interpretou magistralmente nos seus textos.

A presente exposição leva-nos através da harmonia cromática e do rigor da interpretação, aparentemente figurativa, a visitar ou revisitar a história nostálgica destas ilhas verdejantes, unidas pelo mar, que os seus habitantes levaram aos cinco cantos do Mundo.

Numa época marcada pela sobrevalorização do imediato e pelo materialismo, a obra de Isabel Botelho constitui, para além de uma chamada à interiorização da beleza serena, um apelo à reflexão sobre uma parcela do território nacional que tanto influenciou a formação da nossa identidade como Povo e como Nação.

Parabéns ISABEL!

Lisboa, 6 de Junho de 2012
José António de Arez Romão
Administrador-Delegado
LUSITANIA / GRUPO MONTEPIO
Membro da Academia Portuguesa da História
Membro da Academia de Marinha
PhotoPhotoPhotoPhotoPhoto
2014-05-07
45 Photos - View album

Post has attachment
“Virtual and Virtues…”
Escrever sobre o que pinto nunca foi ou é tarefa fácil. Tenho mais facilidade em reproduzir as emoções, as sensações e as vivências no traço que lhes dá forma do que na palavra que as define. 
A presente série de pintura/desenho versa sobre a Vida, sua progressão, suas relações e emoções, dentro e fora de uma simples rede social. As personagens surgem em representação de todos os interlocutores que tiverem lugar no nosso imaginário, numa conversa infindável de encenações e seus cenários. Soam me a monólogos coloridos. Umas vezes ingénuos, noutras vezes provocadores. Surgem-me na tela com a agilidade das cores com que se pintam os sonhos. 
Sem sonho como veríamos nós a realidade? E sem esse campo do palpável como interpretaríamos o sonho intangível. É nesta dialéctica, em que pareço estar sempre acordada ou sempre a fantasiar, que me pergunto o que fazemos nós na mistura das tintas para tornar o sonho uma realidade?
Dedico esta minha série à figura da Mulher e à permanência da sua substância, tanto na sua infantilidade como na sua maturidade. Aos seus lados visíveis e invisíveis onde se desenham, ténues ou evidentes, todos os encontros e desencontros, expectativas e concretizações, medos e coragens, liberdades e constrangimentos, audácia e timidez… 
Dedico-a às Mulheres conhecidas por cada um de nós, outras reconhecidas por todos, no seu eterno feminino. Retracto-as memorizadas pelo seu olhar, sendo que o que fica dentro de mim, dentro do meu ser, é aquilo que eu admiro nelas. Aspectos com os quais me identifico e que em homenagem a essa partilha de sermos mulheres procuro eternizar. 
A pintura e o desenho perseguem-me desde sempre, e eu persigo-os também, dentro e fora de mim, em papéis e telas, com as cores que o meu coração comanda e os meus olhos inventam e reinventam. 
Renasço em cada quadro, com as surpresas que o acaso estabelece. É na pintura, no Amor, na família e nas minhas relações de amizade que devo muito da minha força de viver. 
A todos o meu muito obrigado por me inspirarem e comigo partilharem em cada momento o meu alimento emocional, o meu subconsciente e consciente, fazendo com que as minhas mãos criem todos os dias através daquilo que o meu coração sente…  

Isabel Contreras do Botelho
PhotoPhotoPhotoPhotoPhoto
2014-05-07
78 Photos - View album

Post has attachment
“Virtual and Virtues…”
Escrever sobre o que pinto nunca é tarefa fácil! Trata-se de emoções, sensações, vivências difíceis de reproduzir em texto…
A presente série de pintura/desenho versa sobre a Vida, sua progressão, suas relações e emoções, dentro e fora de uma simples rede social… As personagens surgem como que a representarem interlocutores possíveis, numa conversa infindável de encenações, e de possíveis cenários, com monólogos umas vezes ingénuos, outras vezes provocadores… No fundo parte daquilo de que são os sonhos!
Sem sonho o que seria da nossa realidade? E sem essa realidade o que seria do sonho… e o que fazemos nós para tornar esse sonho uma realidade?
Dedico esta minha série à figura da mulher, onde quer que ela esteja, quem quer que seja, de onde quer que venha e para onde quer que vá!... Mulheres conhecidas por nós… e reconhecidas por todos, no seu eterno feminino. Mulheres retratadas por mim, memorizadas pelo seu olhar, sendo que o que fica dentro de mim, dentro do meu ser, é aquilo que eu admiro nelas, com que o qual me identifico e que procuro eternizar…
A pintura e o desenho perseguem-me desde sempre, e eu persigo-os também, dentro e fora de mim, em papéis e telas, com as cores que o meu coração comanda e os meus olhos inventam e reinventam. 
Renasço em cada quadro, com as surpresas que o acaso estabelece! É na pintura, no Amor, na família e nas minhas relações de amizade que devo muito da minha força de viver. A todos o meu muito obrigado por me inspirarem e comigo partilharem em cada momento o meu alimento emocional, o meu subconsciente e consciente, fazendo com que as minhas mãos criem todos os dias através daquilo que o meu coração sente…  
Wait while more posts are being loaded